O que a ecografia da tireoide pode detectar?

A glândula tireoide tem a importante função de produzir hormônios fundamentais para o funcionamento do nosso organismo, regulando o ritmo como diversos processos ocorrem. 

Por diferentes razões, a tireoide pode ter seu funcionamento prejudicado, afetando sua produção hormonal e comprometendo nossa saúde. 

Um dos principais exames usados para investigar e diagnosticar alterações nessa glândula é a ecografia da tireoide. Por todas as informações que ela pode trazer, é um dos exames mais solicitados pelos especialistas para essa finalidade.

Neste artigo você vai conhecer tudo o que a ecografia da tireoide pode detectar e saber mais detalhes sobre esse importante exame.

Acompanhe!

O que leva o(a) médico(a) a pedir uma ecografia da tireoide?

Em geral, o que motiva a realização de uma ecografia da tireoide é algum tipo de mau funcionamento dessa glândula, percebido geralmente pela palpação de algum nódulo na região ou – na maioria dos casos – pelo aumento ou redução na sua produção de hormônios, levando aos quadros de hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

Conheça mais sobre eles:

  • Hipertireoidismo – Condição caracterizada pela produção excessiva dos hormônios T3 e T4 pela tireoide; hormônios encarregados da regulação de processos corporais, como a manutenção do nosso peso, ritmo dos batimentos cardíacos, temperatura corporal, dentre outros, fazendo com que esses processos fiquem acelerados e desregulados, levando, por exemplo, a perda excessiva de peso e aceleração dos batimentos cardíacos.
  • Hipotireidismo – Situação oposta, ocorre quando os hormônios T3 e T4 sofrem uma diminuição, levando o(a) paciente a ter sintomas como fadiga, ganho de peso, queda de cabelo e até outros sintomas mais graves, como depressão. Mais comum em mulheres, idosos ou mães recentes, a principal causa da doença é a Tireoidite de Hashimoto, uma condição autoimune que faz com que o organismo fabrique anticorpos que atacam a glândula tireoide, levando à sua destruição. 

Saiba quais são as principais causas e os sintomas do hipertireoidismo!

Quais os principais problemas que a ecografia detecta?

Como dito acima, a ecografia (ou ultrassonografia) da tireoide é um exame rápido, indolor e sem contraindicações, podendo ser indicado para qualquer pessoa.

Ela costuma ser indicada quando há queixas ou alterações que levantem suspeitas de alterações na tireoide.

Conheça abaixo suas principais indicações.

1. Nódulos e cistos

Uma das principais indicações da ecografia de tireoide é para detectar e acompanhar nódulos e cistos.

Por meio do exame é possível revelar o tamanho, o formato e o conteúdo do nódulo (se é líquido ou sólido, ou se contém calcificações) trazendo importantes informações para o(a) especialista.

Vale lembrar que os cistos costumam ser formações benignas, geralmente preenchidas por líquido.

Já os nódulos também podem ser benignos, mas levantam suspeita quando são sólidos, escuros, mais altos que largos, contêm microcalcificações e têm mais de 1,0 cm

Quer saber como são diagnosticados nódulos na tireoide? Então confira as informações deste outro artigo!

2. Bócio

O bócio é outra das doenças que a ecografia de tireoide pode detectar ou avaliar!

Essa alteração é caracterizada pelo aumento  da glândula tireoide, podendo formar nódulos, e em alguns casos ser claramente visível. 

A principal causa desse problema é o consumo insuficiente de iodo, sendo que os sintomas mais comuns em casos  avançados são a dificuldade de respirar e a sensação de “aperto” na garganta, além da questão estética, naturalmente.

Veja como é feito e para que serve o exame de Ultrassonografia da Tireoide Com Doppler!

3. Tumores

Os tumores, assim como os nódulos, podem ser benignos ou não. Formados quando há uma multiplicação anormal de células na tireoide, eles possuem diversas variações. Quando são malignos, podem ser dos seguintes tipos:

  • Carcinoma Papilífero – É um tipo pouco agressivo, que evolui lentamente e geralmente responde bem ao tratamento. É responsável por cerca de 80% dos casos. Ocorre geralmente dos 30 aos 40 anos, e acomete mais as mulheres. 
  • Carcinoma Folicular – Costuma aparecer entre os 40 e 60 anos, e sua principal característica é a solidez. Pode ser de baixo grau ou invasivo. Em casos mais avançados, pode se espalhar para os ossos e pulmões.
  • Carcinoma Medular – Mais comum em pessoas de 50 a 60 anos. Em torno de 20% dos casos têm relação familiar e pode se associar a outros tipos de tumores. Geralmente acomete os linfonodos do pescoço .
  • Carcinoma Anaplásico – É o mais agressivo dos tumores da tireoide. Tem um rápido crescimento e seu tamanho pode levar a problemas na voz e falta de ar. É mais comum em pacientes acima de 60 anos.
  • Linfoma da tireoide – Ocorre principalmente em mulheres acima de 60 anos e pode decorrer da transformação maligna da Tireoidite de Hashimoto. Felizmente, tem alta chance de cura.

Conheça as causas do hipotireoidismo, sintomas e como funciona o diagnóstico! 

Como os resultados da ecografia de tireoide são avaliados?

Após realização do exame e liberação de suas imagens e laudo, o médico solicitante – geralmente um(a) endocrinologista – vai avaliar os achados do exame correlacionar com as queixas e sintomas apresentados pelo(a) paciente. 

A partir do que é observado, outros exames, mais específicos, podem ser solicitados, como nos casos de suspeita de câncer, quando pode ser solicitada uma punção com agulha  e coleta de material para análise em laboratório de patologia.

Caso seja observada somente a presença de cistos simples (preenchidos com líquido), ou nódulos com aspecto benigno, a indicação pode ser apenas de manter o acompanhamento, com a repetição do exame em intervalos regulares.

👉 Leia também:

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

Ecografia da tireoide: procure a Clínica Viver!

Neste artigo, você conheceu o que a ecografia da tireoide é capaz de detectar e também que esse exame é o mais indicado para iniciar qualquer investigação nessa glândula tão essencial para todo o funcionamento do nosso corpo.

Para isso, no entanto, é fundamental estar atento a qualquer sintoma ou alteração que possa indicar que algo não vai bem como sua tireoide (como os sinais listados acima) e também realizar avaliações preventivas, já que às vezes os sinais podem não ser muito claros.

Para realizar seu exame de ecografia da tireoide, considere a Clínica Viver como sua melhor opção!

Somos referência em Brasília em exames de imagem e oferecemos aos nossos pacientes tecnologia de ponta, em um ambiente confortável e acolhedor.

Além disso, a entrega dos laudos de ecografia é imediata. 

Se você está em Brasília ou Entorno, faça seu agendamento online, clicando no botão abaixo.

QUERO AGENDAR NA VIVER

Quais os sintomas de infarto em mulheres e homens?

Você sabia que os sintomas de infarto em mulheres e homens podem ser diferentes?

Isso acontece porque o perfil cardíaco de cada um possui diferenças, tanto funcionais como anatômicas. Por exemplo, as artérias delas são 15% mais estreitas em comparação às deles. Além disso, o coração feminino bate até 10% mais rápido do que o masculino.

Mas, mesmo assim, elas possuem um risco menor de infarto, principalmente antes da menopausa, o que faz com que os sintomas não sejam tão valorizados, o que é um erro.

Vale ressaltar que o infarto pode atingir pessoas de qualquer idade e gênero. Por isso, é preciso se informar bem em relação aos sinais. 

Por isso, listamos neste artigo as principais diferenças nos sintomas de infarto em mulheres e homens.

Os sintomas de infarto em mulheres e homens

Como mencionamos, os sintomas de infarto podem variar, dependendo do gênero. Nas mulheres, os sinais tendem a ser mais brandos e até confundidos com outras condições. 

Porém, apesar das diferenças, ainda existem indícios que são comuns aos dois. 

Sintomas de infarto mais comuns nos homens

Geralmente, esses sintomas surgem ou se intensificam após a realização de algum esforço físico, por menor que seja. Os principais costumam ser:

  • Dor forte no lado esquerdo do peito, que pode atingir outras áreas, como braço e costas.
  • Náuseas e enjoo.
  • Tontura.
  • Respiração acelerada ou dificuldade para respirar.
  • Suor frio.
  • Palidez.
  • Dor no estômago, braços e mandíbula.
  • Tontura.
  • Dificuldade para respirar e para dormir.

👉 Leia também:

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

Sintomas de infarto mais comuns em mulheres

As mulheres possuem um risco menor de infarto durante a vida, mas isso muda após a menopausa.

Com a chegada desse período, há uma diminuição dos níveis de estrogênio, um hormônio que facilita a circulação do sangue. Então, as artérias – que já são mais estreitas – podem ficar sobrecarregadas, o que aumenta o risco de infarto e outros problemas circulatórios, como a trombose.

Por isso, é preciso se atentar aos sintomas de infarto em mulheres que são:

  • Sensação de mal-estar.
  • Batimentos cardíacos acelerados.
  • Dor ou sensação de peso em um dos braços.
  • Cansaço excessivo.
  • Desconforto na garganta ou no queixo.
  • Dor no estômago.

As principais características nos sintomas das mulheres é que ocorrem de forma menos intensa que nos homens, e também não são tão específicos como neles, o que pode dificultar o diagnóstico correto.

Além disso, podem surgir a qualquer momento e com sinais variados em diferentes momentos.

O que fazer em caso de suspeita de infarto?

Agora que você já sabe quais são os sintomas de infarto em mulheres e homens e estará mais alerta para esses sinais, é também muito importante saber o que fazer nessas circunstâncias.

🚨 Como o infarto é uma condição de emergência, caso haja essa suspeita o ideal é entrar em contato, o mais rápido possível, com SAMU (192) ou os bombeiros (193). Caso o resgate indique que levará mais de 20 minutos para chegar ao local, o melhor é levar a vítima para o serviço de emergência mais próximo.

É importante ressaltar que o paciente não deve realizar nenhum esforço físico no trajeto, devendo permanecer em completo repouso. 

E quais os cuidados preventivos?

Já falando em prevenção, o indicado é que pacientes com histórico familiar de infarto realizem check-ups cardíacos com frequência regular, o que inclui a consulta com o cardiologista e os exames indicados.

A população em geral também deve ter os cuidados com o coração como foco de sua atenção, mantendo os cuidados indicados, como uma alimentação saudável e equilibrada, atividades físicas regulares e evitar o estresse crônico.

Além disso, mesmo quem não pertence a grupos de risco para doenças cardíacas, deve fazer visitas regulares ao cardiologista, ao longo de toda a vida, reforçando esses cuidados após os 40 anos.

Confira, neste artigo, os principais sinais que indicam que é hora de procurar um cardiologista!

 

Exames para o coração? Procure a Clínica Viver!

Esperamos que, com as informações deste artigo, esteja mais clara a diferença nos sintomas de infarto em mulheres e homens.

Como dissemos ao longo do tempo, os cuidados com a saúde do coração precisam fazer parte de sua rotina, desde seus hábitos diários quanto a regularidade nas consultas e exames cardiológicos, especialmente após os 40 anos.

Nessa hora, considere a Clínica Viver como sua melhor opção em exames e consultas cardiológicas!

Somos referência em Brasília em exames de imagem e oferecemos aos nossos pacientes tecnologia de ponta, em um ambiente confortável e acolhedor.

Além disso, aqui todos os exames são realizados por médicos, garantindo assim mais segurança, com a entrega de resultados no menor tempo possível. 

Se você está em Brasília ou Entorno, faça seu agendamento online (de consulta ou exames), clicando no botão abaixo.

QUERO AGENDAR NA VIVER

Ecografia da tireoide: para que serve e como funciona esse exame?

Alterações na tireoide são mais comuns do que parece. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia estima que 60% dos brasileiros vão ter nódulos na tireoide em algum momento durante a vida. 

Apesar disso, somente de 5% a 10% dos casos são cancerígenos, e os índices de cura costumam ser bem altos. Porém, isso  não dispensa os cuidados preventivos e a necessidade de um acompanhamento médico próximo em casos confirmados. 

E uma das medidas mais tomadas pelos médicos, em casos de alterações nesse órgão, é solicitar uma ecografia, também chamada ultrassonografia da tireoide. Este é um  dos exames mais importantes nesses casos.

Quer saber para que serve e como funciona este procedimento? Acompanhe!

Para que serve o exame de ecografia de tireoide?

O exame de ecografia de tireoide trata-se de um ultrassom que investiga a existência de nódulos e cistos na região, por meio de ondas sonoras de alta frequência. Assim, não há qualquer tipo de radiação durante o exame. 

Geralmente, ele é indicado para pacientes que tenham apresentado alterações hormonais em exames de sangue e/ou caso o(a) médico(a) tenha percebido alguma suspeita ao exame físico

A ecografia de tireoide também é importante quando há casos de câncer de tireoide na família. 

Em resumo, esse procedimento pode identificar e avaliar quadros da tireoide, como:

  • Nódulos: que podem ser sólidos, císticos ou mistos.
  • Doença de Hashimoto: doença autoimune, que afeta principalmente as mulheres, e que, quando progride, leva ao funcionamento inadequado da glândula, que passa a produzir hormônios em quantidade insuficiente, geralmente precisando ser repostos por meio de tratamentos específicos.
  • Bócio: aumento anormal da glândula tireoide, que forma ou não nódulos em seu interior.
  • Cânceres da tireoide: que podem ser do tipo  carcinoma (papilífero, folicular, medular ou anaplásico) ou ainda um linfoma da tireoide.
  • Calcificações: quando há acúmulo dos sais de cálcio no tecido da tireoide. As calcificações podem ser benignas ou malignas, e a ecografia tem como diferenciá-las pelo seu aspecto. 

Veja como é feito e para que serve o exame de Ultrassonografia da Tireoide Com Doppler!

A partir da análise das características do nódulo, é possível ao médico avaliar se é algo benigno (que não exige maiores intervenções), ou se é uma alteração suspeita, que requer uma investigação mais aprofundada; por exemplo, com realização de punção e análise, em laboratório, de uma amostra do tecido coletado.

Os cistos da tireoide são formações arredondadas, constituídas por líquido e sempre benignos, devendo somente ser controlados através da ultrassonografia.

Já os nódulos podem ser sólidos ou mistos (constituídos por uma parte sólida e outra líquida).

Os nódulos benignos geralmente são menores que 1,0 cm, mais claros, com contorno regular, e não apresentam calcificações em seu interior. Eles  podem ser acompanhados por ecografia a cada 6 meses. 

Por outro lado, os nódulos malignos comumente são escuros, irregulares e podem conter calcificações. 

Normalmente, se indica punção por agulha fina (PAAF) para nódulos maiores que 1,0 cm e com características de malignidade. Este procedimento é muito simples e feito no próprio consultório, guiado pela ecografia. 

Você sabe quais sintomas podem indicar que algo não vai bem com a sua tireoide? Descubra neste artigo do nosso Blog!

Como funciona o exame de ecografia da tireoide?

No exame de ecografia de tireoide, são utilizados 3 instrumentos, que trabalham em conjunto para produzir, captar e registrar as imagens:

  • Ecógrafo – aparelho que transmite ondas sonoras de alta frequência (ultrassons).
  • Transdutor – Instrumento que faz contato com a região investigada, sendo responsável por captar os sinais sonoros e transmitir ao computador, para serem processados.
  • Computador: onde os sinais captados serão recebidos, processados e exibidos num monitor.

Conheça as causas do hipotireoidismo, sintomas e como funciona o diagnóstico! 

Para que o transdutor deslize melhor sobre a pele da região que será avaliada, é utilizado um gel incolor. Durante o procedimento, o médico pode solicitar que o paciente faça alguns movimentos, como: virar o pescoço, engolir, prender a respiração, dentre outros. 

De forma geral, o tempo de realização do exame de ecografia de tireoide é de 10 a 15 minutos. 

Ecografia da tireoide: para que serve e como funciona esse exame?

Por não utilizar radiação, o exame não possui contraindicações, podendo ser realizado por qualquer pessoa, inclusive crianças e mulheres grávidas. 

👉 Leia também:

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

Como se preparar para o exame de ecografia de tireoide?

O exame de ecografia da tireoide não exige nenhuma preparação em especial. O paciente pode comer e beber tranquilamente, antes do procedimento, e não há necessidade de interromper o uso de medicamentos, por exemplo.

Ou seja, trata-se de um exame tranquilo e indolor, mas que pode ser crucial para permitir a qualidade de vida e o bem-estar do paciente.

Até porque, por menores que sejam as alterações na tireoide, já são capazes de causar grande impacto na nossa saúde. Por essa razão, é sempre importante estar atento a sintomas que possam indicar algum desequilíbrio hormonal.

E como mencionamos no começo deste artigo, mais da metade dos brasileiros terão problemas na glândula tireoide em algum momento. Por isso, o acompanhamento médico é fundamental.

Lembre-se também que identificar e tratar qualquer doença é mais fácil, simples e rápido quanto mais cedo ela for diagnosticada. No caso de problemas da tireoide, mesmo em casos mais graves, como o câncer, a situação não é diferente e as chances de cura são muito grandes.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, agende online agora mesmo e venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER

Como é diagnosticado nódulo na tireoide?

Essencial na produção de hormônios que fazem parte da regulação de órgãos importantes, como o cérebro e o coração, a tireoide é uma glândula localizada na parte anterior do pescoço.

Por alguns motivos – como deficiência na ingestão de iodo, falha na produção de hormônios tireoidianos ou mesmo por mutações genéticas – podem surgir nódulos na tireoide, benignos ou não.

Na maioria das vezes, essas formações não oferecem maiores riscos à saúde, mas alguns casos pedem mais atenção e tratamento médico.

A seguir, reunimos todas as informações sobre como são diagnosticados nódulos na tireoide, quais são os tipos mais comuns e quando é preciso procurar ajuda médica.

Acompanhe!

Como é diagnosticado um nódulo na tireoide?

O primeiro passo para confirmar a existência de um nódulo na tireoide é por meio do exame físico, onde o(a) médico(a) – em geral endocrinologista – irá apalpar a região à procura de alguma elevação. 

Se confirmado – ou caso haja suspeita – o(a) profissional poderá solicitar alguns exames para uma investigação mais aprofundada, como os listados abaixo.

1. Ultrassonografia da tireoide

Na maioria das vezes, a investigação de um nódulo na tireoide tem início com uma ultrassonografia (ou ecografia) da tireoide.

Esse exame de imagem – feito com ou sem doppler – é um dos mais usados para essa avaliação, pois é capaz de revelar o tamanho, o formato e o conteúdo do nódulo (se é líquido ou sólido, ou se contém calcificações) trazendo importantes informações ao(à) médico(a).

💡Nódulos sólidos, mais escuros, mais altos que largos, que contenham microcalcificações, principalmente os maiores que 1,0 cm, têm mais chance de malignidade. 

Além disso, caso seja feito com uso da técnica doppler, o exame é capaz de mostrar também o fluxo sanguíneo na região daquele nódulo. A presença de fluxo sanguíneo predominante na região central do nódulo aumenta o grau de suspeição.

 Como é diagnosticado nódulo na tireoide?

👉 Neste artigo você encontra mais informações sobre a ecografia de tireoide e as situações em que esse exame é indicado!

2. Exames de sangue

Além da ecografia, em geral são solicitados exames laboratoriais para avaliar como estão os níveis dos hormônios relacionados à tireoide.

Para isso, são investigados os hormônios T3 e T4, que são produzidos por essa glândula, além do TSH, que apesar de ser produzido pelo cérebro, é responsável por estimular a ação da tireoide.

💡Uma das alterações que podem ser detectadas em exames de sangue é o hipertireoidismo causado pelo adenoma da tireóide, que é um nódulo benigno, capaz de produzir hormônios tireoidianos.

👉 Leia também:

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

3. Cintilografia

Outra opção que pode ser usada para investigar nódulos na tireoide, a cintilografia é um exame que permite a captação de imagens da tireoide por meio da administração de iodo radioativo.

De acordo com a reação dos nódulos a essa substância, o exame revela a natureza das alterações.

Os nódulos que se mostram “quentes” (captando grande quantidade de iodo) indicam tecidos tireoidianos normais, mas atuando de forma acelerada. Já os nódulos “frios” (com baixa captação), podem ser indicativos de malignidade.

Como é diagnosticado nódulo na tireoide?
Cintilografia da tireoide / Imagem: Curanosticum Center

Veja como é feito e para que serve o exame de Ultrassonografia da Tireoide Com Doppler!

4. Punção Aspirativa da Tireóide

Quando os exames anteriores levantaram suspeitas de malignidade, pode ser solicitada uma Punção Aspirativa por Agulha Fina (PAAF) para confirmação diagnóstica.

Como o próprio nome sugere, é feita a aspiração e coleta de amostras do nódulo, com o uso de uma agulha especial – sob anestesia local – que posteriormente serão avaliadas em laboratório de patologia clínica.

👉 Por ser realizado com uso de agulha, algumas pessoas têm receio desse procedimento. Neste artigo você vê como é feito o exame e tira todas as suas dúvidas. 

Quais os sinais de que um nódulo pode ser câncer?

No tópico anterior, vimos os exames e procedimentos usados para diagnosticar um nódulo na tireoide. Para isso, a consulta médica é um passo imprescindível, tanto para a investigação quanto para o tratamento correto. 

Até porque, alguns tipos de câncer na tireoide não costumam apresentar sintomas no início, sendo o primeiro sinal o aparecimento de um caroço na região do pescoço, que pode ser visto ou sentido. 

Na grande maioria dos casos, trata-se de uma alteração benigna, que não requer qualquer abordagem, senão o acompanhamento médico com a realização de exames regulares, porém alguns casos podem ser malignos, especialmente, quando apresentam sinais como:

  • Nódulo rígido e que tem crescido rapidamente.
  • Nódulos que, ao ultrassom, se apresentam sólidos, hipoecoicos (escuros), mais altos que largos, que contenham calcificações e sejam maiores que 1,0 cm. Esses nódulos merecem investigação por punção com agulha fina. 
  • Há maior ocorrência de fluxo sanguíneo no centro do nódulo, pelo exame de doppler.
  • O paciente apresenta problemas na voz, como paralisia das cordas vocais ou rouquidão.
  • Tosse insistente, dificuldade de engolir e sensação de pressão na região.

Quais os tipos de câncer de tireoide?

Como vimos no tópico anterior, a maioria dos nódulos na tireoide são benignos, mas em alguns casos podem ser malignos (cerca de 5 a 10%).

Existem diferentes tipos de tumores que podem afetar essa glândula, sendo os mais comuns:

  • Carcinoma Papilífero – É um tipo pouco agressivo, que evolui lentamente e geralmente responde bem ao tratamento. É responsável por cerca de 80% dos casos. Ocorre geralmente dos 30 aos 40 anos, e acomete mais as mulheres. 
  • Carcinoma Folicular – Costuma aparecer entre os 40 e 60 anos, e sua principal característica é a solidez. Pode ser de baixo grau ou invasivo. Em casos mais avançados, pode se espalhar para os ossos e pulmões.
  • Carcinoma Medular – Mais comum em pessoas de 50 a 60 anos. Em torno de 20% dos casos têm relação familiar e pode se associar a outros tipos de tumores. Geralmente acomete os linfonodos do pescoço .
  • Carcinoma Anaplásico – É o mais agressivo dos tumores da tireoide. Tem um rápido crescimento e seu tamanho pode levar a problemas na voz e falta de ar. É mais comum em pacientes acima de 60 anos.
  • Linfoma da tireoide – Ocorre principalmente em mulheres acima de 60 anos e pode decorrer da transformação maligna da Tireoidite de Hashimoto. Felizmente, tem alta chance de cura.

👉 Não sabe o que é a Tireoidite de Hashimoto? Neste outro artigo, a gente mostra os possíveis sintomas e o risco desse problema.

Quais os possíveis tratamentos para nódulo na tireoide

Após ser identificado um nódulo na tireoide, os exames dão ao(à) médico(à) as informações necessárias para diagnosticar uma alteração benigna ou não.

Caso se trate de nódulos benignos – geralmente menores que 1,0 cm e com características benignas ao ultrassom – é comum não ser necessária qualquer abordagem ou tratamento, sendo recomendado somente acompanhamento médico e exames periódicos para monitorar se vão crescer ou não.

Já no caso de serem diagnosticados tumores malignos, algumas opções podem ser adotadas, que vão desde somente o acompanhamento médico – mais próximo e frequente – até a realização de cirurgia, para retirada parcial ou total da tireoide.

Em casos de remoção, pode ser administrado o uso de iodo radioativo, com o objetivo de eliminar vestígios do tumor. 

Além disso, é comum a necessidade de reposição hormonal, já que sem a tireoide, o(a) paciente terá carência desses hormônios. Por menores que sejam as alterações na tireoide, já são capazes de causar grande impacto na nossa saúde. Por essa razão, é sempre importante estar atento a sintomas que possam indicar algum desequilíbrio hormonal.

Exames para a tireoide: procure a Clínica Viver!

Neste artigo, vimos como é diagnosticado um nódulo na tireoide e os possíveis tratamentos caso se trate de uma alteração cancerígena.

Lembre-se que identificar e tratar qualquer doença é mais fácil, simples e rápido quanto mais cedo ela for diagnosticada. No caso de problemas da tireoide, mesmo em casos mais graves, como o câncer, a situação não é diferente, e as chances de cura são muito grandes.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, agende online agora mesmo e venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER