Creatina: o que é, como tomar e quais os benefícios

Um dos suplementos alimentares mais estudados e com ação cientificamente comprovada é a creatina. Ainda assim, muitas dúvidas envolvem o uso, benefícios e indicações dessa substância.

Popularmente conhecida no universo dos praticantes de musculação, ela não é indicada apenas para isso; mas para várias outras finalidades.

Se você quer entender – de uma vez – o que é, como tomar e quais os benefícios da creatina, continue a leitura! 

Afinal, o que é creatina e para que serve?

A creatina é uma substância natural, produzida pelo corpo humano, encontrada principalmente nos músculos, bem como em pequenas quantidades no cérebro e outros tecidos. 

👉 Ela desempenha um papel fundamental na produção de energia durante atividades físicas de curta duração e alta intensidade.

A suplementação de creatina é bastante popular entre atletas e fisiculturistas, pois pode aumentar a capacidade de produção de energia durante exercícios de alta intensidade, permitindo que os praticantes realizem mais repetições ou levantem pesos mais pesados durante os treinos. Isso ocorre porque a creatina ajuda a regenerar o ATP (trifosfato de adenosina), que é a principal fonte de energia para contrações musculares rápidas e explosivas.

Além de melhorar o desempenho físico, a creatina também pode ter outros benefícios, como:

✅ Aumento da massa muscular: A creatina pode ajudar a aumentar a massa muscular, principalmente quando combinada com treinamento de resistência.

✅ Recuperação muscular: A suplementação de creatina pode reduzir a dor muscular e a fadiga após o exercício, acelerando a recuperação muscular.

✅ Melhoria da função cerebral: Embora a maioria dos estudos se concentre nos efeitos da creatina no desempenho físico, há evidências emergentes de que ela também pode ter benefícios para a saúde do cérebro, como melhora da memória e função cognitiva.

É importante notar que a resposta à suplementação de creatina pode variar de pessoa para pessoa, e nem todos os indivíduos experimentam os mesmos benefícios. Além disso, é fundamental seguir as instruções de dosagem recomendadas e consultar um(a) profissional de saúde antes de iniciar qualquer suplementação, especialmente se houver preocupações médicas pré-existentes.

Quais as fontes de creatina?

A creatina pode ser obtida tanto através da alimentação quanto através da síntese endógena (produzida pelo próprio corpo). Aqui estão as principais fontes de creatina:

Carne vermelha

É a fonte mais rica de creatina na dieta. Carnes como carne bovina, carne suína e cordeiro são particularmente ricas em creatina. A carne contém aproximadamente 2-5 gramas de creatina por quilo.

Peixe

Peixes como atum, salmão e bacalhau também são fontes significativas de creatina. Eles contêm quantidades menores em comparação com a carne vermelha, mas ainda assim contribuem para a ingestão total de creatina.

Aves

Frango e peru também contêm creatina, embora em quantidades menores do que a carne vermelha.

Suplementos de creatina

A forma mais comum de obter creatina é através de suplementos. A creatina monoidratada é a forma mais utilizada e pesquisada. Geralmente, os suplementos de creatina vêm na forma de pó e podem ser misturados com líquidos para consumo.

Embora seja possível obter creatina através da dieta, a quantidade que você obtém pode variar dependendo dos tipos e quantidades de alimentos que você consome. Por essa razão, algumas pessoas optam por usar suplementos de creatina para garantir uma ingestão consistente e maximizar os benefícios potenciais para o desempenho físico e a saúde.

Como tomar creatina (do jeito certo)?

O consumo de creatina pode variar dependendo do objetivo e das necessidades individuais de cada pessoa. Aqui estão algumas orientações gerais sobre como consumir creatina de forma segura e eficaz:

Fase de saturação

Existe um mito comum de que é necessário passar por uma fase de saturação de creatina, onde se consome uma quantidade maior (tipicamente cerca de 20 gramas por dia) por cerca de uma semana, seguida por uma fase de manutenção com uma dose menor (tipicamente cerca de 3-5 gramas por dia). 

No entanto, pesquisas mostram que não é essencial fazer essa fase de saturação. Embora possa acelerar a saturação dos músculos com creatina, também pode causar desconforto gastrointestinal em algumas pessoas. Assim, muitos especialistas recomendam apenas iniciar com a dose de manutenção (3-5 gramas por dia) para evitar quaisquer efeitos colaterais indesejados.

Dose de manutenção

A dose de manutenção recomendada de creatina é geralmente de cerca de 3-5 gramas por dia. Isso pode ser consumido em qualquer momento do dia, mas muitas pessoas optam por tomá-lo após o treino para ajudar na recuperação muscular.

Ciclos de uso

Não há evidências conclusivas que sugiram a necessidade de ciclar o uso de creatina (ou seja, tomar por um período e depois fazer uma pausa). Muitas pessoas optam por usá-la continuamente, enquanto outras podem fazer pausas periódicas, mas isso é mais uma preferência pessoal do que uma necessidade fisiológica.

Combinações com outros suplementos

A creatina pode ser combinada com outros suplementos, como carboidratos ou proteínas, para potencializar seus efeitos. Por exemplo, a creatina pode ser consumida com uma fonte de carboidratos de rápida absorção para ajudar na absorção da creatina pelos músculos.

Hidratação

É importante manter-se bem hidratado ao consumir creatina, pois ela pode causar retenção de água intramuscular. Beber bastante água durante o dia pode ajudar a minimizar qualquer desconforto associado a isso.

Em resumo, a creatina é segura e eficaz, quando consumida de acordo com as orientações recomendadas. Ela pode ser uma ferramenta útil para melhorar o desempenho físico e os ganhos de massa muscular, mas é importante usá-la com moderação e sob a orientação de um profissional de saúde, especialmente se houver preocupações médicas pré-existentes.

Afinal, a creatina está liberada no Brasil?

A história da regulamentação da creatina no Brasil é um exemplo de como as autoridades reguladoras frequentemente revisitam suas decisões, à medida que novas evidências científicas e informações surgem. 

Aqui está um resumo da trajetória da regulamentação da creatina no Brasil:

✅ Primeira regulamentação: Inicialmente, a creatina era considerada um suplemento controverso e foi proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil em 2005. Essa proibição foi baseada em preocupações sobre a segurança e eficácia da creatina, bem como a falta de regulamentação em relação à sua comercialização e uso.

✅ Revisão da regulamentação: Após revisões subsequentes da evidência científica disponível e pressões da comunidade científica e de consumidores, a Anvisa decidiu rever sua decisão. Em 2010, a Anvisa revisou sua regulamentação e permitiu a comercialização de creatina no Brasil, mas com restrições, como a exigência de rotulagem adequada e advertências sobre o uso responsável.

✅ Atual regulamentação: Atualmente, a creatina é permitida para comercialização no Brasil, desde que os produtos atendam às regulamentações específicas estabelecidas pela Anvisa. Isso inclui requisitos de rotulagem detalhados, garantia de qualidade e segurança do produto, e conformidade com os padrões de boas práticas de fabricação.

No caso da creatina, a revisão e a subsequente autorização para comercialização no Brasil refletem a compreensão crescente de seus benefícios potenciais e dos padrões de segurança associados ao seu uso responsável.

——————————-

Uma das missões da Clínica Viver de Imagens Médicas é promover saúde, bem-estar e qualidade de vida para as pessoas. Seja oferecendo serviços de excelência, seja produzindo conteúdos úteis e sempre gratuitos.

Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, clique no link abaixo para agendar conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Exames para menopausa: um guia completo!

A menopausa e o período anterior, que a antecede (climatério), são uma fase em que diversas mudanças ocorrem no organismo da mulher. Mudanças essas que podem tanto gerar incômodos e desconfortos quanto trazer riscos (sérios) para a saúde delas.

Por isso, manter um acompanhamento adequado nesse período é algo que pode garantir mais qualidade de vida quanto proteger a mulher.

Confira abaixo os exames mais importantes de serem feitos nessa fase e por quê!

A importância dos exames na menopausa

A importância dos exames na menopausa

A realização de exames durante o climatério e após a menopausa é essencial para monitorar a saúde e detectar potenciais problemas que podem surgir durante essa fase da vida da mulher. 

Conheça, abaixo, por que tais exames são tão importantes:

Monitoramento das mudanças hormonais

Durante o climatério e a menopausa, ocorrem grandes mudanças hormonais no corpo da mulher, especialmente uma diminuição nos níveis de estrogênio. Isso pode levar a uma série de sintomas e também pode aumentar o risco de certas condições de saúde. 

Exames regulares podem ajudar a monitorar essas mudanças hormonais e auxiliar na gestão dos sintomas e na prevenção de complicações.

Rastreamento de doenças crônicas

Durante o climatério e após a menopausa, as mulheres estão em maior risco de desenvolver certas condições crônicas, diabetes tipo 2 e hipertensão arterial. Exames regulares podem ajudar a detectar essas condições em estágios iniciais, quando são mais tratáveis.

Prevenção e detecção precoce do câncer

O rastreamento regular é fundamental para a detecção precoce do câncer de mama e do câncer de colo do útero, que são duas das principais preocupações de saúde para as mulheres durante o climatério e após a menopausa. 

Avaliação da saúde óssea

Durante a menopausa, as mulheres estão em maior risco de desenvolver osteoporose, uma condição caracterizada pela perda de massa óssea e um aumento no risco de fraturas. 

Avaliação da saúde cardiovascular

As mulheres na menopausa têm um aumento do risco de doenças cardiovasculares, devido à diminuição dos níveis de estrogênio, que têm efeitos protetores sobre o sistema cardiovascular. 

