Exercícios para osteoporose: como fazer e orientações

Exercício para osteoporose como fisioterapia, musculação e subir escadas são exercícios para osteoporose que fortalecem os músculos e os ossos. Essas atividades ajudam pessoas que possuem esse problema ou quem quer prevenir.

A osteoporose é uma doença que afeta a saúde dos ossos e exige uma série de cuidados, principalmente para evitar fraturas. Por causa disso, muitos pacientes acabam tendo receio de realizar atividades físicas, para evitar possíveis riscos.

Naturalmente, quem já tem osteoporose precisa fazer isso com a orientação de profissional especializado, para minimizar possíveis riscos.

Neste artigo, você conhecerá 5 exercícios indicados para quem tem osteoporose e, porque eles são importantes.

Boa leitura!

Orientações gerais para quem tem osteoporose

No caso de pessoas já diagnosticadas com osteoporose, certos exercícios físicos podem ser importantes por diferentes motivos, como:

  • Fortalecer e ganhar massa muscular, trazendo mais proteção para os ossos;
  • Aumentar a densidade óssea;
  • Reduzir as dores provocadas pela osteoporose.
  • Trazer mais equilíbrio e coordenação, prevenindo quedas.

Pensando nisso, listamos a seguir 5 tipos de exercícios que podem ser bastante úteis para obter esses benefícios.

Porém, é fundamental ter antes a liberação médica para realizar atividades físicas, além de contar com a orientação e/ou supervisão de profissional habilitado para isso, a fim de minimizar os riscos de lesões.

Além disso, a intensidade com a qual será realizada cada atividade vai depender do grau de tolerância de cada paciente, conforme o estágio da doença. 

👉 Leia também:

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

Exercícios para quem tem osteoporose

Veja, a seguir, uma lista dos exercícios mais benéficos – e seguros – para quem apresenta essa condição e por que eles são importantes.

1. Musculação

Dentre os exercícios indicados para quem tem osteoporose, a musculação é um dos mais recomendados pelos médicos.

Isso porque essa prática promove o ganho de massa muscular, além de contribuir para o ganho de força e equilíbrio.

Quando feita corretamente, a musculação também ajuda no fortalecimento ósseo, pois o levantamento de pesos auxilia no aumento da densidade óssea.

Quais são os fatores que determinam sua densidade óssea? É a genética, a alimentação, os hábitos de vida? Saiba as respostas neste artigo!

2. Caminhadas

As caminhadas também podem são um dos exercícios indicados para quem tem osteoporose, principalmente pelo seu fácil acesso e por conta do baixo impacto que causa nos ossos e articulações.

Caminhar por cerca de 30 minutos ao dia, já é possível colher benefícios, como o fortalecimento dos ossos e a melhora da coordenação motora.

Os únicos cuidados são utilizar calçados adequados – nada de chinelos – que tragam boa estabilidade, além de caminhar em locais longe de carros e sem a presença de irregularidades, que possam aumentar o risco de acidentes ou quedas.

Finalmente, busque realizar essa atividade sempre na companhia de alguém.

Não é só a osteoporose que pode afetar os ossos. Conheça 3 doenças dos ossos, com seus sintomas, diagnósticos e formas de prevenção! 

3. Subir escadas

Caso a condição física geral permita, subir escadas também podem ser uma opção de exercício interessante para quem tem osteoporose. Lembrando que já existem equipamentos em academias que simulam essa atividade.

Subir escadas promove, em algum grau, parte dos benefícios da musculação (fortalecimento muscular e coordenação) e também da caminhada (fortalecimento ósseo e equilíbrio). 

Novamente, o mais importante aqui são os cuidados quanto à prevenção de quedas e acidentes, como o uso do corrimão e de calçados adequados. Como sempre, é indicado que isso seja feito com orientação profissional e sempre na companhia de alguém.

Você sabe as diferenças entre osteopenia e osteoporose? Conheça cada uma dessas condições e os cuidados que elas pedem acessando este outro artigo!

4. Hidroginástica

Talvez aqui esteja a opção mais segura dentre todas as citadas neste artigo.

Praticar hidroginástica é uma excelente maneira de garantir que os ossos e os músculos de todo o corpo sejam fortalecidos.

Os exercícios feitos dentro da água oferecem um mínimo de impacto possível para o corpo, diminuindo o risco de fraturas, trabalhando tanto força quanto condicionamento cardiovascular.

Como se trata a osteoporose? Conheça o que pode ser feito em cada grau da doença acessando este outro artigo!

5. Fisioterapia

Para quadros mais graves de osteoporose, a fisioterapia é a opção mais recomendada.

Isso porque, nesses casos, a fisioterapia será feita principalmente como forma de tratamento médico, atuando – de acordo com as orientações médicas – nas queixas específicas do paciente, sejam elas o combate à dor, a prevenção de quedas, a recuperação de fraturas, entre outras finalidades.

O trabalho do fisioterapeuta é importante em todas as fases de tratamento do paciente, atuando em conjunto com o(a) médico(a) de referência.

6. Dança

Melhora a circulação sanguínea, os movimentos da dança impacta diretamente nos ossos das pernas, quadril e coluna, assim, ajudando a retardar a perda mineral óssea e melhorando a qualidade de vida.

Como cuidar da saúde dos ossos e prevenir a osteoporose? Confira todas as dicas neste artigo do nosso Blog!

5 exercícios indicados para quem tem osteoporose

Exercícios não recomendados para quem tem osteoporose

Como dissemos no início, existem exercícios indicados para quem tem osteoporose, contanto que sejam indicadas pelo(a) médico(a) e feitas de forma adequada, com a devida orientação e/ou supervisão. 

No entento, exercícios que trazem muito impacto aos ossos e às articulações, sobrecarga (muito peso na musculação, por exemplo) ou aqueles que aumentem o risco de quedas e/ou fraturas devem ser evitados.

Osteoporose: os exercícios são só parte do tratamento

Como vimos, os exercícios físicos regulares são parte importante do tratamento e da prevenção em relação à osteoporose, mas não são os únicos cuidados necessários.

Para tratar e prevenir o problema, outras também são importantes, como:

  • Ingerir alimentos ricos em cálcio;
  • Manter os índices de vitamina D nos níveis indicados.
  • Evitar o tabagismo;
  • Não consumir álcool excessivamente.
  • No caso das mulheres – as mais afetadas – manter um acompanhamento próximo com especialista, principalmente quanto às alterações hormonais provocadas pela menopausa.

Garantir a saúde dos ossos é essencial para a manutenção de uma boa qualidade de vida. Basta pensar que essas estruturas são as responsáveis pela sustentação geral do organismo e proteção de órgãos vitais, sendo a prática de exercícios uma excelente forma de tratar a doença.

Ao prevenir a osteoporose, você também previne acidentes e fraturas, que podem ser muito graves e levar a outros problemas e complicações.

Nesse sentido, manter o acompanhamento médico regular e os exames de densitometria óssea periodicamente é fundamental.

Para realizar seus exames, considere a Clínica Viver como sua melhor opção!

Somos referência em Brasília em diagnósticos por imagem e investimos constantemente em oferecer equipamentos de ponta em um ambiente confortável e acolhedor para nossos pacientes.

Todos os nossos exames são realizados por médicos, garantindo mais precisão, segurança e agilidade em seus resultados.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER

infográfico: check-up pós-menopausa

Nódulo na tireoide: sintomas e características

Os nódulos de tireoide são lesões arredondadas, que surgem na glândula tireoide, sendo a grande maioria (em torno de 95%) benigna. Eles podem ser sólidos, císticos (com conteúdo liquido), ou mistos (sólidos e císticos).

É preciso monitorar quaisquer nódulo na tireoide, não apenas para tratar o hipotireoidismo ou hipertireoidismo, mas para identificar rapidamente problemas potencialmente mais sérios.

Os nódulos são geralmente assintomáticos, isto é, não apresentam sintomas, a não ser nos casos em que são grandes, visíveis ou palpáveis, situação que pode causar dificuldade para se engolir. Quando os nódulos produzem hormônios, isto normalmente denota sintoma de hipertireoidismo.

Assim como são comuns as condições de hipertireoidismo e hipotireoidismo, a presença de nódulos tireoidianos também são ocorrências usuais. Estatísticas dizem que 1 em cada 3 mulheres adultas pode ter nódulos na tiroide, assim como mais da metade das pessoas acima dos 50 anos, independentemente de sexo.

nodulo na tireoide

Veja como é feito e para que serve o exame de Ultrassonografia da Tireoide Com Doppler!

Quais os Tipos de Nódulos na Tireoide?

Resumidamente, podemos citar:

  • Cistos Coloides – são nódulos líquidos e benignos.
  • Adenomas Foliculares – nódulos sólidos, geralmente únicos e benignos.
  • Cistos complexos – nódulos com parte sólida e líquida, que podem ser benignos ou representar a existência de carcinoma.
  • Nódulos Inflamatórios – geralmente originários de processo inflamatório, a tireoidite. São nódulos benignos, também chamados de falsos nódulos.
  • Bócios – é o aumento excessivo da glândula, que pode ser causada por nódulo único ou por múltiplos nódulos. A principal causa de bócio é a deficiência de iodo na dieta. O risco de um nódulo no bócio multinodular de ser maligno é de 7 a 10%.
  • Carcinoma Papilífero – é o tipo de câncer mais comum da tireoide. O Carcinoma Papilífero acomete 3 vezes mais mulheres que homens, e geralmente ocorre nas 3ª ou 4ª décadas da vida. Ele costuma ter crescimento lento e baixo grau de malignidade. Os carcinomas podem aparecer na forma de nódulo sólido ou cístico, com componente sólido. As microcalcificações são as suas características mais marcantes.
  • Carcinoma Folicular – geralmente se apresenta na forma de nódulo sólido. O carcinoma folicular pode ser de baixo grau ou invasivo.
  • Carcinoma Medular – tem um grau de malignidade intermediário e geralmente ocorre nas 5ª ou 6ª décadas de vida. Raramente o carcinoma medular gera metástases a distância, mas há casos onde seu desenvolvimento chega a atingir o fígado e os pulmões.
  • Carcinoma Anaplásico – tem crescimento rápido e é um tumor mais agressivo. Geralmente, o carcinoma Anaplásico tem seu pico de incidência ocorre na 7ª década de vida. Ele costuma causar rouquidão, falta de ar e dificuldade para engolir, pois pode atingir um tamanho grande.
  • Linfoma de Tireoide – é mais comum em pacientes com Doença de Hashimoto e costuma ter um bom prognóstico. O linfoma de tireoide ocorre, geralmente, em mulheres na 6ª década de vida.

Veja como é feito e para que serve o exame Ecodoppler de Aorta e Ilíacas!

Sintomas dos nódulos na tireoide

A maioria dos nódulos na tireoide não são percebidos e podem sugir sem manifestar nenhum tipo de sintoma. Já os nódulos de maior tamanho tem maior probabilidade de ocasionarem alguns sintomas, como:

  • Sensação de caroços ou aperto no pescoço;
  • Dor na parte da frente do pescoço e/ou nos ouvidos;
  • Rouquidão ou mudança no timbre da voz;
  • Dificuldade para respirar e engolir;
  • Tosse incessante, que não seja proveniente de uma gripe. 

Nódulos que produzem hormônios da tireoide provavelmente podem manifestar sintomas de hipertireoidismo, incluindo:

Pele úmida, pulso acelerado, apetite aumentado, nervosismo e agitação, vermelhidão na pele e/ou ressecamento dela, inchaço facial, cansaço e perda de cabelo.

Conheça as causas do hipotireoidismo, sintomas e como funciona o diagnóstico! 

Nódulos da Tireoide: exames para diagnóstico

Os possíveis tratamentos dependem do tipo nódulo(s) encontrado(s). Tudo começa com exames laboratoriais de sangue, para se saber mais dos níveis de TSH, T3 e T4, e, assim, rastrear o desenvolvimento do nódulo.

Os níveis indicarão a necessidade de exames mais aprofundados ou o tratamento mais indicado. Quando o TSH está baixo, isto normalmente indica um nódulo produtor de hormônios, sendo o próximo passo a realização de uma cintilografia de tireoide para confirmar se o nódulo é ativo.

Nódulo na Tireoide

São exames indicados para aprofundamento da análise de nódulo na tireoide:

  • Ultrassonografia da Tireoide
    É um ótimo exame, não invasivo, para detecção e avaliação de nódulos suspeitos. Devemos ter em mente que a grande maioria dos nódulos de tireoide é benigna, e, atualmente, a ultrassonografia nos fornece muitos detalhes para determinarmos a natureza dos nódulos tireoidianos.
    Nódulos sólidos, maiores que 1 cm, hipoecoicos (mais escuros), com margens irregulares, mais altos que largos, e com microcalcificações em seu interior, são considerados suspeitos. O exame de doppler, se mostrar a ocorrência de fluxo sanguíneo no centro do nódulo maior que em volta dele, aumenta a suspeição de malignidade.
  • Punção Aspirativa da Tireoide por Agulha Fina (PAAF)
    É o exame mais efetivo para se determinar a natureza do nódulo tireoidiano.
    A punção de tireoide é indicada no caso de nódulos suspeitos. Ela é realizada no consultório, guiada por ultrassonografia da tireoide, e ocorre de forma rápida e com baixo nível de desconforto.
    Para saber mais, acesse um conteúdo que fizemos especificamente para Punções de Tiroide por agulha fina (PAAF).

  • Cintilografia
    É indicada para avaliar se o nódulo é funcionante (nódulo quente) ou não funcionante (nódulo frio). O paciente recebe uma pequena dose de iodo radioativo, via oral. A partir daí serão realizadas análises da efetiva captação do iodo pela tireoide. Os nódulos frios, que não captam o iodo, indicam maior grau de suspeição.

O resultado dos exames pode classificar os nódulos em 4 categorias:

  • Benigno.
  • Maligno.
  • Suspeito.
  • Não diagnóstico.

Tratamento do Nódulo na Tireoide

O tratamento do nódulo na tireoide depende da sua etiologia (causas) e da categoria do resultado:

  • Os nódulos benignos devem ser apenas monitorados por exames de ultrassonografia, a cada 6 ou 12 meses.
  • Os nódulos que produzem hormônios, apesar de serem geralmente benignos, devem ser retirados ou tratados com iodo radioativo, pois podem causar hipertireoidismo.
  • Para nódulos malignos é indicada a retirada da tireoide por cirurgia, seguida de terapia com iodo radioativo, para destruir células nocivas remanescentes.
  • A cirurgia de retirada da tireoide é também indicada para todos os nódulos malignos na primeira PAAF ou para aqueles que forem suspeitos e tiveram como resultado de nódulo frio na cintilografia.
  • Para resultados de nódulos suspeitos de tireoide ou nódulos de não diagnóstico deve-se prosseguir a pesquisa com outros exames ou procedimentos.

Confirme com um endocrinologista quais os exames laboratoriais e de imagem mais indicados para um diagnóstico preciso do caso específico, e, em caso de necessidade, é aconselhável partir imediatamente para o tratamento.

Nódulo na tireoide pode sumir?

Como já dito anteriormente, a grande maioria dos nódulos não irá causar mal algum à saúde da pessoa. E sim, há casos de nódulos que somem ou diminuem de tamanho sem precisar fazer cirurgia ou tratamento.

Contudo é imprescindível buscar orientação médica pois apenas um profissional da saúde capacitado poderá de fato diagnosticar e dizer se o surgimento de determinado nódulo é perigoso ou não.

Nódulos na tireoide são aglomerados de células que surgiram a partir da glândula tireoide e que podem crescer e se tornar malignos. Busque análise médica especializada mesmo que não esteja sentindo dores ou desconforto.

Clínica Viver

A Clínica Viver de Imagens Médicas, em Brasília, tem os mais modernos aparelhos de ultrassonografia, fazemos punções de tireoide e mama, além de biópsias. Temos, também, profissionais experientes e preparados para cuidar de seus exames e da sua saúde.

Ligue para a Viver. Conseguimos agendar sua consulta e/ou exame até para o mesmo dia. E acompanhe nossos textos e vídeos para mais informações sobre sua saúde.

Agendamento online

Ecografia Mamária ou Mamografia?

Ecografia mamária ou mamografia, autoexame e visitas perióticas ao médico. São ações e cuidados de rotina que toda mulher deve realizar para acompanhar a saúde da mama.

E uma dúvida bastante comum de muitas mulheres que surge nesse processo é quanto ao exame mais indicado para o acompanhamento da saúde da mama:

Para o meu caso específico, eu devo fazer uma Mamografia ou uma Ecografia Mamária?

Para esclarecer melhor essa questão para você, a Dra. Nubia, da Clínica Viver de Imagens Médicas, preparou um vídeo especial. Assista abaixo e depois continue acompanhando o artigo para mais informações.

Qual a diferença entre mamografia e ecografia mamária?

A resposta simples: os dois exames são importantes e complementares, pois oferecem informações diferentes. Sendo assim, ambos podem ser necessários para o seu caso, mas em momentos diferentes.

A Ecografia das Mamas, porém, não permite a visualização de microcalcificações — calcificações muito pequenas —, o que só é possível com a Mamografia.

Além disso, a Ecografia costuma ser indicada para pacientes jovens, como importante exame complementar à Mamografia.

Para entender melhor em quais situações cada procedimento pode ser indicado, confira abaixo mais informações sobre a Mamografia e a Ecografia Mamária.

Exames de Imagem em Taguatinga-DF, agende o seu exame agora!

O que é o exame de mamografia?

A mamografia é o exame de escolha para rastreamento do câncer de mama em mulheres a partir dos 40 anos.

Ela é realizada por meio de um aparelho de Raio X adaptado especificamente para um objetivo, colher das mamas imagens bastante detalhadas.

Para isso, é necessário que haja compressão das mamas na plataforma do aparelho, para um maior espalhamento das estruturas. É um incômodo muito pequeno para os benefícios que podem os obter com a descoberta precoce de qualquer problema.

Mamografia Dói? 7 Dicas Para uma Mamografia Sem Dor

Assim, com bons aparelhos, os mamógrafos, nós conseguimos uma melhor visualização de detalhes e possíveis alterações na glândula mamária. Suas imagens permitem que sejam identificados nódulos muito pequenos, a partir de 3 milímetros de diâmetro.

A Mamografia é considerada o padrão ouro no diagnóstico do câncer de mama, pois permite a identificação de microcalcificações, manifestações de um câncer de mama em estágio inicial.

Se você está em Brasília ligue agora para marcar sua Mamografia Digital. Tel: (61) 3034-8833.

Tire suas dúvidas sobre a mamografia aqui!

Radiação na Mamografia

Como em qualquer exame radiológico, a radiação recebida é uma preocupação de pacientes e médicos, porém, hoje, esta é uma preocupação exagerada. Com equipamentos modernos, a emissão de radiação é extremamente baixa.

Uma vinculação muito divulgada e que tem pouca base real é a relação entre o câncer de tireoide e a mamografia.

Estudos mostram que o risco de a mamografia causar câncer da tireoide é muito pequena, já que a radiação emitida em um exame equivale a 30 minutos de radiação recebida por exposição direta ao sol. De qualquer forma, é sempre bom procurar clínicas que tenham aparelhos modernos, que emitam baixa radiação.

Então, como vimos, a mamografia é uma arma extremamente importante na luta contra o câncer de mama. Quanto mais cedo nós detectarmos um problema, maiores serão as chances de cura, que chegam a 95% para um câncer de mama descoberto em fase inicial. Não deixe que informações sem sentido interfiram no acompanhamento da saúde de sua mama.

Garanta gratuitamente o seu Guia de Exames para identificar um câncer de mama
Em caso de suspeita de um câncer de mama, você sabe quais exames deve realizar?
E para identificar um câncer de mama em seu estágio inicial, qual o exame mais eficaz?
A Clínica Viver montou um guia para você!

Veja como é feito e para que serve o exame Ecodoppler de Aorta e Ilíacas!

Qual a diferença da mamografia convencional é digital?

As diferenças ocorrem na forma de se armazenar as imagens do exame, já que ambas utilizam raios-X para colher as imagens.

Na mamografia convencional, a imagem é impressa em um filme, ao passo que na mamografia digital o armazenamento é digital, em computador. E isso faz diferença.

Com bons monitores e softwares avançados aprimora-se a visualização, aprimora-se o armazenamento das imagens e, assim, pode-se chegar a uma precisão maior de resultados.

Além disso, não há perda de qualidade com o tempo, a imagem colhida será sempre nítida, o que não ocorre com o filme. Existe, também, maior facilidade em se rever, movimentar e trabalhar as imagens, para um estudo ainda mais preciso.

O que é a ecografia mamária?

Já a ecografia mamária, também chamada de ultrassonografia das mamas, ou ainda pela abreviação US mamária, pode ser realizada em qualquer idade, e é fortemente indicada para acompanhamento da saúde das mamas, por mulheres a partir dos 30 anos.

Por meio da ecografia, podemos detectar nódulos, e, pelas suas características ecográficas, determinar com boa precisão se são benignos ou malignos.

Para nódulos suspeitos, aqueles que têm potencial de malignidade, isto é, chance de serem malignos, é indicada uma análise mais aprofundada, que normalmente é feita por meio de biópsia das mamas com punção.

O material obtido pela punção, que é a extração de uma pequena amostra do nódulo, é remetida para análise, feita em laboratório de patologia. Estuda-se a amostra para determinar, com absoluta precisão, se o nódulo é maligno ou não.

Se você está em Brasília, ligue agora para marcar sua Ecografia Mamária. Tel: (61) 3034-8833.

Esclareça mais dúvidas sobre a Ecografia (Ultrassonografia) e a importância do exame para a saúde da mulher aqui!

O resultado dos exames de imagem, como mamografia e ecografia, são as imagens impressas ou armazenadas em computador, e o laudo é o relatório descritivo do que foi encontrado.

É importante confirmar que os profissionais que captam e analisam as imagens são bastante experientes, já que precisam perceber qualquer alteração que possa indicar problema, tanto durante o exame, quanto na hora da análise dos resultados.

Conheça em mais detalhes como é feito o exame de ecografia de mamas aqui na Clínica Viver e agende seu exame!

Resumo

Neste artigo, para esclarecer qual o melhor exame para avaliação das mamas de acordo com o seu caso, se é a Ecografia Mamária ou a Mamografia, abordamos os seguintes conceitos:

  • É importante fazer acompanhamentos pessoal (auto-exame) e profissional (exames de mamografia ou ecografia da mama) da saúde das mamas.
  • A mamografia é o principal exame para avaliação da saúde das mamas.
  • A mamografia pode ser convencional ou digital.
  • A ecografia da mama é importante exame complementar à mamografia, para análise de possíveis problemas.
  • Podem ser necessárias punção e biópsia para nos certificarmos quando houver suspeita de malignidade nas mamas.
  • Quanto mais modernas forem as máquinas de mamografia, menor será a exposição à radiação, e melhores serão as imagens e a qualidade dos resultados.
  • É importante que sua clínica de escolha tenha profissionais preparados tanto para fazer o exame, quanto para examinar seus resultados.

Assim, consulte regularmente seu ginecologista, que pode solicitar exames de imagem para uma pesquisa mais aprofundada da saúde de suas mamas.

A Clínica Viver

A Clínica Viver de Imagens Médicas, de Brasília (DF), tem os mais modernos aparelhos de mamografia e ultrassonografia mamária, além de profissionais experientes e preparados para cuidar de seus exames e da sua saúde.

Selo Padrão Ouro Mamografia Clinica Viver

Nossa equipe de mamografia e saúde das mamas conta com profissionais altamente qualificados, treinados para as particularidades do atendimento ao público feminino.

A Clínica Viver foi honrada com o Certificado de Qualidade em Mamografia pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Nós dispomos de ambiente amplo e confortável, com 9 salas de ultrassonografia (ecografia), sendo uma delas com ecógrafo para ecodoppler fetal, além de mamografia digital e densitometria óssea.

Todos os nossos equipamentos são recentes e de última geração.

Prezamos também pela agilidade na marcação de consultas e exames, assim como na entrega dos resultados.

Nossos laudos ecográficos são entregues minutos após o término do exame, e os da mamografia e densitometria óssea, em até 3 dias, sempre com checagem dupla.

Ligue para marcar ainda hoje sua consulta com Ginecologista ou Mastologista ou sua Mamografia / Ecografia Mamária! Tel: (61) 3034-8833.

Onde realizar o exame de ecografia mamaria em Brasília-DF

  • 3º Andar Setor Hospitalar Sul Torre I, Via W5 Sul, Salas 320-324, Brasília – DF, 70390-700

Onde realizar o exame de ecografia mamária em Taguatinga-DF

  • QS 3 Lotes 3, 5 e 7 Pistão Sul, Edifício Pátio Capital, Salas 232 e 233 – Taguatinga, Brasília – DF, 71953-000

Ou, se preferir, faça o agendamento online!

Agendamento online

Varicocele: o que é, sintomas, tratamento e como identificar

A varicocele consiste em uma dilatação anormal das veias testiculares. Estima-se que, no Brasil, cerca de 2 milhões de homens convivam com este problema, de acordo com o Hospital Israelita Albert Einstein.  

Varicoceles são uma causa comum para baixa produção de espermatozoides e diminuição da qualidade do esperma, o que pode causar infertilidade.

No entanto, nem todas as varicoceles afetam a produção de esperma. As varicoceles também podem fazer com que os testículos não se desenvolvam normalmente na puberdade.

Acompanhe esse artigo e descubra mais sobre a doença e como detectá-la!

O que é varicocele?

Como dito, a varicocele consiste em uma dilatação anormal das veias testiculares. Como as veias do cordão espermático (estrutura que sustenta e mantém o testículo) ficam bloqueadas, a doença dificulta o retorno venoso à região. Esse é o mesmo processo de dilatação que acontece com as varizes da perna. 

Trata-se de uma doença congênita, ou seja, o indivíduo já nasce com o problema, mas ele só se manifesta tempos depois, normalmente na adolescência ou no início da vida adulta. 

Leia também:  Doenças comuns entre os homens e como evitá-las

Como funciona o diagnóstico

A detecção da varicocele é bastante visual. É possível que o paciente perceba uma dilatação ou uma tortuosidade nas veias do saco escrotal, que podem formar estruturas parecidas com “cachos de uva” na bolsa escrotal. 

Caso o paciente identifique esses sinais, é extremamente importante que marque uma consulta com um urologista, para que ele observe e avalie o quadro da região. Em seguida, ele pode solicitar exames de imagem como Ecografia de Bolsa Escrotal com  doppler  para confirmar as suspeitas. 

Fonte: revista Reproducción Asistida ORG
Fonte: revista Reproducción Asistida ORG

Também é possível que o urologista solicite exames de esperma, a fim de verificar a qualidade e quantidade das substâncias produzidas. 

Veja como é feito e para que serve o exame Ecodoppler de Aorta e Ilíacas!

Varicocele sintomas

Os sintomas incluem:

  • dor no(s) testículo(s)
  • sensação de peso no escroto
  • veias dilatadas que podem ser sentidas
  • desconforto no testículo
  • o testículo fica menor do lado onde estão as veias dilatadas (devido à diferença no fluxo sanguíneo)

É mais comum que a varicocele atinja, por questões anatômicas, o lado esquerdo do testículo. O homem pode sentir dores e sensação de peso na região atingida, além de desconforto. Caso a dilatação cresça demais, complicações estéticas podem ocorrer.

Há casos, entretanto, em que a doença é assintomática, ou seja, não apresenta nenhum sintoma. Quando os sintomas acontecem, geralmente é durante dias de alta temperatura, após exercícios ​​ou quando o paciente fica em pé ou sentado por muito tempo.

O que pode causar a varicocele?

Em estágios mais avançados, a varicocele pode sim causar infertilidade. Isso porque os espermatozoides precisam de uma temperatura baixa (cerca de 2 graus abaixo da temperatura corporal) para serem produzidos é justamente por isso que os testículos ficam “fora do corpo”. A dilatação das veias, entretanto, forma uma cobertura ao redor do órgão que aumenta o calor na região. 

Outra razão para a infertilidade é a baixa oxigenação provocada pela dificuldade de circulação do sangue nos testículos.

Por isso, é muito importante tratar a varicocele logo no início de suas  manifestações. Ainda assim, mesmo nos quadros mais avançados, é absolutamente possível reverter a eventual  infertilidade por meio de cirurgia!

Tratamento para varicocele

O tratamento pode incluir o uso de suspensório escrotal durante atividades físicas e medicamentos por via oral para desinflamar a região e amenizar as dores. 

Caso exista risco, má produção de sêmen ou alguma relação com infertilidade, é essencial que haja intervenção cirúrgica para reverter essa condição. A cirurgia é bem simples e tem um curto período de repouso e recuperação. 

Prevenção: o que causa varicocele?

Não há formas de prevenir a varicocele. Porém, é possível facilitar o tratamento caso o homem desenvolva a doença. 

Dessa forma, é muito importante sempre manter as consultas em dia, pois o quanto antes ela for diagnosticada, mais eficiente e rápido será o tratamento. 

Leia também: Que médico procurar para um check-up?

Concluindo

Na maioria das vezes, varicoceles não causam problemas e são inofensivas. Com menos frequência, podem causar dor, problemas para ter filhos, um testículo crescer mais lentamente ou até mesmo encolher. As varicoceles geralmente se formam durante a puberdade e são mais comumente encontradas no lado esquerdo do escroto, uma vez que a anatomia do lado direito e esquerdo do seu escroto não é a mesma.

A infertilidade é uma complicação relativamente comum da varicocele. Converse com seu médico sobre como consultar um especialista em reprodução se você e sua parceira estiverem tendo problemas para engravidar. A cirurgia só é necessária se a varicocele estiver causando dor ou se você estiver tentando ter filho. Converse com seu urologista sobre qual tratamento é o melhor para você.

Agendamento online

Corticoide causa osteoporose? Entenda essa relação

Os corticoides (ou corticosteroides) estão entre as medicações mais usadas pelas pessoas, devido à sua vasta aplicação para inúmeras condições de saúde.

Esse medicamento tem, como sua principal função, o tratamento de doenças inflamatórias, desde alergias e problemas de pele (dermatites) a doenças articulares (artrites) e autoimunes (lúpus).

No entanto, apesar de serem extremamente úteis, os corticoides também oferecem alguns efeitos colaterais, quando usados por longos períodos.

Neste artigo a gente vai te explicar se corticoide causa osteoporose. Acompanhe!

Corticoide causa osteoporose: qual a relação?

Apesar de serem extremamente úteis e, muitas vezes, as melhores opções para o tratamento de diversas condições de saúde, o uso de corticoides deve ser feito sempre com prescrição e acompanhamento médico.

Isso é importante para garantir que sejam usados pelo mínimo tempo necessário para o tratamento proposto, visando reduzir o risco de possíveis efeitos colaterais.

No caso específico da osteoporose, já é conhecido que, quando utilizados por longos períodos, os corticoides podem interferir no equilíbrio entre a perda de tecido ósseo (processo natural e contínuo) e a produção de novas células.

Como ocorre em todos os tecidos do corpo, estamos em constante processo substituição celular, por meio do qual células antigas são repostas por outras mais saudáveis, o que garante nossa saúde. 

Quando são usados por muito tempo, os corticosteroides têm o poder de interferir nesse processo, fazendo com que essa substituição não ocorra na mesma velocidade com que ocorre a perda, reduzindo a resistência óssea e, no futuro, levando à osteoporose.

Além disso, esse medicamento também pode reduzir a absorção de vitamina D e do cálcio pelo intestino, enfraquecendo ainda mais os ossos. 

A osteopenia é a fase inicial da perda óssea, quando ainda há tratamento e cura. Veja neste artigo o que pode ser feito para se tratar!

Como prevenir a osteoporose induzida por corticoides?

Agora que você já conhece os efeitos dos corticoides sobre a osteoporose, veja os cuidados que são importantes para minimizar esses riscos.

A perda óssea pode ser investigada por meio de exames de imagem e, para prevenção ou controle do quadro, algumas medidas podem ser tomadas, como:

  • Avaliação do risco de fraturas feita de forma periódica, com frequência de acordo com cada caso.
  • Aumento da ingestão de cálcio e vitamina D.
  • Manutenção de estilo de vida que promova a saúde óssea, como a prática de exercícios físicos.
  • Uso profilático de medicamentos que previnam a perda óssea, em pacientes com mais de 40 anos e com risco elevado de osteoporose.

Para reforço da ingestão de cálcio, recomenda-se também a ingestão de alimentos ricos nesse nutriente, como leite e as folhas-verdes escuro, sendo possível também fazer a suplementação oral sob a prescrição de um médico.

Já a vitamina D é produzida pelo corpo a partir do contato com o sol. Por conta disso, recomenda-se a exposição ao sol de maneira direta, por pelo menos 10 minutos ao dia.

A densitometria óssea é o exame mais importante para diagnosticar a osteoporose. Veja neste artigo por que é tão importante fazê-la de forma preventiva!

Alternativas aos corticoides

Outra forma de prevenção da osteoporose é buscar alternativas que possam diminuir a quantidade ou o tempo de uso da medicação

Como dissemos, quando utilizadas por um tempo controlado, os corticoides são sim medicações extremamente seguras, não podendo ser descartadas, já que são as melhores alternativas para diversas condições.

No entanto, é sempre bom considerar com seu médico quanto ao tempo mínimo necessário para seu uso, ou mesmo ponderar a troca por outras opções

Onde avaliar minha saúde óssea?

Como você viu, quando utilizados por longos períodos, os corticoides podem causar a osteoporose, devido à interferência que eles podem ter no equilíbrio do metabolismo ósseo e na absorção de nutrientes.

Nesse sentido, manter um acompanhamento próximo com seu médico e estar em constante diálogo com ele quanto a esses possíveis riscos é sempre importante.

Além disso, como vimos é fundamental manter a avaliação de sua saúde óssea de forma regular para, se for o caso, fazer ajustes no tratamento ou tomar ações de prevenção.

Nesse sentido, considere a Clínica Viver como sua opção para avaliar a saúde óssea!

Somos referência em Brasília em diagnósticos por imagem. Investimos constantemente em oferecer equipamentos de ponta em um ambiente confortável e acolhedor para nossos pacientes.

Caso você esteja em Brasília ou Entorno, agende online agora mesmo seus exames e venha se cuidar conosco! 

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER

3 doenças que a ecografia de próstata pode diagnosticar!

A próstata é um órgão que passa despercebido durante a maior parte da vida do homem, mas que requer atenção, principalmente após os 50 anos.

Com o envelhecimento, a próstata se torna mais suscetível a doenças e alterações, que vão desde uma simples inflamação até o temido câncer de próstata, sendo necessário manter um acompanhamento próximo com o urologista, bem como os exames regulares.

Um dos exames mais importantes para acompanhar a saúde prostática é a ecografia, devido à sua capacidade de diagnosticar e monitorar diversas condições que podem atingir esse órgão masculino.

Neste artigo você vai conferir 3 doenças que a ecografia de próstata pode diagnosticar.

Acompanhe!

Doenças que a ecografia de próstata pode diagnosticar

A próstata pode apresentar diferentes condições durante a vida, que não apenas o câncer de próstata. Confira, a seguir, 3 dessas possíveis condições:

1. Prostatite

A prostatite é, de uma maneira simplificada, uma inflamação na próstata. A forma mais comum da doença é a prostatite bacteriana, podendo ser aguda ou crônica.

Em sua forma aguda, a prostatite pode ser facilmente identificada através do exame de ecografia, por conta do inchaço apresentado pelo órgão, além de apresentar um aumento do fluxo de sangue , em consequência da inflamação.

Entre os possíveis sintomas referidos pelos pacientes, que levam os médicos a suspeitarem dessa condição, estão o forte incômodo na região, bem como a ardência ou incapacidade de urinar.

O tratamento da doença é realizado por meio de antibióticos, porém pacientes que a desenvolvem de maneira crônica devem contar com um acompanhamento, realizando exames de imagem com periodicidade.

2. Hiperplasia prostática benigna

A segunda dentre as doenças que a ecografia de próstata pode diagnosticar é a hiperplasia prostática benigna, também conhecida como HPB.

Essa enfermidade se caracteriza pelo aumento do número de células do órgão, levando à sua expansão.

A hiperplasia prostática benigna é mais comum em homens de mais de 50 anos, chegando a se desenvolver em 70% dos homens com mais de 70 anos.

É importante ter em mente que a hiperplasia não é sinônimo de câncer e nem mesmo representa uma pré-disposição para ele.

Apesar de não possuir suas causas definidas, a HPB pode ser facilmente identificada através de ecografia, abrindo caminho para várias possibilidades de tratamento, que vão desde o uso de medicamentos que reduzem o tamanho da próstata – em fases iniciais da doença – até mesmo cirurgias, nos casos mais avançados.

Exames de Imagem em Taguatinga-DF, agende o seu exame agora!

3. Câncer de próstata

O câncer de próstata é um tumor que cresce na parte interna do órgão e pode se espalhar para outras regiões (as metástases).

Dentre as doenças que a ecografia de próstata pode diagnosticar, o câncer certamente é a mais grave.

Essa condição ocorre, na grande maioria dos casos, em pacientes na terceira idade, mas os cuidados preventivos devem ser iniciados já desde os 40 anos – para quem possui fatores de risco – ou a partir dos 45 – para os demais grupos.

Os principais exames para prevenção do câncer de próstata são o PSA (exame de sangue), o exame do toque e a ecografia prostática.

As causas específicas da doença ainda são desconhecidas, mas a genética, a alimentação e a idade avançada são seus principais colaboradores e alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento do câncer.

No caso do câncer de próstata, o diagnóstico precoce é fundamental para que o tratamento tenha sucesso e maior chance de cura. 

Como é feita a ecografia da próstata

A ecografia de próstata pode ser realizada de duas formas. Confira abaixo os detalhes de cada uma.

1. Ecografia da próstata via abdominal

A primeira forma é a mais comum, sendo feita por via abdominal. Nessa modalidade, a próstata pode ser analisada de maneira mais geral, basicamente com relação ao seu volume (tamanho), bem como o funcionamento da bexiga, com seu enchimento e esvaziamento.

Este método é mais comumente utilizado para investigar casos de HPB (hiperplasia prostática benigna), no qual a informação mais importante é o tamanho do órgão.

💡 Como é realizado o procedimento?

Como o próprio nome diz, nessa variação do exame, o médico radiologista utiliza o ecógrafo, um aparelho que possui uma espécie de sonda (chamada de transdutor).

Com o paciente deitado de costas, o médico desliza o transdutor pelo abdômen do paciente, com o auxílio de um gel específico. Por meio da emissão de ondas sonoras, permite formar as imagens na tela de um monitor.

Após a escolha das imagens mais adequadas, elas serão impressas, anexadas ao lado e levadas para a avaliação do urologista.

2. Ecografia da próstata via transretal

Já a segunda forma de ecografia da próstata possibilita um diagnóstico mais específico, detalhado e preciso, que é a modalidade por via transretal.

Nesse modelo, o exame consegue analisar, além do tamanho da próstata, todas as possíveis anomalias e modificações do órgão, como a presença de nódulos e alterações em sua textura, informações muito importantes no diagnóstico do câncer de próstata.

A ecografia transretal, inclusive, é fundamental para se indicar ou não a realização de uma biópsia da próstata, para confirmação do diagnóstico de câncer.

💡 Como é realizado o procedimento?

Nessa variação do exame, o paciente é posicionado deitado de lado, com as pernas levemente dobradas. 

Com o auxílio de uma sonda específica para esse tipo de exame, introduzida por via retal, também com o auxílio de um gel específico, o médico irá avaliar diretamente as características da próstata.

A captação e formação das imagens vai seguir as mesmas características do método anterior.

Apesar de ser um pouco mais desconfortável, trata-se de um exame rápido e indolor para o paciente.

Onde fazer ecografia de próstata em Brasília?

Agora que você já conhece as principais doenças que a ecografia da próstata pode diagnosticar e como são feitos os diferentes tipos de ecografia para avaliação desse órgão, é importante ter em mente que o acompanhamento médico e os exames regulares são os cuidados mais importantes.

Especialmente no caso do câncer de próstata, quando detectado precocemente, as chances de cura são altíssimas – acima de 90% – permitindo que o tratamento seja mais rápido, simples e eficaz.

Nesse sentido, para realizar sua ecografia da próstata, considere a Clínica Viver como sua opção!

Somos referência em Brasília em diagnósticos por imagem. Investimos constantemente em oferecer equipamentos de ponta em um ambiente confortável e acolhedor para nossos pacientes.

Caso você esteja em Brasília ou Entorno, agende online agora mesmo seus exames e venha se cuidar conosco! 

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER

———————–