A realização de exames específicos de forma regular ajudam a identificar possíveis mudanças desse tipo e a tomada de medidas mais precoces.

Exames para menopausa: um guia completo!

Exames para menopausa: um guia completo!

Diante desses riscos, a pergunta que fica é: quais são os exames mais importantes de se fazer para garantir mais proteção e conforto à mulher nessa fase da vida? Lembrando, claro, que a decisão será sempre do(a) profissional-assistente que acompanha a mulher. Vamos a eles:

Níveis de estradiol

O estradiol é o principal hormônio feminino produzido pelos ovários. Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de estradiol diminuem significativamente. Monitorar os níveis desse hormônio pode ajudar a avaliar a função ovariana e auxiliar no diagnóstico de condições como menopausa precoce ou tardia, bem como guiar o tratamento hormonal, se necessário, para aliviar sintomas relacionados à deficiência de estrogênio.

Níveis de FSH (hormônio folículo-estimulante)

Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de estradiol diminuem, enquanto os níveis de FSH aumentam. Isso ocorre devido à diminuição da função ovariana. Medir os níveis de FSH pode ajudar a confirmar a menopausa e avaliar a reserva ovariana.

Níveis de LH (hormônio luteinizante)

Assim como o FSH, os níveis de LH também podem estar elevados durante o climatério e após a menopausa. Monitorar os níveis de LH pode ajudar a confirmar a menopausa e avaliar a função ovariana.

Progesterona

Embora os níveis de progesterona diminuam após a menopausa, devido à interrupção da ovulação, ainda pode ser relevante avaliar os níveis desse hormônio em certas situações, como no contexto de terapia hormonal ou no diagnóstico de condições como síndrome dos ovários policísticos.

Testosterona

Embora a testosterona seja geralmente considerada um hormônio masculino, as mulheres também a produzem em quantidades menores. Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de testosterona podem diminuir, o que pode contribuir para a diminuição da libido e outros sintomas. Avaliar os níveis de testosterona pode ser importante para o manejo de sintomas relacionados à deficiência desse hormônio.

Avaliação da função tireoidiana (exames TSH e T4 livre)

Com as mudanças hormonais geradas pelo climatério e após a menopausa, as mulheres podem estar em maior risco de distúrbios da tireoide, como hipotireoidismo. Portanto, a avaliação da função tireoidiana é importante para diagnosticar e gerenciar essas condições.

Mamografia

A mamografia é o exame considerado “padrão ouro” para rastrear o câncer de mama. É importante já a partir dos 40 anos de idade porque as mulheres têm um risco aumentado de desenvolver câncer de mama a partir do climatério e menopausa. A detecção precoce aumenta significativamente as chances de tratamento bem-sucedido.

Exame de Papanicolau

Este exame é usado para detectar células anormais no colo do útero, o que pode indicar câncer cervical ou condições pré-cancerosas. É importante durante o climatério e após a menopausa para garantir que quaisquer alterações sejam detectadas precocemente e tratadas antes de se tornarem câncer invasivo.

Densitometria óssea

A densitometria óssea é um exame que mede a densidade mineral óssea e é usado para diagnosticar a osteoporose ou avaliar o risco de fraturas ósseas. É crucial principalmente após a menopausa porque as mulheres têm uma maior probabilidade de desenvolver osteoporose nessa fase devido à diminuição dos níveis de estrogênio.

Perfil lipídico, hemograma e glicemia em jejum

Esses exames são utilizados para avaliar os níveis de colesterol, glicose e outros marcadores de saúde cardiovascular. São importantes durante o climatério e após a menopausa porque as mulheres têm um aumento do risco de doenças cardiovasculares nessa fase, e esses exames ajudam a identificar fatores de risco e orientar as intervenções necessárias.

Aferição da pressão arterial

Este é um procedimento simples para medir a pressão arterial. É ainda mais importante a partir da menopausa porque as mulheres têm um aumento do risco de hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares nessa fase da vida.

————————————–

Como vimos neste guia completo de exames para a menopausa, é fundamental manter controle sobre as mudanças que ocorrem no organismo da mulher nessa fase. Isso permite garantir mais conforto, qualidade de vida e saúde para elas.

Na hora de fazer seus exames de imagem, como densitometria óssea, mamografia ou ecografias, conte com a Clínica Viver. Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Quando a PAAF é indicada?

Apesar do nome ainda pouco conhecido entre a maioria das pessoas, o procedimento conhecido como PAAF (punção aspirativa por agulha fina) é algo muito usado, quando é necessário confirmar o diagnóstico de nódulos suspeitos.

Caso você queira saber mais sobre esse importante diagnóstico, a seguir iremos explicar quando a PAAF é indicada e por que ela é tão útil.

Confira!

Entenda o que é PAFF

Entenda o que é PAFF

A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) é um procedimento amplamente utilizado na prática médica para obter amostras de tecido ou líquido de uma região específica do corpo

Essas amostras são coletadas de forma minimamente invasiva, geralmente sob orientação de métodos de imagem como ultrassom, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Como é feito o procedimento?

Durante a PAAF, uma agulha fina é cuidadosamente inserida na área alvo, sendo frequentemente guiada por um especialista treinado para garantir precisão. Uma vez posicionada, a agulha é usada para aspirar uma pequena quantidade de material da área em questão. Esse material pode incluir células, fluidos ou fragmentos de tecido, dependendo da natureza da suspeita diagnóstica.

Como é feito o procedimento?

Após a coleta, as amostras são processadas e enviadas para análise laboratorial. Lá, os técnicos e patologistas examinam as amostras sob microscópio para identificar características específicas que possam ajudar no diagnóstico de uma variedade de condições médicas. Essas condições podem incluir doenças benignas e malignas, infecções, processos inflamatórios, entre outras.

A PAAF é considerada uma técnica valiosa devido à sua relativa simplicidade, baixo risco e alta eficácia na obtenção de amostras diagnósticas. Ela oferece aos médicos uma ferramenta valiosa para ajudar a determinar a natureza de uma condição médica, permitindo assim um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

👉 Veja também – Punção aspirativa de tireoide por agulha fina 

Quando a PAAF é indicada

Quando a PAAF é indicada

Confira abaixo os casos em que esse procedimento se mostra importante:

Investigação de nódulos e massas

Quando um paciente apresenta um nódulo ou massa palpável – que pode surgir em diferentes partes do corpo, como na tireoide, mama, linfonodos, pulmões, fígado, rins ou outros órgãos – a PAAF é frequentemente realizada para obter amostras do tecido ou líquido da área suspeita. Isso ajuda a determinar se o nódulo é benigno ou maligno.

Avaliação de lesões císticas

Em casos de lesões císticas, como cistos na mama ou nos rins, a PAAF é utilizada para aspirar o conteúdo do cisto. Isso permite distinguir entre lesões benignas e malignas e orientar o plano de tratamento adequado.

Diagnóstico de doenças inflamatórias

Em doenças inflamatórias, como sarcoidose ou doença granulomatosa, a PAAF pode ser usada para obter amostras de tecido para análise. Isso ajuda a confirmar o diagnóstico e orientar o tratamento apropriado.

Identificação de infecções

Em casos de suspeita de infecção, como abscessos ou linfadenite, a PAAF é realizada para obter amostras do fluido ou tecido infectado. Essas amostras são então analisadas para identificar o agente causador da infecção e orientar o tratamento antibiótico adequado.

Avaliação de fluidos anormais

Quando há acúmulo anormal de fluidos em cavidades do corpo, como derrames pleurais, derrames pericárdicos ou ascites, a PAAF pode ser usada para obter amostras do líquido acumulado. Isso ajuda a determinar a causa do acúmulo de fluidos.

Diagnóstico de lesões cutâneas suspeitas

Em casos de lesões cutâneas suspeitas, como tumores de pele ou lesões pigmentadas, a PAAF pode ser realizada para obter amostras do tecido para análise histológica. Isso ajuda a confirmar ou descartar o diagnóstico de câncer de pele.

Monitoramento de doenças crônicas

Em pacientes com doenças crônicas, como câncer, a PAAF pode ser usada para monitorar a eficácia do tratamento ou detectar recorrências da doença. Isso é especialmente útil em casos de tumores sólidos, onde a PAAF pode ser realizada repetidamente para obter amostras do tumor e monitorar sua resposta ao tratamento.

Estudo de lesões ósseas

Em casos de lesões ósseas suspeitas, como tumores ósseos ou lesões metastáticas, a PAAF pode ser realizada para obter amostras do tecido ósseo para análise. Isso ajuda a determinar a natureza da lesão e orientar o plano de tratamento adequado.

Investigação de lesões profundas

Em lesões profundas ou de difícil acesso para biópsia cirúrgica, a PAAF é uma alternativa menos invasiva e mais segura. Isso permite a obtenção de amostras de tecido para análise sem a necessidade de cirurgia aberta.

Determinação do tipo histológico de tumores

Em casos de tumores malignos primários ou metastáticos, a PAAF é frequentemente utilizada para obter amostras do tecido tumoral e determinar o tipo histológico do tumor. Isso é fundamental para planejar o tratamento adequado e prever o prognóstico do paciente.

Essas são algumas das muitas situações em que a PAAF é uma ferramenta valiosa para diagnóstico e tratamento médico. Sua capacidade de obter amostras de tecido ou líquido de forma minimamente invasiva torna-a uma opção preferencial em uma ampla gama de cenários clínicos.

👉 Acesse este outro conteúdo para saber como se preparar para a PAFF.

Onde fazer PAAF no DF?

Como vimos, trata-se de um procedimento extremamente importante e que faz toda diferença tanto para o diagnóstico quanto para as decisões que serão tomadas em relação ao tratamento. Por isso, a escolha do local onde fazer a PAAF é algo muito importante.

Se você (ou alguém próximo) recebeu a indicação desse procedimento, considere a Clínica Viver de Imagens Médicas a sua melhor opção. Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Exames de tireoide: quais os principais?

A glândula tireoide é responsável por inúmeros processos em nosso organismo, desde o metabolismo até o ritmo do nosso intestino. Por isso, problemas nessa glândula costumam impactar bastante o funcionamento do corpo.

Felizmente, hoje dispomos de inúmeros exames para ajudar a investigar e tratar problemas na tireoide, tanto laboratoriais quanto de imagem.

Se você quer saber quais os principais exames para a tireoide e por que eles são importantes, confira as informações a seguir.

Principais problemas que afetam a tireoide

Principais problemas que afetam a tireoide

Como dito acima, a tireoide regula muitas funções vitais do nosso organismo, e qualquer problema nessa glândula pode afetar várias áreas do corpo. Confira abaixo alguns dos principais problemas que podem afetar a tireoide:

Hipotireoidismo

Nesta condição, a tireoide produz quantidades insuficientes de hormônios tireoidianos. Isso pode levar a sintomas como fadiga, ganho de peso, sensibilidade ao frio, pele seca, constipação, depressão, entre outros sinais e sintomas.

Hipertireoidismo

Ao contrário do hipotireoidismo, no hipertireoidismo a tireoide produz excesso de hormônios tireoidianos. Isso pode causar sintomas como perda de peso, aumento da frequência cardíaca, nervosismo, tremores, insônia e sudorese excessiva.

Bócio

Um bócio é um aumento anormal da glândula tireoide, resultando em um inchaço visível no pescoço. Isso pode ser causado por várias condições, incluindo deficiência de iodo, hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

Nódulos tireoidianos

São crescimentos anormais na tireoide. Na maioria dos casos, esses nódulos são benignos, mas em alguns casos podem ser cancerígenos.

Câncer de tireoide

Embora relativamente raro, o câncer de tireoide é um tipo de neoplasia que se desenvolve nessa glândula e que pode ter diferentes riscos e formas de tratamentos.

Saiba mais sobre câncer de tireoide acessando este outro conteúdo.

Tireoidite

Isso refere-se à inflamação da tireoide. Existem diferentes tipos de tireoidite, como a tireoidite de Hashimoto (uma causa comum de hipotireoidismo) e a tireoidite de Graves (uma causa comum de hipertireoidismo).

Tireoidite pós-parto

Algumas mulheres desenvolvem tireoidite após o parto, o que pode resultar em sintomas temporários de hipotireoidismo, seguidos por uma fase de hipertireoidismo e, eventualmente, uma recuperação completa.

Como saber que é preciso investigar?

Como saber que é preciso investigar?

Diante de todos esses problemas que podem surgir na tireoide, você estar se perguntando: como saber se tenho algum problema nessa glândula? Quais sinais ela dá?

Existem vários sinais e sintomas que podem indicar a necessidade de investigar a saúde da tireoide. Aqui estão alguns dos sinais mais comuns:

Mudanças de peso inexplicadas: Ganho de peso inexplicado, especialmente se acompanhado de outros sintomas como fadiga, constipação e pele seca, pode indicar hipotireoidismo. Da mesma forma, perda de peso sem causa aparente, especialmente se acompanhada por aumento do apetite, nervosismo e tremores, pode indicar hipertireoidismo.

Mudanças de humor: Distúrbios da tireoide podem afetar o equilíbrio dos hormônios que regulam o humor, levando a sintomas como depressão, ansiedade, irritabilidade e alterações de humor.

Fadiga persistente: Sentir-se constantemente cansado, mesmo após descanso adequado, pode ser um sintoma.

Mudanças na frequência cardíaca: Batimentos cardíacos rápidos ou irregulares merecem investigação.

Mudanças na pele e cabelo: Pele seca, cabelo fino e quebradiço, unhas frágeis e quebradiças podem ser sinais de hipotireoidismo. Já apresentar pele quente e úmida, suor excessivo e queda de cabelo podem ser sinais de hipertireoidismo.

Intolerância ao frio ou ao calor: Pessoas com hipotireoidismo podem ter dificuldade em tolerar o frio, enquanto pessoas com hipertireoidismo podem sentir calor excessivo e transpiração.

Alterações menstruais: Menstruação irregular ou dificuldade para engravidar podem ter várias causas, entre elas disfunções da tireoide.

Inchaço no pescoço: Um inchaço visível ou sensação de aperto no pescoço pode ser um sinal de um bócio ou nódulos tireoidianos.

Se você está experimentando um ou mais desses sintomas, especialmente se eles forem persistentes ou graves, é importante procurar avaliação médica. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem ajudar a gerenciar os problemas da tireoide de forma eficaz e prevenir complicações.

Principais exames para a tireoide

Para investigar problemas na tireoide, é possível solicitar uma combinação de exames para obter informações abrangentes sobre a função e a saúde dessa glândula. Aqui estão os principais exames usados para essa finalidade:

Dosagem de TSH (hormônio estimulante da tireoide)

Hormônio avaliado por meio de exame de sangue, o TSH é produzido pela glândula pituitária (no cérebro) e regula a produção de hormônios tireoidianos. 

Altos níveis de TSH podem indicar que a tireoide esteja produzindo hormônios abaixo do normal, enquanto baixos níveis de TSH geralmente indicam níveis elevados de hormônios tireoidianos.

Dosagem de T4 Livre (tiroxina livre)

O T4 livre é um dos principais hormônios produzidos pela tireoide. Níveis anormais de T4 livre podem indicar problemas de função tireoidiana, como hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Também é avaliado por meio de exame de sangue.

Dosagem de T3 Livre (triiodotironina livre)

O T3 livre – também presente no sangue – é outro hormônio produzido pela tireoide e desempenha um papel importante no metabolismo. Dosagens de T3 livre podem ajudar a confirmar diagnósticos de hipertireoidismo.

Dosagem de anticorpos antiperoxidase ( Anti TPO ) , antitireoglobulina ( Anti TG ) e de Anti receptores de TSH (TRAB ) 

A dosagem de anticorpos Anti TPO e antitireoglobulina detectam a presença de anticorpos que vão  atacar proteínas que participam da produção de hormônios tireoidianos.  A anti peroxidase e a antitireoglobulina podem estar elevadas em casos de doenças autoimunes da tireoide, como Tireoidite de Hashimoto e Doença de Graves . 

Os anticorpos antitireoglobulina também podem estar aumentados no câncer de tireoide.  

Já os anticorpos anti TRAb se ligam a receptores na tireoide onde o hormônio TSH ligaria . Eles se encontram aumentados principalmente na doença de Graves , mas também na tireoidite de Hashimoto.  

Ultrassonografia da tireoide

A ultrassonografia (ou ecografia) da tireoide é um dos mais importantes para investigar alterações nessa glândula. Exame não invasivo, rápido, eficiente e de baixo custo, ajuda a ajudar a identificar possíveis nódulos, bócio, inflamação ou outras anormalidades na tireoide. É um exame essencial na determinação de características suspeitas nos nódulos para orientar uma punção aspirativa por agulha fina .( PAAF) 

Cintilografia da tireoide

Este exame utiliza uma pequena quantidade de material radioativo para criar imagens detalhadas da glândula tireoide. Pode ser usado para avaliar a função tireoidiana e detectar nódulos ou áreas de atividade anormal.

Biópsia de tireoide

Caso os exames anteriores levantem a suspeita de problemas mais sérios na glândula, como um nódulo tireoidiano sugestivo de câncer, a confirmação costuma ser feita por meio de uma biópsia. Isso é feito com a coleta de amostras de tecido para análise laboratorial. 

O procedimento consiste na introdução de uma agulha específica na lesão ou nódulo, com auxílio de ultrassom, para sucção de amostras células e tecidos. Em seguida, o material aspirado é depositado em lâminas, para análise em laboratório de análise patológica.

————————

Se você (ou alguém próximo) está apresentando sinais ou sintomas sugestivos de problemas na tireoide, conte com a Clínica Viver de Imagens Médicas. Dispomos de exames modernos e um time de profissionais experientes e atenciosos para que você tenha o diagnóstico mais preciso e confiável.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Endometriose pode virar câncer?

A endometriose afeta 1 em cada 10 mulheres no Brasil. Um levantamento que analisou dados dos últimos 10 anos mostrou que, nesse período, 119.467 internações por endometriose.

Essa condição pode ser extremamente limitante e afastar as mulheres de suas atividades diárias, como estudar e trabalhar, além de causar diversas dores e incômodos.

Um dos maiores medos das mulheres, no entanto, é se a endometriose pode virar câncer; especialmente na região do útero, que é onde o problema ocorre.

Confira as informações abaixo para esclarecer essa dúvida de uma vez!

Afinal, o que é a endometriose?

A endometriose é uma condição médica em que o tecido que normalmente reveste o interior do útero, chamado endométrio, cresce fora do útero. Esse tecido pode se desenvolver em áreas como os ovários, trompas de Falópio, superfície externa do útero, intestinos ou outros órgãos pélvicos. 

A endometriose é uma condição crônica e muitas vezes dolorosa, que afeta principalmente mulheres em idade reprodutiva, embora também possa ocorrer em mulheres após a menopausa.

Os sintomas da endometriose podem variar de uma mulher para outra, e algumas mulheres podem não apresentar sintomas significativos. No entanto, os sintomas comuns incluem:

✅ Dor pélvica crônica, que pode variar de leve a intensa.

✅ Dor durante a menstruação (dismenorreia).

✅ Dor durante ou após a relação sexual.

✅ Sangramento menstrual excessivo ou irregular.

✅ Dor ao urinar ou defecar, especialmente durante o período menstrual.

✅ Fadiga crônica.

✅ Problemas de fertilidade.

Já entre os diversos riscos que estão associados à endometriose, podemos incluir:

✅ Infertilidade: A endometriose pode interferir na capacidade de concepção, embora muitas mulheres com a condição ainda possam engravidar e ter filhos.

✅ Complicações durante a gravidez: As mulheres com endometriose têm um risco ligeiramente maior de complicações durante a gravidez, como parto prematuro ou aborto espontâneo.

✅ Impacto na qualidade de vida: A dor crônica e outros sintomas da endometriose podem afetar significativamente a qualidade de vida das mulheres, interferindo nas atividades diárias, no trabalho e nos relacionamentos.

✅ Formação de cicatrizes e aderências: Em casos mais graves, a endometriose pode levar à formação de tecido cicatricial e aderências nos órgãos pélvicos, o que pode causar dor e complicações adicionais.

O acompanhamento médico regular é fundamental para gerenciar a condição e ajudar a melhorar a qualidade de vida das mulheres com endometriose.

Endometriose pode virar câncer?

Uma das principais dúvidas e preocupações de mulheres que apresentam essa condição é se a endometriose pode virar câncer.

🚨É importante esclarecer que a endometriose não é considerada uma condição pré-cancerígena. 

Embora em casos muito raros a endometriose possa estar associada a certos tipos de câncer – como o carcinoma de células claras ou o adenocarcinoma endometrioide – essas ocorrências são extremamente incomuns e representam uma pequena fração dos casos de endometriose.

A maioria das mulheres com endometriose nunca desenvolverá câncer relacionado à condição. 

A endometriose é uma doença benigna, o que significa que não é cancerosa. No entanto, é importante que as mulheres com endometriose mantenham um acompanhamento médico regular para monitorar a condição e garantir que quaisquer mudanças suspeitas ou sintomas incomuns sejam investigados adequadamente.

As mulheres com endometriose devem estar cientes dos sinais de alerta de possíveis complicações, como aumento repentino da dor, sangramento anormal ou sintomas gastrointestinais persistentes, e devem relatar esses sintomas ao seu médico imediatamente para avaliação adicional.

Em resumo, embora exista uma associação muito pequena entre a endometriose e certos tipos raros de câncer, a grande maioria das mulheres com endometriose não desenvolverá câncer relacionado à condição. 

Como tratar a endometriose? É possível prevenir?

O tratamento da endometriose pode variar dependendo da gravidade dos sintomas, dos planos reprodutivos da paciente e de outros fatores individuais. Alguns dos métodos de tratamento comuns incluem:

Medicamentos para alívio da dor

Analgésicos de venda livre ou prescritos podem ser utilizados para ajudar a aliviar a dor associada à endometriose. Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) podem ser eficazes para muitas mulheres. 

Além disso, medicamentos específicos para endometriose, como os moduladores seletivos dos receptores de progesterona ou os agonistas de GnRH, também podem ser prescritos para reduzir a dor e a inflamação.

Terapia hormonal

A terapia hormonal pode ajudar a controlar os sintomas da endometriose ao suprimir a produção de estrogênio, o que pode ajudar a reduzir o crescimento do tecido endometrial fora do útero. 

Isso pode ser alcançado através do uso de pílulas anticoncepcionais, dispositivos intrauterinos (DIUs) liberadores de progesterona, injeções de hormônios ou implantes subcutâneos.

Cirurgia

Em casos mais graves de endometriose, especialmente quando há formação de cistos ovarianos (endometriomas) ou aderências que causam sintomas significativos, a cirurgia pode ser necessária. Ela também está indicada no caso de obstrução intestinal,  infertilidade e quando a endometriose atinge o apêndice ou causa obstrução no fluxo de urina dos rins .A cirurgia laparoscópica é frequentemente realizada para remover o tecido endometrial ectópico e quaisquer aderências associadas. 

Em alguns casos, pode ser necessária uma cirurgia mais extensa, como a histerectomia (remoção do útero) ou a ooforectomia (remoção dos ovários), especialmente em mulheres que não desejam mais ter filhos.

🚨É crucial que o tratamento da endometriose seja iniciado o mais cedo possível após o diagnóstico, pois isso pode ajudar a controlar os sintomas, prevenir complicações e melhorar a qualidade de vida da paciente. A endometriose é uma condição crônica e progressiva, e a demora no tratamento pode levar ao agravamento dos sintomas e à possível progressão da doença.

É possível prevenir a endometriose?

Quanto à prevenção da endometriose, infelizmente não há uma maneira conhecida de evitar completamente o desenvolvimento da condição. No entanto, algumas estratégias que podem ajudar a reduzir o risco incluem:

Manter um peso saudável: Estudos sugerem que o excesso de peso ou obesidade pode aumentar o risco de desenvolver endometriose. Manter um peso saudável através de uma dieta equilibrada e exercícios físicos regulares pode ajudar a reduzir esse risco.

Evitar exposição a substâncias tóxicas: Alguns estudos sugerem uma possível ligação entre a exposição a certos produtos químicos ambientais, como dioxinas e poluentes orgânicos persistentes, e o desenvolvimento de endometriose. Evitar a exposição a essas substâncias tanto quanto possível pode ajudar a reduzir o risco.

Terapia hormonal: Algumas evidências sugerem que o uso prolongado de contraceptivos hormonais, como pílulas anticoncepcionais, pode reduzir o risco de desenvolver endometriose em algumas mulheres. No entanto, o uso de terapia hormonal para esse fim deve ser discutido com um médico, levando em consideração os potenciais benefícios e riscos individuais.

Em resumo, enquanto o tratamento da endometriose é crucial para controlar os sintomas e prevenir complicações, infelizmente não há uma maneira garantida de evitar completamente o desenvolvimento da condição. No entanto, adotar um estilo de vida saudável e evitar a exposição a substâncias tóxicas podem ajudar a reduzir o risco em algumas mulheres.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Enxaqueca: como tratar?

A enxaqueca afeta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, causando sofrimento e afastando as pessoas de suas atividades.

Se você (ou alguém próximo) já passou por esse tipo de quadro, sabe o quão limitante é essa condição, mas felizmente hoje existem inúmeros recursos para tratar e, muitas vezes, resolver o problema.

Pensando nisso, a gente te explica a seguir os principais tipos de enxaqueca e quais os melhores tratamentos disponíveis hoje.

Confira!

Quais os tipos de enxaqueca?

O termo “enxaqueca” é algo genérico, que se refere a diversas variações desse problema, com características, intensidades e sintomas diferentes. Confira abaixo os principais tipos:

Enxaqueca sem aura (enxaqueca comum)

Esse é o tipo mais comum de enxaqueca, afetando a maioria das pessoas que sofrem de enxaqueca. 

Geralmente, a dor de cabeça é unilateral, pulsátil e moderada a grave. No entanto, em alguns casos, pode afetar ambos os lados da cabeça. A dor é frequentemente acompanhada por outros sintomas, como sensibilidade à luz (fotofobia), sensibilidade ao som (fonofobia), náuseas e vômitos.

Uma crise de enxaqueca sem aura pode durar de algumas horas a vários dias.

Já os fatores que disparam novas crises podem incluir estresse, alterações hormonais, falta de sono, certos alimentos ou bebidas, mudanças climáticas, entre outros.

Enxaqueca com aura

A aura é um conjunto de sintomas neurológicos que ocorrem antes ou durante a enxaqueca. Pode incluir sintomas visuais, como linhas em ziguezague, pontos cegos ou luzes piscantes, além de sintomas sensoriais, como formigamento ou dormência em uma parte do corpo, e sintomas de linguagem, como dificuldade de fala ou compreensão.

A aura geralmente dura de 5 a 60 minutos e é seguida pela dor de cabeça.

Os fatores que provocam as crises de enxaqueca com aura podem ser semelhantes aos da enxaqueca sem aura, mas a presença da aura pode adicionar outros fatores desencadeantes, como alterações visuais ou estresse adicional.

Enxaqueca vestibular

Este tipo de enxaqueca está associado a sintomas vestibulares, como vertigem intensa, tontura, náuseas e vômitos, que podem ocorrer antes, durante ou após a dor de cabeça.

Os ataques de enxaqueca vestibular podem durar de minutos a horas.

Já os gatilhos que provocam crises podem incluir fatores semelhantes aos da enxaqueca comum, mas também podem incluir movimentos bruscos ou mudanças de posição.

.

Enxaqueca hemiplégica

Esta é uma forma rara de enxaqueca caracterizada por fraqueza temporária ou paralisia em um lado do corpo, antes ou durante a dor de cabeça. Outros sintomas neurológicos, como distúrbios visuais e dificuldades de fala, também podem estar presentes.

Os sintomas geralmente melhoram dentro de algumas horas a dias após o início da crise.

Os desencadeadores podem ser semelhantes aos de outros tipos de enxaqueca, embora certos fatores desencadeantes, como estresse extremo ou trauma físico, possam desencadear ataques de enxaqueca hemiplégica em alguns casos.

Enxaqueca retiniana

Este tipo de enxaqueca envolve sintomas visuais semelhantes aos da aura, mas os sintomas ocorrem exclusivamente em um olho e podem incluir pontos cegos, visão embaçada ou perda parcial da visão em um ou ambos os olhos.

Os sintomas geralmente duram de alguns minutos a uma hora e, em seguida, desaparecem.

Os desencadeadores podem ser semelhantes aos de outros tipos de enxaqueca, embora o estresse visual, como leitura prolongada ou exposição a telas brilhantes, possa ser um fator desencadeante comum.

Enxaqueca crônica

Este termo é usado quando alguém tem enxaqueca em pelo menos 15 dias por mês, com pelo menos oito dias de enxaqueca com características típicas por mês, por um período de três meses ou mais.

Os sintomas podem variar em intensidade e duração, mas a pessoa afetada enfrenta uma carga significativa de dor de cabeça na maioria dos dias do mês.

Além das causas habituais, como nos outros tipos de enxaqueca, outros gatilhos incluem o uso excessivo de medicamentos para dor de cabeça, que acredita-se poder contribuir para a enxaqueca crônica.

.

Enxaqueca: como tratar?

Existem várias abordagens de tratamento para enxaqueca, que podem incluir medidas de estilo de vida, medicamentos agudos (para tratar os ataques de enxaqueca quando ocorrem) e medicamentos preventivos (para reduzir a frequência e a gravidade dos ataques). Aqui estão algumas opções comuns de tratamento:

Medicamentos para quadros agudos

Medicamentos como paracetamol, ibuprofeno ou aspirina podem ser eficazes para aliviar a dor leve a moderada em alguns casos.

Já a classe dos Triptanos são medicamentos que ajudam a aliviar a enxaqueca e outros sintomas associados, trabalhando para reduzir a inflamação e contrair os vasos sanguíneos dilatados no cérebro.

Outro grupo de medicamentos são os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), que também podem ser eficazes no alívio da dor de cabeça em alguns casos.

Medicamentos preventivos

Um grupo de medicamentos preventivos que costumam ser usados são os betabloqueadores, já que podem ajudar a reduzir a frequência e a gravidade dos ataques de enxaqueca, atuando para regularizar os padrões de fluxo sanguíneo e neurotransmissores no cérebro.

Além disso, os antidepressivos tricíclicos podem ser úteis na prevenção de enxaquecas, especialmente em pessoas que também têm depressão ou distúrbios do sono.

Alguns medicamentos originalmente desenvolvidos para tratar convulsões podem ser eficazes na prevenção de enxaquecas.

Finalmente, os antagonistas dos receptores de CGRP são uma nova classe de medicamentos específicos para prevenção de enxaquecas que têm se mostrado eficazes em muitos pacientes.

Terapias não medicamentosas

Nem só de medicamentos depende o tratamento da enxaqueca, apesar de serem uma escolha frequente nesses casos. Outras opções que podem ser usadas são:

✅ Tratamentos como terapia cognitivo-comportamental (TCC), biofeedback e relaxamento muscular progressivo podem ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade, que são fatores desencadeantes comuns para alguns pacientes com enxaqueca.

✅ Exercícios de alongamento, fisioterapia e manipulação quiroprática podem ser úteis para algumas pessoas na prevenção e no alívio da enxaqueca.

✅ Evitar fatores desencadeantes conhecidos, como determinados alimentos, falta de sono, estresse excessivo e exposição a estímulos sensoriais intensos (como luzes brilhantes ou odores fortes), pode ajudar a reduzir a frequência e a gravidade dos ataques de enxaqueca.

✅ Alguns estudos sugerem que a acupuntura pode ser eficaz na redução da frequência e da gravidade das enxaquecas em algumas pessoas.

✅ Alguns suplementos, como magnésio, riboflavina (vitamina B2) e coenzima Q10, têm sido estudados como possíveis tratamentos preventivos para enxaqueca.

É importante ressaltar que o tratamento ideal para a enxaqueca pode variar de pessoa para pessoa, e pode ser necessário experimentar diferentes abordagens para encontrar a combinação mais eficaz. Sempre consulte um médico para obter orientação e tratamento adequados, especialmente se você estiver considerando o uso de medicamentos preventivos.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Como é feita a cirurgia de próstata

Quando os problemas de próstata avançam e passam a gerar incômodos ou riscos ao paciente, um procedimento cirúrgico acaba sendo a única solução realmente efetiva.

Com as novas tecnologias – como as cirurgias a laser ou robóticas – esse tipo de tratamento tem se tornado cada vez mais seguro e confortável.

A seguir você vai conhecer como é feita a cirurgia de próstata, quando ela é indicada e quais exames são feitos para essa definição.

Confira!

Quando é indicada a cirurgia de próstata?

Existem várias condições que podem levar o urologista – especialista no tratamento de problemas urinários e da próstata – a indicar a realização de uma cirurgia.

Entre os principais, podemos citar:

Hiperplasia prostática benigna (HPB)

Se um homem apresenta sintomas significativos relacionados a um aumento benigno (não cancerígeno) da próstata, como dificuldade para urinar, fluxo urinário fraco, micção frequente, necessidade urgente de urinar ou retenção urinária, uma cirurgia de próstata pode ser considerada para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Complicações urinárias

Caso a hiperplasia prostática benigna tenha causado complicações, como infecções do trato urinário recorrentes, formação de pedras na bexiga ou retenção urinária persistente, uma cirurgia de próstata pode ser necessária para resolver essas complicações e prevenir danos adicionais.

Presença de sangue na urina

Homens que apresentam a presença de sangue na urina (hematúria) devido a condições como HPB avançada ou câncer de próstata, também costumam ser candidatos a uma cirurgia para avaliar e tratar a causa relacionada.

Câncer de próstata

Em alguns casos de câncer de próstata – localizado ou avançado – a cirurgia pode ser recomendada como parte do tratamento para remover o tumor e prevenir a disseminação da doença. Geralmente, outras medidas também são tomadas.

Obstrução urinária grave

Se um homem apresenta uma obstrução urinária grave devido a condições como estreitamento uretral (estenose uretral) ou compressão da uretra pela próstata aumentada, uma cirurgia de próstata pode ser necessária para restaurar o fluxo urinário adequado.

Essas são algumas das situações em que a realização de uma cirurgia de próstata pode ser considerada. No entanto, é importante ressaltar que a decisão de realizar uma cirurgia deve ser individualizada e discutida com um urologista, levando em consideração o estado de saúde geral do paciente, a gravidade dos sintomas e os potenciais riscos e benefícios do procedimento.

Quais exames são feitos antes?

Existem diversos exames e avaliações que um médico pode solicitar para avaliar a necessidade de uma cirurgia de próstata. Alguns dos exames mais comuns incluem:

Exame de toque retal

O exame de toque retal permite ao médico avaliar o tamanho, a consistência e a forma da próstata, bem como detectar a presença de anormalidades, como nódulos ou áreas endurecidas. Este exame é uma parte importante da avaliação para problemas de próstata, incluindo câncer de próstata.

Dosagem do antígeno prostático específico (PSA)

O PSA é uma proteína produzida pela próstata, e níveis elevados podem indicar a presença de problemas na próstata, como hiperplasia prostática benigna (HPB) ou câncer de próstata. O PSA é frequentemente utilizado como um marcador para ajudar a determinar a necessidade de realizar outros exames, como biópsia da próstata.

Ultrassonografia transretal

Este exame utiliza ondas sonoras para criar imagens detalhadas da próstata, permitindo ao médico avaliar o tamanho, a forma e a textura da glândula. A ultrassonografia transretal é frequentemente utilizada para guiar a realização de biópsias da próstata.

Exame de urina

Um exame de urina pode ser realizado para detectar a presença de sangue na urina (hematúria) ou sinais de infecção urinária, que podem estar associados a problemas na próstata.

Urofluxometria

Este exame mede o fluxo urinário e pode ajudar a avaliar a presença e a gravidade da obstrução do trato urinário inferior, muitas vezes causada por condições como hiperplasia prostática benigna (HPB).

Exames de imagem

Além da ultrassonografia, outros exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, podem ser realizados para avaliar a extensão de problemas na próstata e guiar o planejamento cirúrgico, especialmente em casos de câncer de próstata.

Estes são alguns dos exames mais comuns utilizados para avaliar a necessidade de uma cirurgia de próstata. O médico poderá solicitar outros exames específicos, dependendo da situação clínica de cada paciente.

Como é feita a cirurgia de próstata?

Existem diferentes procedimentos cirúrgicos para tratar problemas na próstata, cada um com suas indicações específicas. Aqui estão algumas das formas mais comuns de cirurgia de próstata:

Ressecção transuretral da próstata (RTUP)

A RTUP é um procedimento minimamente invasivo, realizado através da uretra, sem a necessidade de incisões externas. 

Durante o procedimento, um instrumento especial, chamado de ressectoscópio, é inserido pela uretra até a próstata. O médico então remove o tecido prostático excessivo que está causando obstrução no fluxo urinário. 

A RTUP é frequentemente utilizada para tratar a hiperplasia prostática benigna (HPB).

Prostatectomia aberta

A prostatectomia aberta é uma cirurgia mais invasiva, que envolve a remoção de parte ou de toda a próstata através de uma incisão na região abdominal. 

Este procedimento é geralmente reservado para casos de próstatas muito grandes ou quando há complicações associadas à cirurgia transuretral.

No câncer de próstata,  além de se retirar a próstata,  são removidas as vesículas seminais e os gânglios linfáticos infiltrados.

Laserterapia

Existem várias técnicas de laserterapia que podem ser utilizadas para tratar problemas na próstata. Estas incluem a vaporização da próstata com laser (vaporização fotosseletiva da próstata – PVP), a enucleação da próstata com laser (enucleação da próstata com laser – HoLEP) e a ablação da próstata com laser (ablação da próstata com laser – TULSA-PRO).

Estes procedimentos utilizam energia laser para destruir o tecido prostático excessivo e aliviar os sintomas urinários.

Implante de stents

Em alguns casos de obstrução uretral devido a um estreitamento ou compressão da uretra pela próstata, pode ser realizado o implante de um stent uretral para manter a passagem da urina aberta.

Cirurgia laparoscópica da próstata  

Nesse caso, são feitos pequenos cortes, de 1 cm a 3 cm, na parede do abdome, por onde são introduzidos os instrumentos cirúrgicos e a câmera. Com esses instrumentos, o urologista pode realizar a retirada parcial ou total da próstata.

A cirurgia laparoscópica permite um menor sangramento, menor tempo de hospitalização e recuperação mais rápida.

Cirurgia robótica

A cirurgia robótica pode ser utilizada para realizar prostatectomias com precisão e controle melhorados. Neste procedimento, o cirurgião controla um sistema robótico, que auxilia na remoção da próstata. A cirurgia robótica é frequentemente utilizada para tratar o câncer de próstata. É o método mais avançado de que dispomos atualmente,  permitindo uma visualização melhor da pelve e movimentos cirúrgicos mais amplos . Assim como na laparoscopia , a recuperação do paciente é mais rápida. 

Cada um desses procedimentos tem suas próprias vantagens e limitações, e a escolha do melhor método dependerá das características específicas do paciente, da gravidade do problema prostático e das preferências do médico. 

É importante discutir as opções de tratamento com um urologista para determinar a melhor abordagem para cada caso individual.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Câncer de tireoide: sintomas, diagnóstico e tratamento

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), entre 2020 e 2022, foi diagnosticada uma média de 13.780 novos casos de câncer de tireoide por ano no Brasil – 1.830 homens e 11.950 mulheres.

Como vemos, é um tipo de câncer relativamente frequente e, por isso, requer cada vez mais atenção das pessoas, especialmente as mulheres; principal alvo dessa condição.

Por tudo isso, abaixo vamos te mostrar o que é o câncer de tireoide, quais os principais sinais de alerta, como é feito o diagnóstico e as formas de tratamento.

Acompanhe!

Entenda o câncer de tireoide

A tireoide é uma pequena glândula, em forma de borboleta, localizada na base do pescoço, logo abaixo da laringe (caixa vocal). 

Essa glândula endócrina desempenha um papel crucial na regulação de numerosos processos metabólicos no corpo, através da produção e liberação de hormônios tireoidianos, principalmente a tiroxina (T4) e a triiodotironina (T3). 

Esses hormônios são essenciais para o controle do metabolismo, afetando quase todos os órgãos do corpo e influenciando funções como o consumo de energia, a regulação da temperatura corporal, o crescimento e o desenvolvimento e até a frequência cardíaca.

A função da tireoide é regulada pelo hormônio estimulante da tireoide (TSH), que é produzido pela glândula pituitária (ou hipófise), localizada na base do cérebro. Um delicado equilíbrio entre esses hormônios garante o funcionamento adequado do metabolismo corporal.

Veja também: Osteopenia: O que é, Causas, Diagnóstico e Tratamentos

Mas o que é o câncer de tireoide?

O câncer de tireoide ocorre quando células anormais começam a crescer na glândula tireoide. Diferentemente de muitas outras formas de câncer, o câncer de tireoide muitas vezes é diagnosticado em estágios iniciais e, geralmente, tem um bom prognóstico.

Existem vários tipos de câncer de tireoide, classificados de acordo com o tipo de célula da qual se originam e suas características. Os principais tipos incluem:

✅ Carcinoma papilífero: É o tipo mais comum, representando cerca de 80% de todos os casos de câncer de tireoide. Tende a crescer lentamente e, na maioria dos casos, é altamente tratável.

✅ Carcinoma folicular: Inclui variantes como o carcinoma de Hürthle, sendo o segundo tipo mais comum. Geralmente tem um bom prognóstico, embora possa ser mais propenso a se espalhar para outras partes do corpo em comparação com o carcinoma papilífero. Representa 10 a 30% dos casos .

✅ Carcinoma medular: Origina-se das células C da tireoide, responsáveis pela produção de calcitonina, que participa da formação dos ossos.Este tipo de câncer pode se espalhar mais rapidamente do que o carcinoma papilífero ou folicular. Representa 5% dos casos .

✅ Carcinoma anaplásico: Um tipo raro e agressivo de câncer de tireoide, que cresce rapidamente e é mais difícil de tratar. Representa 2% dos casos . 

A ocorrência do câncer de tireoide tem aumentado em várias partes do mundo, embora as razões exatas para esse aumento não sejam completamente compreendidas. A detecção precoce e os avanços no tratamento contribuíram para as altas taxas de sobrevida para muitos pacientes com câncer de tireoide.

>>>> Veja também: Gordura no fígado: sintomas, causas e como eliminar?

Quais os sintomas do câncer de tireoide? Como perceber?

O câncer de tireoide frequentemente não apresenta sintomas nos estágios iniciais, o que pode tornar sua detecção precoce desafiadora. Contudo, à medida que a doença progride, alguns sinais e sintomas podem começar a surgir. 

É importante ressaltar que muitos desses sintomas podem também ser causados por condições benignas da tireoide ou outras doenças. Portanto, a presença de um ou mais desses sintomas não significa necessariamente que alguém tenha câncer de tireoide.

Ainda assim, é importante investigá-los para um diagnóstico correto. Os possíveis sintomas e sinais incluem:

Nódulo no pescoço

O sinal mais comum é a presença de um nódulo na região da tireoide, que pode ser percebido ao toque ou, em alguns casos, visível ao engolir. A maioria dos nódulos tireoidianos não é cancerígena, mas a presença de um nódulo deve ser avaliada por um médico.

Mudanças na voz

Rouquidão ou outras mudanças na voz que não desaparecem podem ser um sinal, especialmente se não houver uma causa óbvia, como uma infecção respiratória.

Dificuldade para engolir ou respirar

Um nódulo ou inchaço na tireoide pode pressionar a traqueia ou o esôfago, causando dificuldade para engolir ou respirar.

Dor no pescoço ou garganta

Dor – que não melhora – na região da tireoide ou no pescoço pode ser um sintoma, embora seja menos comum. A dor pode se estender até os ouvidos.

Inchaço dos linfonodos

Nódulos linfáticos inchados (as populares ínguas) no pescoço podem indicar a propagação do câncer de tireoide.

Tosse persistente

Uma tosse persistente, que não está relacionada a um resfriado ou alergia, pode ser um sinal, especialmente se acompanhada por outros sintomas.

É importante lembrar que esses sintomas não são exclusivos do câncer de tireoide e podem ser atribuídos a várias outras condições de saúde. No entanto, se você notar um ou mais desses sinais, especialmente se persistirem ou piorarem, é aconselhável procurar avaliação médica – de preferência com endocrinologista – para um diagnóstico adequado. 

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico do câncer de tireoide envolve várias etapas e exames, que ajudam a determinar a presença de células cancerígenas e a extensão da doença. Aqui está um resumo dos principais métodos usados no diagnóstico do câncer de tireoide:

Exame físico e histórico médico

O processo de diagnóstico começa com um exame físico, por meio do qual o médico procura por nódulos ou inchaços na tireoide, bem como sinais de inchaço nos linfonodos do pescoço.

Também pode ser perguntado sobre o histórico médico do(a) paciente, incluindo quaisquer sintomas experimentados, histórico familiar de câncer de tireoide ou outras condições tireoidianas, além de exposição a fatores de risco.

Exames de sangue

Testes de sangue podem avaliar o funcionamento da tireoide, medindo os níveis de hormônios tireoidianos (como TSH, T3 e T4) e, em alguns casos, a presença de anticorpos antitireoidianos.

Ecografia da tireoide

O exame de ecografia (ou ultrassonografia) é frequentemente usado para ajudar a detectar nódulos na tireoide e determinar suas características, como tamanho, localização e se são sólidos ou contêm líquido.

Esse exame é totalmente indolor e não invasivo e ajuda a avaliar a necessidade de procedimentos adicionais.

Punção por agulha fina

Se um nódulo suspeito é identificado, uma punção aspirativa por agulha fina (PAAF) pode ser realizada. Durante este procedimento, uma agulha fina é inserida no nódulo para coletar amostras de tecido ou células para análise microscópica.

O passo seguinte é avaliar as amostras colhidas em laboratório de patologia. Este é o exame mais confiável para determinar se um nódulo é cancerígeno.

Exames de imagem

Caso o tumor maligno seja mesmo confirmado por meio da biópsia, outros exames de imagem, como tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM) ou cintilografia da tireoide, podem ser usados para avaliar a extensão do câncer ou investigar a presença de metástases em outros órgãos.

Testes genéticos

Em alguns casos, testes genéticos podem ser realizados em amostras de tecido coletadas durante a biópsia para identificar mutações genéticas que possam influenciar o tratamento.

Laringoscopia

Em situações nas quais a voz do(a) paciente é afetada, pode-se realizar uma laringoscopia para verificar se o câncer de tireoide afetou as cordas vocais.

Tratamentos para câncer de tireoide

O tratamento do câncer de tireoide varia de acordo com o tipo e estágio do câncer, bem como a idade do(a) paciente e outras condições de saúde existentes. Os tratamentos podem ser utilizados isoladamente ou em combinação, a fim de abordar a doença de forma eficaz. 

Aqui estão os possíveis tratamentos para o câncer de tireoide:

Tireoidectomia total ou parcial

A remoção cirúrgica da tireoide é o tratamento mais comum para o câncer de tireoide. A tireoidectomia total remove toda a glândula tireoide, enquanto a tireoidectomia parcial (ou lobectomia) remove apenas a parte afetada. A extensão da cirurgia depende do tamanho do tumor e da presença de doença em ambos os lóbulos da tireoide.

Caso o câncer tenha se espalhado para os linfonodos, eles também podem ser removidos durante a cirurgia.

Terapia com iodo radioativo

Após a cirurgia, a terapia com iodo radioativo pode ser recomendada para destruir qualquer tecido tireoidiano remanescente, bem como células cancerígenas que possam ter se espalhado para outras partes do corpo. 

Terapia de reposição hormonal

Após a remoção da tireoide, os pacientes precisarão tomar hormônio tireoidiano sintético pelo resto da vida para substituir os hormônios que a glândula produzia e para ajudar a suprimir a produção de TSH.

Terapia-alvo

Para tipos específicos de câncer de tireoide, especialmente aqueles que não respondem bem à terapia com iodo radioativo, medicamentos que visam mutações genéticas específicas nas células cancerígenas podem ser usados. Estes medicamentos podem bloquear o crescimento e a disseminação do câncer.

Radioterapia externa

A radioterapia externa, que utiliza feixes de radiação de alta energia para matar células cancerígenas, pode ser usada em casos em que o câncer se espalhou para áreas que não podem ser tratadas com cirurgia ou iodo radioativo, ou para aliviar sintomas de câncer avançado, principalmente os mais agressivos,  como os anaplásicos .

Quimioterapia

A quimioterapia não é comumente usada para tratar o câncer de tireoide, mas pode ser recomendada em casos de câncer anaplásico de tireoide ou quando o câncer não responde a outros tratamentos.

O plano de tratamento ideal para cada paciente será determinado por uma equipe multidisciplinar de especialistas em saúde, incluindo endocrinologistas e oncologistas.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Alzheimer: sintomas, diagnóstico e tratamentos

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 1,2 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência no Brasil e 100 mil novos casos são diagnosticados por ano. Em todo o mundo, o número chega a 50 milhões de pessoas.

Esses números impressionantes mostram a importância de se informar mais sobre esse tema que, direta ou indiretamente, quase todos nós ainda teremos contato.

Abaixo você vai entender o que é o Alzheimer, seus sintomas, diagnóstico e formas de tratamento.

Acompanhe!

Afinal, o que é o Mal de Alzheimer?

O Mal de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva e a forma mais comum de demência entre idosos. Caracteriza-se pela deterioração contínua das funções cognitivas, afetando principalmente a memória, a capacidade de raciocínio, o julgamento, a linguagem e eventualmente a habilidade de realizar as tarefas mais simples do dia a dia.

Na essência da doença de Alzheimer está a degeneração e morte de neurônios cerebrais, processo que acarreta uma diminuição significativa do tecido cerebral e afeta a funcionalidade dos neurotransmissores, que são substâncias químicas essenciais para a comunicação entre as células nervosas. À medida que a doença avança, observa-se uma redução na massa cerebral, especialmente nas regiões associadas à memória e ao pensamento.

Embora a causa exata do Mal de Alzheimer ainda não esteja completamente entendida, acredita-se que envolva uma combinação de fatores genéticos, ambientais e do estilo de vida, que contribuem para o desenvolvimento da doença. Pesquisas identificaram a formação anormal de placas beta-amiloides e emaranhados neurofibrilares dentro e ao redor das células cerebrais, como marcas distintas da condição, interferindo nas funções neuronais e levando à morte celular.

O Mal de Alzheimer é tipicamente uma doença de início tardio, com a maioria dos casos ocorrendo em pessoas com 65 anos ou mais. No entanto, existe uma forma menos comum, conhecida como “Alzheimer de início precoce”, que pode afetar indivíduos tão jovens quanto na faixa dos 30 a 60 anos. Esta forma tende a ter uma progressão mais rápida e frequentemente tem uma base genética mais clara.

A doença tem um impacto significativo não apenas nos pacientes, mas também em seus familiares e cuidadores, exigindo uma abordagem multidisciplinar para o manejo e apoio ao longo de sua progressão.

Veja também: Osteopenia: O que é, Causas, Diagnóstico e Tratamentos

Quais os principais sintomas? Como identificar?

Os sintomas do Mal de Alzheimer variam ao longo de suas fases, começando sutilmente e tornando-se mais severos com o tempo. Aqui estão os principais sintomas e sinais de alerta que indicam a necessidade de investigação profissional:

Sintomas iniciais

Os primeiros sinais da demência de Alzheimer, e que costumam passar despercebidos, são:

Perda de memória de curto prazo: Dificuldade em reter informações recentes, como esquecer conversas, compromissos ou onde objetos foram colocados.

Dificuldades de linguagem: Problemas em encontrar as palavras certas durante conversas, substituição de palavras por outras inapropriadas ou uso de frases genéricas para descrever objetos específicos.

Desorientação temporal e espacial: Perder-se em lugares familiares, confundir datas e ter noção imprecisa do tempo.

Dificuldade em tomar decisões: Problemas em julgar situações que requerem decisão, como gerenciar finanças ou seguir instruções de receitas.

Alterações de humor e comportamento: Mudanças repentinas de humor sem uma razão clara, incluindo irritabilidade, ansiedade ou apatia.

Sintomas moderados

À medida que os sintomas evoluem – especialmente quando não são identificados e tratados – outros sinais passam a surgir, como:

Dificuldades cognitivas mais acentuadas: Problemas com a fala, compreensão e realização de sequências de tarefas.

Esquecimento de eventos ou informações pessoais importantes: Como esquecer o próprio endereço, telefone ou eventos significativos da vida pessoal.

Confusão sobre lugar e tempo: Não reconhecer sua própria casa ou confundir noite com dia.

Dificuldade em reconhecer familiares e amigos: Falha em reconhecer rostos familiares, podendo até confundir pessoas.

Alterações de personalidade e comportamento: Sintomas como paranoia, agitação, agressividade ou andar sem direção aparente.

Sintomas avançados:

Já no estágio final da doença, o quadro se agrava bastante, tornando o paciente extremamente dependente e limitado. Nesse estágio, os sinais costumam ser:

Incapacidade de comunicar-se: Dificuldade severa ou incapacidade de falar, ler ou escrever.

Dependência total de cuidados: Necessidade de assistência contínua para atividades diárias, como se vestir, tomar banho e comer.

Problemas de mobilidade: Dificuldade para caminhar, mudar de posição ou necessidade de cadeira de rodas.

✅ Problemas de saúde geral: Aumento do risco de infecções, problemas de pele, dificuldades alimentares e perda de peso.

Como dito, no início alguns sinais podem ser bastante sutis, o que leva ao atraso na busca por ajuda médica e tratamento precoce. No entanto, alguns sinais de alerta devem ser observados para buscar uma investigação profissional, como dificuldade notável em lembrar novas informações, lidar com tarefas cotidianas, resolver problemas simples, usar linguagem corretamente, entender imagens visuais e julgamentos espaciais, mudanças no julgamento ou decisão, retraimento social e alterações de humor ou personalidade sem causas aparentes.

Quando esses sintomas começam a afetar significativamente a vida diária de uma pessoa, é crucial buscar avaliação médica. Um diagnóstico precoce pode abrir caminhos para o manejo dos sintomas e planejamento para o futuro, além de possibilitar que o paciente e seus familiares busquem recursos e suporte adequados.

>>>> Veja também: Gordura no fígado: sintomas, causas e como eliminar?

Alzheimer: diagnóstico e tratamentos

O diagnóstico de Alzheimer é complexo e envolve a exclusão de outras possíveis causas de demência. Não existe um único teste que confirme a doença, então o processo diagnóstico combina avaliação clínica detalhada com uma série de exames complementares.

Em relação ao diagnóstico, o processo costuma incluir:

Histórico médico e avaliação de sintomas: Inclui conversas com o paciente e familiares para entender os sintomas, histórico de saúde, medicamentos utilizados e mudanças comportamentais.

Exames físicos e neurológicos: Avaliação da função neurológica para verificar reflexos, força muscular, movimento dos olhos, coordenação e equilíbrio.

Testes cognitivos e de memória: Avaliações padronizadas que medem memória, capacidade de resolver problemas, atenção, linguagem e outras habilidades mentais.

Exames de imagem: Ressonância magnética ou tomografia computadorizada do cérebro podem ajudar a identificar mudanças cerebrais típicas da doença de Alzheimer, como atrofia do hipocampo ou presença de placas senis e emaranhados neurofibrilares. A tomografia por emissão de pósitrons (PET) também pode ser usada em casos selecionados.

Testes Laboratoriais: Exames de sangue para descartar outras condições que podem causar sintomas semelhantes, como deficiências vitamínicas ou problemas de tireoide.

👉 Como funciona o tratamento?

Atualmente, não há cura para o Mal de Alzheimer, mas existem tratamentos disponíveis que podem ajudar a gerenciar os sintomas da doença.

Medicamentos

Inibidores da colinesterase: esses medicamentos podem ajudar a melhorar os sintomas cognitivos (memória, comunicação e julgamento) em pessoas com Alzheimer leve a moderado.

Antagonistas dos receptores NMDA: essa classe de medicamentos, usada para tratar os sintomas de Alzheimer moderado a grave, pode melhorar a memória, atenção, razão, linguagem e a capacidade de realizar tarefas simples.

Intervenções não medicamentosas

Terapias cognitivo-comportamentais: Para ajudar a gerenciar comportamentos problemáticos e promover um ambiente tranquilo e seguro.

✅ Atividades estimulantes: Como jogos de memória, música, artes e exercícios físicos que podem melhorar o bem-estar e retardar o declínio cognitivo.

✅ Suporte nutricional e controle de fatores de risco: Dieta equilibrada, controle de hipertensão, diabetes e colesterol, que podem influenciar a progressão da doença.

Apoio a cuidadores e familiares

Educação sobre a doença, estratégias de manejo comportamental, suporte emocional e orientação sobre serviços de apoio disponíveis são essenciais para cuidadores e familiares.

Embora o tratamento atual se concentre na gestão dos sintomas e na melhoria da qualidade de vida, a pesquisa continua avançando na busca por tratamentos mais eficazes, incluindo abordagens para retardar ou interromper a progressão da doença.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Prolapso da válvula mitral: sintomas, causas e tratamentos

O prolapso de válvula mitral é uma alteração na estrutura e funcionamento do coração, que, na maioria das vezes, não traz maiores riscos e, por isso, não exige nenhuma abordagem médica, além do acompanhamento regular.

No entanto, em alguns casos, essa alteração pode provocar sintomas e trazer riscos importantes para os pacientes.

Para que você entenda mais sobre o prolapso de válvula mitral, a seguir vamos falar o que é essa condição, seus sinais e sintomas típicos, suas causas e possíveis tratamentos.

Aproveite a leitura! 

O que é prolapso de válvula mitral?

O prolapso da válvula mitral (PVM) é uma condição na qual os folhetos da válvula mitral do coração não fecham adequadamente

A válvula mitral está localizada entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo do coração. Em uma situação normal, esta válvula permite que o sangue flua em uma única direção – do átrio para o ventrículo. 

Já no contexto de um prolapso da válvula mitral, uma ou ambas os  folhetos da válvula se projetam (prolapsam) para o átrio esquerdo durante a contração do ventrículo.

A maioria das pessoas com PVM não apresenta sintomas e geralmente não precisa de tratamento. No entanto, o prolapso da válvula mitral pode, em alguns casos, levar a complicações mais sérias, incluindo:

Regurgitação mitral

É a complicação mais comum do PVM, onde o sangue vaza de volta para o átrio esquerdo quando o ventrículo se contrai. Isso pode levar a palpitações, cansaço, falta de ar, ou, em casos mais graves, a insuficiência cardíaca.

.

Arritmias

Algumas pessoas com prolapso mitral podem desenvolver arritmias (batimentos cardíacos irregulares), especialmente na forma de taquicardia supraventricular ou de fibrilação atrial, que podem causar palpitações, tonturas ou desconforto no peito.

Endocardite infecciosa

Essa alteração cardíaca também pode aumentar ligeiramente o risco de desenvolver endocardite infecciosa, uma infecção do revestimento interno do coração (endocárdio).

Ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (AVC)

Embora seja raro, em casos graves, o PVM pode levar a um ataque cardíaco ou AVC, especialmente se houver formação de coágulos no átrio esquerdo.

Prolapso severo

Em casos raros, as cordas que sustentam as folhetas da válvula podem romper, o que pode causar um prolapso severo e requerer cirurgia reparadora ou de substituição da válvula.

Síndrome do prolapso da válvula mitral

Alguns pacientes podem experimentar sintomas não específicos, como fadiga, tontura e ansiedade, mesmo na ausência de regurgitação mitral significativa ou arritmias.

A maioria dos casos de PVM é leve e pode ser monitorada sem tratamento. No entanto, é importante que pessoas com PVM façam acompanhamento regular com um cardiologista, especialmente se houver sintomas ou se o prolapso for grave. 

Veja também: Osteopenia: O que é, Causas, Diagnóstico e Tratamentos

Quais as causas desse problema?

As causas exatas do prolapso da válvula mitral não são completamente compreendidas, mas algumas causas conhecidas e fatores de risco associados incluem:

Anormalidades estruturais

O prolapso da válvula mitral pode ser causado por anormalidades nas estruturas da válvula, como folhetos valvares excessivamente grandes ou espessos, cordas tendíneas alongadas ou enfraquecidas, ou anormalidades no músculo papilar. Essas anormalidades estruturais podem ser congênitas (presentes desde o nascimento) ou adquiridas ao longo da vida.

Fatores genéticos

O prolapso da válvula mitral tende a ocorrer em famílias, sugerindo uma predisposição genética para a condição. Certas mutações genéticas podem predispor uma pessoa ao desenvolvimento do PVM.

Síndrome de Marfan

A síndrome de Marfan é um distúrbio genético do tecido conjuntivo que pode afetar várias partes do corpo, incluindo as válvulas cardíacas. Pessoas com síndrome de Marfan têm maior probabilidade de desenvolver prolapso da válvula mitral devido a anormalidades estruturais do tecido conjuntivo.

Síndrome de Ehlers-Danlos

Assim como a síndrome de Marfan, a síndrome de Ehlers-Danlos é um distúrbio genético do tecido conjuntivo que pode predispor ao prolapso da válvula mitral devido a anormalidades nas estruturas valvares.

Degeneração mixomatosa

A degeneração mixomatosa é uma condição na qual o tecido das válvulas cardíacas se degenera e se torna excessivamente espesso, flexível e gelatinoso. Essa degeneração pode levar ao prolapso da válvula mitral.

Trauma no peito

Trauma no peito, como ferimentos causados por acidentes de carro ou quedas, pode causar danos às estruturas da válvula mitral e predispor ao prolapso.

Outras condições médicas

Certas condições médicas, como febre reumática, endocardite infecciosa, hipertireoidismo e distúrbios do tecido conjuntivo, podem aumentar o risco de prolapso da válvula mitral.

Quais os sintomas? Como perceber?

Embora muitas pessoas com prolapso da válvula mitral (PVM) não apresentem sintomas, algumas podem experimentar sinais e sintomas que servem como alerta. 

É importante observar que a presença destes sintomas não significa necessariamente a presença de um quadro sério, mas eles podem ser indicativos de que uma avaliação médica é aconselhável. Os sintomas mais comuns incluem:

✅ Palpitações cardíacas – Sensação de batimentos cardíacos rápidos, fortes ou irregulares. Isso pode ocorrer devido a arritmias que às vezes estão associadas ao PVM.

✅ Fadiga – Cansaço ou fraqueza, que pode ser mais notável durante ou após esforços físicos.

✅ Falta de ar – Dificuldade para respirar, especialmente durante atividades físicas ou quando deitado, pode ser um sinal de regurgitação mitral significativa.

✅ Tontura ou desmaios – Episódios de tontura ou desmaios (síncope) podem ocorrer, embora sejam menos comuns.

✅ Dor no peito – Algumas pessoas relatam dor ou desconforto no peito, que não é necessariamente associado a doença arterial coronariana.

✅ Ansiedade – Uma sensação anormal de nervosismo, que pode ser acompanhada por palpitações.

✅ Migranea  – Dor de cabeça frequente ou severa, incluindo enxaquecas.

Lembre-se de que a presença de um ou mais desses sintomas não confirma automaticamente o PVM, pois eles podem ser associados a várias outras condições de saúde. Portanto, é crucial consultar um médico para um diagnóstico preciso. 

>>>> Veja também: Gordura no fígado: sintomas, causas e como eliminar?

Quais os tratamentos disponíveis?

O tratamento do prolapso da válvula mitral (PVM) depende da gravidade dos sintomas e da presença de complicações. Para a maioria das pessoas com PVM, especialmente aquelas sem sintomas ou com sintomas leves, o tratamento pode não ser necessário. 

No entanto, para aqueles que requerem intervenção, as opções de tratamento incluem:

✅ Acompanhamento regular – Para casos leves ou assintomáticos, o médico pode apenas recomendar acompanhamento regular para monitorar a condição.

✅ Medicamentos – Se houver sintomas ou complicações, podem ser prescritos medicamentos para ajudar a controlar os sintomas ou tratar complicações específicas. Estes podem incluir:

✅ Beta-bloqueadores – Para reduzir as palpitações e ajudar a controlar a frequência cardíaca.

✅ Anticoagulantes – Em casos com arritmias significativas, como fibrilação atrial, para reduzir o risco de formação de coágulos.

✅ Diuréticos – Para aliviar os sintomas de insuficiência cardíaca, como inchaço e falta de ar.

✅ Mudanças no estilo de vida – Mudanças de estilo de vida podem ajudar a gerenciar os sintomas e a saúde cardiovascular em geral. Isso inclui manter um peso saudável, fazer exercícios regularmente (conforme recomendado pelo médico), evitar o uso de estimulantes (como cafeína e álcool) e parar de fumar.

✅ Cirurgia de válvula mitral – Em casos raros, quando há regurgitação mitral severa que causa sintomas significativos ou danos ao coração, pode ser necessária a cirurgia para reparar ou substituir a válvula mitral. 

Quando a opção é pela cirurgia, existem algumas opções disponíveis, como:

✅ Reparo da válvula mitral – É geralmente preferido sobre a substituição, pois mantém a própria válvula e estrutura do coração.

✅ Substituição da válvula mitral – Em casos onde o reparo não é viável, a válvula mitral pode ser substituída por uma artificial.

É importante que o tratamento seja personalizado para cada indivíduo, levando em consideração a gravidade da condição, sintomas, risco de complicações e saúde geral do paciente. 

Consultas regulares com um cardiologista são essenciais para um manejo eficaz do prolapso de válvula mitral.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver