Alimentos que diabéticos não podem comer!

Quem tem diabetes sabe que precisa ter um cuidado redobrado com tudo o que come. No entanto, muitas vezes surgem dúvidas se esse ou aquele alimento é perigoso e por quê.

Por conta disso, pode ser que a pessoa acabe consumindo alimentos nocivos sem saber ou deixe de consumir o que gosta sem necessidade.

Para te ajudar a ter mais certeza do que é (ou não) indicado, mostramos abaixo os alimentos que diabetes não podem comer e por quê.

Confira !

Diabetes e alimentação: qual a relação?

Diabetes e alimentação: qual a relação?

O diabetes é uma condição crônica (sem cura) que afeta a maneira como o corpo processa o açúcar no sangue (glicose). 

A glicose é a principal fonte de energia para o corpo e é obtida principalmente através dos carboidratos na alimentação. No diabetes, o corpo tem dificuldades para regular adequadamente os níveis de glicose no sangue, o que pode ocorrer por duas razões:

Resistência à insulina – Condição em que as células do corpo não respondem adequadamente à insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas, que permite que a glicose entre nas células para ser usada como energia. Isso leva ao quadro de diabetes tipo 2.

Falta produção de insulina – Condição em que o pâncreas não produz insulina suficiente para atender às necessidades do corpo. Essa condição leva ao quadro do diabetes tipo 1.

Quando falamos sobre a relação entre a alimentação e o diabetes, nos referimos a quanto os tipos de alimentos consumidos impactam nos níveis de glicose no sangue.

Por exemplo, os carboidratos simples – como massas feitas com farinha branca ou alimentos ricos em açúcar – causam picos rápidos nos níveis de glicose no sangue. Já os carboidratos complexos – como os encontrados em grãos integrais e vegetais – são digeridos mais lentamente, proporcionando um aumento gradual da glicose no sangue.

Nesse sentido, o índice glicêmico (IG) dos alimentos é um fator crucial. O IG é uma medida de quão rapidamente um alimento eleva os níveis de glicose no sangue. Alimentos com baixo IG ajudam a manter os níveis de glicose mais estáveis.

Outras formas indiretas como a alimentação se relaciona com o diabetes são:

Gestão do peso – Manter um peso saudável é fundamental para melhorar a sensibilidade à insulina. Uma dieta equilibrada e adequada pode ajudar na perda de peso e na manutenção de um peso saudável.

Gorduras saudáveis – Incluir gorduras saudáveis na dieta, como aquelas encontradas em abacates, nozes e azeite, pode ajudar a melhorar a resistência à insulina.

Saúde cardiovascular – Uma dieta rica em fibras, baixa em gorduras saturadas e trans e com quantidades adequadas de proteínas magras pode ajudar a prevenir doenças cardíacas, que são comuns em pessoas com diabetes.

Função renal – Manter uma dieta que controle a ingestão de sódio e proteínas pode ajudar a prevenir ou retardar a progressão de doenças renais diabéticas.

Em resumo, a alimentação é uma ferramenta poderosa no gerenciamento do diabetes. Escolhas alimentares adequadas podem ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue, melhorar a sensibilidade à insulina, gerenciar o peso e prevenir complicações associadas ao diabetes.

Alimentos que diabéticos não podem comer (e por quê)?

Alimentos que diabéticos não podem comer (e por quê)?

Não há alimentos que pessoas com diabetes não possam comer nunca. O que existe, na verdade, são aqueles que podem causar picos nos níveis de glicose no sangue, contribuir para a resistência à insulina ou aumentar o risco de complicações associadas ao diabetes e, portanto, devem ser evitados ou consumidos com moderação, conforme orientação profissional.

Aqui está uma lista desses alimentos e por que exigem maior atenção:

Açúcares e doces

Alimentos como bolos, biscoitos, doces, balas, refrigerantes, sucos de frutas adoçados, sorvetes, entre outros, contêm açúcares simples, que são rapidamente absorvidos pelo corpo, causando picos nos níveis de glicose no sangue.

Cereais refinados

Pães brancos, arroz branco, massas feitas com farinha refinada, cereais açucarados, entre outros, têm um alto índice glicêmico, o que significa que eles são rapidamente digeridos e transformados em glicose, levando a aumentos rápidos e acentuados nos níveis de glicose no sangue.

Frituras e alimentos ricos em gorduras trans

Batatas fritas, donuts, bolachas recheadas, margarina, produtos de panificação comerciais e demais alimentos ricos em gorduras trans aumentam o risco de doenças cardiovasculares e também podem contribuir para a resistência à insulina.

Alimentos processados e embutidos

Salsichas, presuntos, linguiças, nuggets de frango, refeições congeladas e demais alimentos processados geralmente contêm altos níveis de sódio, gorduras saturadas e conservantes, que podem aumentar a pressão arterial e o risco de doenças cardiovasculares.

Bebidas alcoólicas

Cerveja, vinho (especialmente os doces), coquetéis e demais bebidas alcoólicas podem podem interferir na regulação dos níveis de glicose no sangue, já que – ao contrário do que muitos pensam – o álcool é rico em calorias. Como exemplo, uma lata de cerveja tem 150 calorias, um chope tem 180 calorias e uma taça de vinho tinto pode chegar a 230 calorias.

Frutas com alto teor de açúcar

Frutas como mangas, bananas maduras e uvas também devem ser consumidas com atenção. Embora as frutas sejam saudáveis, algumas contêm altos níveis de açúcar natural (frutose), que podem elevar os níveis de glicose no sangue, se consumidas em grandes quantidades.

Molhos e condimentos açucarados

Molho barbecue, ketchup, maionese adoçada, molhos para salada industrializados, todos eles contêm açúcares adicionados e carboidratos ocultos que podem afetar os níveis de glicose no sangue.

Evitar ou limitar a ingestão desses alimentos pode ajudar a manter os níveis de glicose no sangue sob controle e reduzir o risco de complicações associadas ao diabetes. 

É sempre importante que as pessoas com diabetes consultem um nutricionista ou endocrinologista para um plano alimentar personalizado e adequado às suas necessidades individuais, até para que possam consumir os alimentos que gostam com segurança.

——————————-

Uma das missões da Clínica Viver de Imagens Médicas é promover saúde, bem-estar e qualidade de vida para as pessoas; seja oferecendo serviços de excelência, seja produzindo conteúdos úteis e sempre gratuitos.

Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, clique no link abaixo para agendar conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Dor no pulmão: o que pode ser?

Uma queixa que pode variar bastante de características, intensidades e possíveis causas é a dor no pulmão. 

Pelo fato de poder estar relacionada a diversas condições diferentes, pode ser mais difícil para a própria pessoa identificar do que se trata, daí a importância de buscar ajuda médica o quanto antes.

Para te ajudar a entender melhor esse problema, suas possíveis causas e quando procurar ajuda médica, criamos este conteúdo específico sobre o tema.

Boa leitura!

Dor no pulmão: como identificar?

Dor no pulmão: como identificar?

As dores no pulmão podem variar em intensidade e localização, dependendo do que esteja causando o problema. Aqui estão algumas características das dores no pulmão para que você tenha mais condições de identificá-las:

Localização

As dores no pulmão geralmente são sentidas na região do tórax, nas costas ou no peito. Elas podem ser localizadas em uma área específica ou em áreas difusas, dependendo da causa da dor.

Tipo de dor

As dores no pulmão podem ser descritas de várias maneiras, incluindo:

✅ Dor aguda: dor súbita e intensa, que pode ser causada por lesões, infecções agudas ou condições graves.

✅ Dor constante: dor persistente, que pode ser causada por condições crônicas, como inflamação crônica, doenças pulmonares crônicas ou câncer.

✅ Dor latejante: sensação de dor pulsante, que pode ser associada a inflamação, infecção ou trauma nos pulmões.

✅ Dor lancinante: dor aguda e penetrante que pode ser sentida ao respirar fundo ou tossir, muitas vezes associada a condições como pneumonia ou embolia pulmonar.

Agravamento dos sintomas

As dores no pulmão podem ser agravadas por certas atividades, como respirar profundamente, tossir, rir ou fazer exercícios físicos. Algumas pessoas podem notar que a dor piora ao deitar-se de um lado específico ou ao realizar determinados movimentos.

Sintomas associados

Além da dor no pulmão, outras manifestações podem estar presentes, dependendo da causa do problema. Isso pode incluir tosse, falta de ar, febre, chiado no peito, escarro com sangue, fadiga e perda de peso.

Histórico médico e exposições

O médico pode considerar o histórico da pessoa, incluindo histórico de tabagismo, exposição a agentes tóxicos, histórico de infecções respiratórias ou condições pulmonares prévias, como asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), ao avaliar as dores no pulmão.

É importante notar que as dores no pulmão podem ser causadas por uma variedade de condições, algumas das quais podem ser graves e exigir atenção médica imediata, como veremos a seguir.

O que pode ser?

Existem várias possíveis causas para dores no pulmão, que podem variar de condições benignas a problemas mais graves. Aqui estão algumas das causas mais comuns:

✅ Infecções respiratórias: Infecções como pneumonia, bronquite aguda ou crônica, gripes graves e tuberculose podem causar dores no pulmão devido à inflamação dos tecidos pulmonares.

✅ Lesões torácicas: Traumas no peito, como fraturas de costelas, contusões pulmonares ou lesões internas, podem resultar em dores no pulmão.

✅ Inflamação pleural: A inflamação da membrana que envolve os pulmões (pleura) pode causar dores no pulmão. Isso pode ser devido a condições como pleurisia, pneumotórax ou derrame pleural.

✅ Asma: Asma não controlada pode levar a espasmos nos músculos ao redor dos pulmões, resultando em dores no peito.

✅ Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC): Condições como bronquite crônica e enfisema associadas à DPOC podem causar desconforto no peito e dores no pulmão.

✅ Embolia pulmonar: Um coágulo sanguíneo que se desloca para os pulmões pode bloquear o fluxo sanguíneo, causando dor no peito, dificuldade respiratória e outros sintomas.

✅ Câncer de pulmão: O câncer de pulmão pode causar dores no pulmão à medida que cresce e afeta os tecidos circundantes. A dor pode ser resultado da invasão tumoral dos nervos ou estruturas adjacentes.

✅ Doenças autoimunes: Condições como sarcoidose ou doença do tecido conjuntivo podem afetar os pulmões e causar dor no peito.

✅ Exposição a substâncias irritantes: Inalação de fumaça, vapores químicos, poluição do ar ou poeira pode irritar os pulmões e causar dores no peito.

✅ Outras condições médicas: Doenças cardíacas, como angina, ou distúrbios gastrointestinais, como refluxo ácido, podem causar sintomas que podem ser interpretados como dores no pulmão.

Essas são apenas algumas das possíveis causas de dores no pulmão. É importante consultar um médico para avaliação adequada e diagnóstico preciso, especialmente se as dores forem persistentes, graves ou acompanhadas de outros sintomas preocupantes.

Tratamentos para dor no pulmão

Os tratamentos para dores no pulmão vão depender sempre do que esteja causando esse sintoma. Aqui estão alguns dos possíveis tratamentos que podem ser prescritos pelo médico, dependendo do diagnóstico:

Tratamento de infecções respiratórias

Nos casos em que a dor no pulmão esteja sendo causada por infecções bacterianas, como uma pneumonia, o tratamento geralmente envolve antibióticos. Já no caso de infecções virais, como a gripe, podem ser tratadas com repouso, hidratação e medicamentos para aliviar os sintomas.

Analgésicos e anti-inflamatórios

Para causas como pleurisia (inflamação da pleura) e traumas torácicos simples, costumam ser usados medicamentos analgésicos de venda livre, para ajudar a aliviar a dor e a inflamação associadas a essas condições.

Corticosteroides

Em casos de inflamação severa, como na asma ou em algumas doenças autoimunes, os corticosteroides podem ser prescritos para reduzir a inflamação e aliviar os sintomas.

Tratamento específico para outras condições

Dependendo da causa identificada, o médico pode prescrever tratamentos específicos. Isso pode incluir broncodilatadores para asma, oxigenoterapia para doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou tratamento anticoagulante para embolia pulmonar.

Fisioterapia respiratória

Em casos de condições como pleurisia ou pneumonia, a fisioterapia respiratória pode ajudar a limpar os pulmões de secreções, promover a respiração profunda e aliviar a dor.

Cirurgia

Em casos graves, como pneumotórax ou câncer de pulmão, pode ser necessária intervenção cirúrgica – e outras intervenções – para corrigir o problema ou remover o tecido afetado.

Modificações no estilo de vida

Em alguns casos, fazer alterações no estilo de vida – como parar de fumar, evitar a exposição a irritantes ambientais, perder peso ou adotar uma dieta saudável – pode ajudar a melhorar os sintomas e prevenir recorrências.

É importante ressaltar que o tratamento adequado para dores no pulmão depende do diagnóstico preciso da causa subjacente. Portanto, é essencial buscar ajuda médica para avaliação e orientação adequadas. Nunca se automedique, especialmente se estiver enfrentando sintomas respiratórios graves ou persistentes.

——————————-

Uma das missões da Clínica Viver de Imagens Médicas é promover saúde, bem-estar e qualidade de vida para as pessoas. Seja oferecendo serviços de excelência, seja produzindo conteúdos úteis e sempre gratuitos.

Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, clique no link abaixo para agendar conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Enxaqueca: como tratar?

A enxaqueca afeta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, causando sofrimento e afastando as pessoas de suas atividades.

Se você (ou alguém próximo) já passou por esse tipo de quadro, sabe o quão limitante é essa condição, mas felizmente hoje existem inúmeros recursos para tratar e, muitas vezes, resolver o problema.

Pensando nisso, a gente te explica a seguir os principais tipos de enxaqueca e quais os melhores tratamentos disponíveis hoje.

Confira!

Quais os tipos de enxaqueca?

O termo “enxaqueca” é algo genérico, que se refere a diversas variações desse problema, com características, intensidades e sintomas diferentes. Confira abaixo os principais tipos:

Enxaqueca sem aura (enxaqueca comum)

Esse é o tipo mais comum de enxaqueca, afetando a maioria das pessoas que sofrem de enxaqueca. 

Geralmente, a dor de cabeça é unilateral, pulsátil e moderada a grave. No entanto, em alguns casos, pode afetar ambos os lados da cabeça. A dor é frequentemente acompanhada por outros sintomas, como sensibilidade à luz (fotofobia), sensibilidade ao som (fonofobia), náuseas e vômitos.

Uma crise de enxaqueca sem aura pode durar de algumas horas a vários dias.

Já os fatores que disparam novas crises podem incluir estresse, alterações hormonais, falta de sono, certos alimentos ou bebidas, mudanças climáticas, entre outros.

Enxaqueca com aura

A aura é um conjunto de sintomas neurológicos que ocorrem antes ou durante a enxaqueca. Pode incluir sintomas visuais, como linhas em ziguezague, pontos cegos ou luzes piscantes, além de sintomas sensoriais, como formigamento ou dormência em uma parte do corpo, e sintomas de linguagem, como dificuldade de fala ou compreensão.

A aura geralmente dura de 5 a 60 minutos e é seguida pela dor de cabeça.

Os fatores que provocam as crises de enxaqueca com aura podem ser semelhantes aos da enxaqueca sem aura, mas a presença da aura pode adicionar outros fatores desencadeantes, como alterações visuais ou estresse adicional.

Enxaqueca vestibular

Este tipo de enxaqueca está associado a sintomas vestibulares, como vertigem intensa, tontura, náuseas e vômitos, que podem ocorrer antes, durante ou após a dor de cabeça.

Os ataques de enxaqueca vestibular podem durar de minutos a horas.

Já os gatilhos que provocam crises podem incluir fatores semelhantes aos da enxaqueca comum, mas também podem incluir movimentos bruscos ou mudanças de posição.

.

Enxaqueca hemiplégica

Esta é uma forma rara de enxaqueca caracterizada por fraqueza temporária ou paralisia em um lado do corpo, antes ou durante a dor de cabeça. Outros sintomas neurológicos, como distúrbios visuais e dificuldades de fala, também podem estar presentes.

Os sintomas geralmente melhoram dentro de algumas horas a dias após o início da crise.

Os desencadeadores podem ser semelhantes aos de outros tipos de enxaqueca, embora certos fatores desencadeantes, como estresse extremo ou trauma físico, possam desencadear ataques de enxaqueca hemiplégica em alguns casos.

Enxaqueca retiniana

Este tipo de enxaqueca envolve sintomas visuais semelhantes aos da aura, mas os sintomas ocorrem exclusivamente em um olho e podem incluir pontos cegos, visão embaçada ou perda parcial da visão em um ou ambos os olhos.

Os sintomas geralmente duram de alguns minutos a uma hora e, em seguida, desaparecem.

Os desencadeadores podem ser semelhantes aos de outros tipos de enxaqueca, embora o estresse visual, como leitura prolongada ou exposição a telas brilhantes, possa ser um fator desencadeante comum.

Enxaqueca crônica

Este termo é usado quando alguém tem enxaqueca em pelo menos 15 dias por mês, com pelo menos oito dias de enxaqueca com características típicas por mês, por um período de três meses ou mais.

Os sintomas podem variar em intensidade e duração, mas a pessoa afetada enfrenta uma carga significativa de dor de cabeça na maioria dos dias do mês.

Além das causas habituais, como nos outros tipos de enxaqueca, outros gatilhos incluem o uso excessivo de medicamentos para dor de cabeça, que acredita-se poder contribuir para a enxaqueca crônica.


Veja também:

Fibromialgia: sintomas e tratamentos
Prolapso da válvula mitral: sintomas, causas e tratamentos

.

Enxaqueca: como tratar?

Existem várias abordagens de tratamento para enxaqueca, que podem incluir medidas de estilo de vida, medicamentos agudos (para tratar os ataques de enxaqueca quando ocorrem) e medicamentos preventivos (para reduzir a frequência e a gravidade dos ataques). Aqui estão algumas opções comuns de tratamento:

Medicamentos para quadros agudos

Medicamentos como paracetamol, ibuprofeno ou aspirina podem ser eficazes para aliviar a dor leve a moderada em alguns casos.

Já a classe dos Triptanos são medicamentos que ajudam a aliviar a enxaqueca e outros sintomas associados, trabalhando para reduzir a inflamação e contrair os vasos sanguíneos dilatados no cérebro.

Outro grupo de medicamentos são os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), que também podem ser eficazes no alívio da dor de cabeça em alguns casos.

Medicamentos preventivos

Um grupo de medicamentos preventivos que costumam ser usados são os betabloqueadores, já que podem ajudar a reduzir a frequência e a gravidade dos ataques de enxaqueca, atuando para regularizar os padrões de fluxo sanguíneo e neurotransmissores no cérebro.

Além disso, os antidepressivos tricíclicos podem ser úteis na prevenção de enxaquecas, especialmente em pessoas que também têm depressão ou distúrbios do sono.

Alguns medicamentos originalmente desenvolvidos para tratar convulsões podem ser eficazes na prevenção de enxaquecas.

Finalmente, os antagonistas dos receptores de CGRP são uma nova classe de medicamentos específicos para prevenção de enxaquecas que têm se mostrado eficazes em muitos pacientes.

Terapias não medicamentosas

Nem só de medicamentos depende o tratamento da enxaqueca, apesar de serem uma escolha frequente nesses casos. Outras opções que podem ser usadas são:

✅ Tratamentos como terapia cognitivo-comportamental (TCC), biofeedback e relaxamento muscular progressivo podem ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade, que são fatores desencadeantes comuns para alguns pacientes com enxaqueca.

✅ Exercícios de alongamento, fisioterapia e manipulação quiroprática podem ser úteis para algumas pessoas na prevenção e no alívio da enxaqueca.

✅ Evitar fatores desencadeantes conhecidos, como determinados alimentos, falta de sono, estresse excessivo e exposição a estímulos sensoriais intensos (como luzes brilhantes ou odores fortes), pode ajudar a reduzir a frequência e a gravidade dos ataques de enxaqueca.

✅ Alguns estudos sugerem que a acupuntura pode ser eficaz na redução da frequência e da gravidade das enxaquecas em algumas pessoas.

✅ Alguns suplementos, como magnésio, riboflavina (vitamina B2) e coenzima Q10, têm sido estudados como possíveis tratamentos preventivos para enxaqueca.

É importante ressaltar que o tratamento ideal para a enxaqueca pode variar de pessoa para pessoa, e pode ser necessário experimentar diferentes abordagens para encontrar a combinação mais eficaz. Sempre consulte um médico para obter orientação e tratamento adequados, especialmente se você estiver considerando o uso de medicamentos preventivos.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Como é feita a cirurgia de próstata

Quando os problemas de próstata avançam e passam a gerar incômodos ou riscos ao paciente, um procedimento cirúrgico acaba sendo a única solução realmente efetiva.

Com as novas tecnologias – como as cirurgias a laser ou robóticas – esse tipo de tratamento tem se tornado cada vez mais seguro e confortável.

A seguir você vai conhecer como é feita a cirurgia de próstata, quando ela é indicada e quais exames são feitos para essa definição.

Confira!

Quando é indicada a cirurgia de próstata?

Existem várias condições que podem levar o urologista – especialista no tratamento de problemas urinários e da próstata – a indicar a realização de uma cirurgia.

Entre os principais, podemos citar:

Hiperplasia prostática benigna (HPB)

Se um homem apresenta sintomas significativos relacionados a um aumento benigno (não cancerígeno) da próstata, como dificuldade para urinar, fluxo urinário fraco, micção frequente, necessidade urgente de urinar ou retenção urinária, uma cirurgia de próstata pode ser considerada para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Complicações urinárias

Caso a hiperplasia prostática benigna tenha causado complicações, como infecções do trato urinário recorrentes, formação de pedras na bexiga ou retenção urinária persistente, uma cirurgia de próstata pode ser necessária para resolver essas complicações e prevenir danos adicionais.

Presença de sangue na urina

Homens que apresentam a presença de sangue na urina (hematúria) devido a condições como HPB avançada ou câncer de próstata, também costumam ser candidatos a uma cirurgia para avaliar e tratar a causa relacionada.

Câncer de próstata

Em alguns casos de câncer de próstata – localizado ou avançado – a cirurgia pode ser recomendada como parte do tratamento para remover o tumor e prevenir a disseminação da doença. Geralmente, outras medidas também são tomadas.

Obstrução urinária grave

Se um homem apresenta uma obstrução urinária grave devido a condições como estreitamento uretral (estenose uretral) ou compressão da uretra pela próstata aumentada, uma cirurgia de próstata pode ser necessária para restaurar o fluxo urinário adequado.

Essas são algumas das situações em que a realização de uma cirurgia de próstata pode ser considerada. No entanto, é importante ressaltar que a decisão de realizar uma cirurgia deve ser individualizada e discutida com um urologista, levando em consideração o estado de saúde geral do paciente, a gravidade dos sintomas e os potenciais riscos e benefícios do procedimento.


Veja também:

Fibromialgia: sintomas e tratamentos
Prolapso da válvula mitral: sintomas, causas e tratamentos

Quais exames são feitos antes?

Existem diversos exames e avaliações que um médico pode solicitar para avaliar a necessidade de uma cirurgia de próstata. Alguns dos exames mais comuns incluem:

Exame de toque retal

O exame de toque retal permite ao médico avaliar o tamanho, a consistência e a forma da próstata, bem como detectar a presença de anormalidades, como nódulos ou áreas endurecidas. Este exame é uma parte importante da avaliação para problemas de próstata, incluindo câncer de próstata.

Dosagem do antígeno prostático específico (PSA)

O PSA é uma proteína produzida pela próstata, e níveis elevados podem indicar a presença de problemas na próstata, como hiperplasia prostática benigna (HPB) ou câncer de próstata. O PSA é frequentemente utilizado como um marcador para ajudar a determinar a necessidade de realizar outros exames, como biópsia da próstata.

Ultrassonografia transretal

Este exame utiliza ondas sonoras para criar imagens detalhadas da próstata, permitindo ao médico avaliar o tamanho, a forma e a textura da glândula. A ultrassonografia transretal é frequentemente utilizada para guiar a realização de biópsias da próstata.

Exame de urina

Um exame de urina pode ser realizado para detectar a presença de sangue na urina (hematúria) ou sinais de infecção urinária, que podem estar associados a problemas na próstata.

Urofluxometria

Este exame mede o fluxo urinário e pode ajudar a avaliar a presença e a gravidade da obstrução do trato urinário inferior, muitas vezes causada por condições como hiperplasia prostática benigna (HPB).

Exames de imagem

Além da ultrassonografia, outros exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, podem ser realizados para avaliar a extensão de problemas na próstata e guiar o planejamento cirúrgico, especialmente em casos de câncer de próstata.

Estes são alguns dos exames mais comuns utilizados para avaliar a necessidade de uma cirurgia de próstata. O médico poderá solicitar outros exames específicos, dependendo da situação clínica de cada paciente.

Como é feita a cirurgia de próstata?

Existem diferentes procedimentos cirúrgicos para tratar problemas na próstata, cada um com suas indicações específicas. Aqui estão algumas das formas mais comuns de cirurgia de próstata:

Ressecção transuretral da próstata (RTUP)

A RTUP é um procedimento minimamente invasivo, realizado através da uretra, sem a necessidade de incisões externas. 

Durante o procedimento, um instrumento especial, chamado de ressectoscópio, é inserido pela uretra até a próstata. O médico então remove o tecido prostático excessivo que está causando obstrução no fluxo urinário. 

A RTUP é frequentemente utilizada para tratar a hiperplasia prostática benigna (HPB).

Prostatectomia aberta

A prostatectomia aberta é uma cirurgia mais invasiva, que envolve a remoção de parte ou de toda a próstata através de uma incisão na região abdominal. 

Este procedimento é geralmente reservado para casos de próstatas muito grandes ou quando há complicações associadas à cirurgia transuretral.

No câncer de próstata,  além de se retirar a próstata,  são removidas as vesículas seminais e os gânglios linfáticos infiltrados.

Laserterapia

Existem várias técnicas de laserterapia que podem ser utilizadas para tratar problemas na próstata. Estas incluem a vaporização da próstata com laser (vaporização fotosseletiva da próstata – PVP), a enucleação da próstata com laser (enucleação da próstata com laser – HoLEP) e a ablação da próstata com laser (ablação da próstata com laser – TULSA-PRO).

Estes procedimentos utilizam energia laser para destruir o tecido prostático excessivo e aliviar os sintomas urinários.

Implante de stents

Em alguns casos de obstrução uretral devido a um estreitamento ou compressão da uretra pela próstata, pode ser realizado o implante de um stent uretral para manter a passagem da urina aberta.

Cirurgia laparoscópica da próstata  

Nesse caso, são feitos pequenos cortes, de 1 cm a 3 cm, na parede do abdome, por onde são introduzidos os instrumentos cirúrgicos e a câmera. Com esses instrumentos, o urologista pode realizar a retirada parcial ou total da próstata.

A cirurgia laparoscópica permite um menor sangramento, menor tempo de hospitalização e recuperação mais rápida.

Cirurgia robótica

A cirurgia robótica pode ser utilizada para realizar prostatectomias com precisão e controle melhorados. Neste procedimento, o cirurgião controla um sistema robótico, que auxilia na remoção da próstata. A cirurgia robótica é frequentemente utilizada para tratar o câncer de próstata. É o método mais avançado de que dispomos atualmente,  permitindo uma visualização melhor da pelve e movimentos cirúrgicos mais amplos . Assim como na laparoscopia , a recuperação do paciente é mais rápida. 

Cada um desses procedimentos tem suas próprias vantagens e limitações, e a escolha do melhor método dependerá das características específicas do paciente, da gravidade do problema prostático e das preferências do médico. 

É importante discutir as opções de tratamento com um urologista para determinar a melhor abordagem para cada caso individual.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Remissão do diabetes tipo 2: entenda o caso!

O diabetes tipo 2 – desenvolvido por conta de hábitos de vida – tem sido alvo de estudos quanto à possibilidade de poder ser revertido, o que ainda não é um consenso. 

Muitos estudos, no entanto, têm indicado nessa direção. Logo abaixo falaremos sobre alguns pontos importantes sobre isso. Confira!

O que se sabe até hoje sobre remissão do diabetes tipo 2?

O que se sabe até hoje sobre remissão do diabetes tipo 2?

>>>> Veja também: Gordura no fígado: sintomas, causas e como eliminar?

A possibilidade de remissão do diabetes tipo 2 tem sido objeto de estudos e pesquisas ao longo dos anos, com resultados que destacam a influência de intervenções no estilo de vida, na melhoria dos níveis de glicose e na redução dos sintomas da doença. 

A remissão, neste contexto, refere-se à reversão dos sintomas e à normalização dos níveis de glicose, muitas vezes sem a necessidade de medicação contínua.

Alguns pontos relevantes, baseados em estudos científicos e clínicos, incluem:

Estilo de vida saudável

Intervenções significativas no estilo de vida, como mudanças na dieta, aumento da atividade física e perda de peso, têm demonstrado impactos positivos na remissão do diabetes tipo 2, como o trabalho publicado na revista científica The Lancet Regional Health, por pesquisadores da Universidade de Glasgow, na Escócia.

Perda de peso

Estudos têm mostrado que a perda de peso, especialmente quando associada à gordura visceral, está relacionada à melhoria da sensibilidade à insulina e à remissão do diabetes tipo 2.

Restrição calórica

Algumas abordagens dietéticas, incluindo a restrição calórica, têm sido associadas a melhorias nos marcadores do diabetes tipo 2 e à promoção da remissão.

Cirurgia bariátrica

Em casos mais graves, a cirurgia bariátrica tem sido uma opção que não apenas leva à perda significativa de peso, mas também pode resultar na remissão do diabetes tipo 2 em alguns pacientes, conforme alguns estudos.

Tempo no diagnóstico

Estudos indicam que a remissão pode ser mais alcançável em estágios iniciais do diabetes tipo 2, destacando a importância do diagnóstico precoce e intervenção. Em geral, pacientes com menos de 5 anos de diagnóstico têm melhores prognósticos.

Monitoramento e acompanhamento

A remissão muitas vezes requer monitoramento constante, ajustes nas abordagens de tratamento e acompanhamento médico regular para manter os resultados a longo prazo.

É crucial reconhecer que a possibilidade de remissão pode variar de pessoa para pessoa, dependendo de fatores como genética, gravidade da condição e aderência às mudanças no estilo de vida. Além disso, a remissão não implica cura definitiva, e o gerenciamento contínuo é necessário para evitar recorrências.

Como endocrinologistas tratam obesidade?

Osteopenia: O que é, Causas, Diagnóstico e Tratamentos

É possível ter qualidade de vida mesmo com diabetes?

É possível ter qualidade de vida mesmo com diabetes?

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

É absolutamente possível ter uma qualidade de vida significativa mesmo ao conviver com o diabetes, porém com cuidados importantes, que devem ser seguidos à risca, como:

Alimentação balanceada

Adote uma dieta equilibrada, rica em vegetais, frutas, grãos integrais e proteínas magras. Controle o consumo de carboidratos, monitorando as porções e escolhendo alimentos de baixo índice glicêmico.

Controle do peso

Mantenha um peso saudável por meio de hábitos alimentares adequados e atividade física regular. A perda de peso, quando necessário, pode ter um impacto significativo na gestão do diabetes.

Atividade física regular

Inclua exercícios físicos em sua rotina diária. A atividade física ajuda a controlar os níveis de glicose, melhora a sensibilidade à insulina e promove a saúde cardiovascular.

Monitoramento regular da glicose

Faça o monitoramento regular dos níveis de glicose no sangue. Isso permite ajustes nas medicações e nas escolhas alimentares conforme necessário.

Medicação adequada

Tome os medicamentos prescritos conforme as orientações do médico. É crucial seguir o plano de tratamento para manter os níveis de glicose sob controle.

Acompanhamento médico

Agende consultas regulares com seu médico endocrinologista, para monitorar seu estado de saúde e ajustar o tratamento conforme necessário.

Ao adotar esses cuidados, de maneira consistente, muitas pessoas com diabetes conseguem levar vidas ativas, produtivas e gratificantes. 

——————————

Parte dos cuidados regulares importantes no bom controle do diabetes e suas consequências é a realização de exames de imagem.

Assim, se você está em Brasília ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Diabetes e risco cardiovascular: qual a relação?

É provável que você já saiba o que é o diabetes e os muitos riscos que ele oferece para todo o corpo, desde problemas nos rins, perda da visão e até – em casos graves – amputação de membros.

Além de todos esses riscos sérios, uma área especialmente sensível aos efeitos do diabetes é a saúde cardiovascular, ou seja, do coração e seus vasos.

 A seguir você vai conhecer a relação entre o diabetes e o aumento do risco cardiovascular. Acompanhe!

A relação entre diabetes e risco cardiovascular

A relação entre diabetes e o aumento do risco cardiovascular é bem estabelecida e multifacetada. Pessoas com diabetes têm um risco significativamente maior de desenvolver doenças cardiovasculares, em comparação com aquelas sem a condição. 

Várias razões contribuem para essa associação:

Resistência à insulina e inflamação

A resistência à insulina, comum no diabetes tipo 2, está ligada à inflamação crônica no organismo. A inflamação pode desencadear danos às paredes dos vasos sanguíneos, facilitando a formação de placas ateroscleróticas.

Aterosclerose acelerada

Pessoas com diabetes frequentemente experimentam uma aceleração do processo de aterosclerose, no qual placas de gordura, colesterol e outros elementos se acumulam nas artérias, estreitando-as e prejudicando o fluxo sanguíneo.

Níveis elevados de glicose no sangue

Níveis persistentemente elevados de glicose no sangue (hiperglicemia) podem causar danos aos vasos sanguíneos, levando à aterosclerose e aumentando o risco de eventos cardiovasculares.

Disfunção endotelial

O diabetes pode levar à disfunção endotelial, que é a incapacidade dos vasos sanguíneos de dilatarem adequadamente. Isso contribui para a rigidez das artérias e aumenta a pressão arterial.

Aumento dos níveis de triglicerídeos e redução do HDL

O diabetes muitas vezes está associado a níveis elevados de triglicerídeos e redução dos níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL), o “bom” colesterol, fatores que contribuem para a aterosclerose.

Risco de microangiopatia

Além das grandes artérias, o diabetes também aumenta o risco de microangiopatia, afetando os vasos sanguíneos menores, o que pode levar a complicações como retinopatia e nefropatia.

Fatores de risco agregados

Pessoas com diabetes frequentemente apresentam outros fatores de risco cardiovascular, como hipertensão arterial, obesidade e perfil lipídico desfavorável, o que amplifica o risco global.

Comprometimento do sistema nervoso autônomo

O diabetes pode afetar o sistema nervoso autônomo, resultando em desregulação da frequência cardíaca e da pressão arterial, aumentando o risco de eventos cardiovasculares.

Eventos cardiovasculares silenciosos

Indivíduos com diabetes têm uma maior probabilidade de experimentar eventos cardiovasculares “silenciosos”, como infarto do miocárdio assintomático, o que dificulta a identificação precoce.

É essencial que pessoas com diabetes adotem um estilo de vida saudável, monitorem regularmente seus níveis de glicose, pressão arterial e colesterol, e recebam cuidados médicos regulares para gerenciar eficazmente os fatores de risco cardiovascular e prevenir complicações.

Como endocrinologistas tratam obesidade?

Osteopenia: O que é, Causas, Diagnóstico e Tratamentos

O que é cardiopatia diabética?

A cardiopatia diabética refere-se às complicações cardiovasculares que podem surgir em decorrência do diabetes, como vimos anteriormente. Ou seja, trata-se dos problemas relacionados ao coração que surgiram por causa do diabetes

Problemas cardiovasculares são uma das principais complicações crônicas associadas ao diabetes, o que é ainda mais preocupante devido aos números alarmantes dessa condição. 

Para se ter uma ideia, confira os dados abaixo, colhidos junto ao Ministério da Saúde:

✅ Em todo o mundo, estima-se que haja 425 milhões de diabéticos.

✅ Um em cada 11 adultos tem diabetes.

✅ Estima-se que o número de pessoas com diabetes subirá para 552 milhões em 2030, e é provável que atinja 629 milhões em 2045.

>>> Veja também – O que é pré-diabetes? Como prevenir?

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Afinal, como se proteger?

Proteger-se dos riscos associados à cardiopatia diabética envolve a adoção de um estilo de vida saudável e a gestão eficaz do diabetes. Aqui estão algumas medidas que podem ajudar a reduzir os riscos cardiovasculares em pessoas com diabetes:

Controle glicêmico adequado: Mantenha os níveis de glicose no sangue dentro da faixa alvo, conforme orientado pelo seu profissional de saúde. Isso ajuda a prevenir danos aos vasos sanguíneos.

Monitoramento regular da pressão arterial: Faça o monitoramento regular da pressão arterial. Manter a pressão arterial dentro dos limites saudáveis é fundamental para reduzir o risco de complicações cardiovasculares.

Manutenção de um peso saudável: Mantenha um peso corporal saudável por meio de uma dieta equilibrada e atividade física regular. O excesso de peso está associado a um aumento no risco cardiovascular.

Dieta saudável para o coração: Adote uma dieta rica em frutas, vegetais, grãos integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis. Limite a ingestão de gorduras saturadas, colesterol e sódio.

Atividade física regular: Incorporar atividades físicas regulares ao seu cotidiano é crucial. O exercício ajuda a controlar o peso, reduzir a pressão arterial e melhorar a sensibilidade à insulina.

Gestão do estresse: Práticas de gestão do estresse, como meditação, ioga e técnicas de relaxamento, podem ser benéficas para o coração e contribuir para um estilo de vida mais saudável.

Não fumar: Se você fuma, considere parar. O tabagismo é um fator de risco significativo para doenças cardíacas, e parar de fumar traz benefícios imediatos à saúde.

Controle do colesterol: Mantenha os níveis de colesterol dentro das metas recomendadas. Isso envolve escolhas alimentares saudáveis e, se necessário, medicamentos prescritos pelo médico.

Exames de rotina: Faça exames de rotina, incluindo check-ups cardíacos regulares, para monitorar a saúde cardiovascular e identificar precocemente quaisquer problemas.

Adesão aos medicamentos: Tome os medicamentos prescritos pelo médico conforme orientado, incluindo medicamentos para controle do diabetes, pressão arterial e colesterol.

Educação contínua: Mantenha-se informado sobre o diabetes e suas complicações. A educação contínua ajuda na tomada de decisões informadas sobre o autocuidado.

>>>> Veja também: Gordura no fígado: sintomas, causas e como eliminar?

Ao adotar essas medidas, as pessoas com diabetes podem reduzir significativamente os riscos cardiovasculares associados e melhorar a qualidade de vida. 

É fundamental trabalhar em parceria com profissionais de saúde – como cardiologistas e endocrinologistas – para desenvolver um plano de gestão personalizado, levando em consideração as necessidades individuais e os fatores de risco específicos.

————————————–

Se você está em Brasília e tem exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Artrite reumatoide: causas, sintomas e tratamentos modernos!

A artrite reumatoide é uma condição que afeta quase 2 milhões de pessoas só no Brasil e causa danos e incômodos de vários tipos, com grande impacto na qualidade de vida.

Apesar disso, pesquisas mostram que menos da metade das pessoas afetadas procuram ajuda médica e apenas 4% acabam se consultando com um(a) reumatologista – especialista que trata dessa condição.

Por toda essa importância, neste conteúdo vamos mostrar o que é a artrite reumatoide, quais as possíveis causas, seus sintomas e os tratamentos mais modernos.

Afinal, o que é artrite reumatoide?

Para entender o que é artrite reumatoide (AR), antes é importante saber o que são doenças autoimunes. 

Trata-se de um grupo de condições de saúde em que o sistema imunológico da pessoa afetada – que tem a função de proteger o organismo contra invasores, como bactérias e vírus – passa a atacar as próprias células e tecidos do corpo.

🚨 Em outras palavras, o sistema imunológico perde a capacidade de diferenciar entre o que é perigoso para o corpo e o que são as próprias células e tecidos do organismo, e começa a atacá-los como se fossem invasores.

Essa resposta imunológica anormal pode levar a inflamação crônica e a danos nos órgãos e tecidos afetados, em praticamente qualquer parte do corpo, incluindo as articulações, como no caso da artrite reumatoide.

Nessa condição, o sistema imunológico ataca as próprias articulações da pessoa, levando a inflamação crônica, danos articulares e, em casos avançados, pode causar deformidades. A artrite reumatoide é uma das formas mais comuns de artrite e pode afetar qualquer articulação do corpo. 

Evolução da artrite reumatoide nas articulações

Trata-se de uma condição sem cura e que evolui com períodos alternados, em que a doença entra em atividade e outros de remissão. A doença pode ter impactos significativos na qualidade de vida e na função das articulações afetadas.

Quais as causas da artrite reumatoide?

A causa exata da artrite reumatoide ainda não é completamente compreendida, mas acredita-se que seja resultado de uma combinação de fatores genéticos, ambientais e imunológicos. Aqui estão algumas das possíveis causas:

Fatores genéticos

A predisposição genética desempenha um papel importante no desenvolvimento da artrite reumatoide. Pessoas com parentes de primeiro grau com essa condição têm um risco maior de desenvolver a doença. Vários genes estão associados ao risco dessa doença autoimune.

Fatores ambientais

Certos fatores ambientais, como infecções virais e bacterianas, exposição a toxinas e hábitos de vida, podem desencadear ou contribuir para o desenvolvimento da artrite reumatoide em pessoas geneticamente suscetíveis. No entanto, nenhum agente específico foi identificado como a causa definitiva.

Inflamação crônica das articulações

A inflamação crônica nas articulações é uma característica central da artrite reumatoide. A inflamação resulta da ativação do sistema imunológico, que leva à liberação de citocinas pró-inflamatórias, como o fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa).

Fatores hormonais

Mulheres têm uma taxa de incidência mais alta de AR do que homens, o que sugere que hormônios sexuais podem desempenhar um papel no desenvolvimento da doença. Mudanças nos níveis hormonais, como durante a gravidez e a menopausa, podem afetar os sintomas dessa condição.

Tabagismo

O tabagismo é um fator de risco significativo para o desenvolvimento da artrite reumatoide, especialmente em pessoas com predisposição genética.

É importante ressaltar que a artrite reumatoide é uma doença complexa e multifatorial, e várias combinações de fatores podem contribuir para o seu desenvolvimento, não havendo uma única causa conhecida. 

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Quais os sintomas? Como identificar?

A artrite reumatoide é um quadro complexo, que pode provocar diversos sintomas e impactos na pessoa afetada, sendo os principais:

Dor articular

A dor nas articulações é um dos sintomas mais característicos da artrite reumatoide. Geralmente, é uma dor profunda e persistente que afeta principalmente as articulações das mãos, punhos, pés e joelhos. A dor é frequentemente simétrica, afetando as mesmas articulações dos dois lados do corpo.

Inchaço articular

A inflamação crônica nas articulações leva ao inchaço, que pode tornar as articulações quentes e sensíveis ao toque.

Rigidez matinal

Muitas pessoas com artrite reumatoide experimentam rigidez nas articulações pela manhã ou após períodos de repouso prolongado. Isso pode tornar difícil mover as articulações e pode durar várias horas.

Fadiga

A artrite reumatoide frequentemente causa fadiga extrema, que pode ser debilitante e não está diretamente relacionada ao nível de atividade física.

Perda de função articular

Com o tempo, a artrite reumatoide pode causar danos às articulações, resultando em perda de mobilidade e função. Isso pode levar à dificuldade em realizar tarefas cotidianas.

Deformidades articulares

Em casos graves e não tratados, a artrite reumatoide pode causar deformidades nas articulações, como desvios ou subluxações dos dedos.

Sintomas sistêmicos

Além dos sintomas nas articulações, essa doença autoimune pode afetar todo o corpo. Isso inclui febre baixa, perda de apetite e perda de peso inexplicada.

Comprometimento de outros órgãos

Em alguns casos, a artrite reumatoide pode afetar órgãos internos, como o coração, os pulmões, a pele e os olhos.

Sintomas extra-articulares

Algumas pessoas com artrite reumatoide desenvolvem sintomas que afetam sistemas ou órgãos fora das articulações, como a síndrome de Sjögren (que afeta as glândulas salivares e lacrimais), vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) e problemas pulmonares.

Impacto na qualidade de vida

A artrite reumatoide pode ter um impacto significativo na qualidade de vida, limitando a capacidade de uma pessoa de realizar tarefas cotidianas e atividades de lazer.

É importante observar que a artrite reumatoide é uma doença progressiva, o que significa que os sintomas podem piorar com o tempo, a menos que sejam controlados por meio de tratamento médico adequado. 

O diagnóstico da artrite reumatoide pode ser feito com exames laboratoriais, para pesquisa do Fator Reumatoide, anticorpos contra peptídeo citrulinado ( PCC) , proteína C Reativa e VHS . 

Dentre os exames de imagem temos as radiografias, ultrassonografia com Doppler e Ressonância Magnética. 

Tratamentos modernos para artrite reumatoide?

O tratamento da AR envolve uma abordagem multifacetada com o objetivo de aliviar a dor, reduzir a inflamação, preservar a função articular e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. 

Os tratamentos para esse tipo de artrite podem variar dependendo da gravidade da doença e das necessidades individuais do paciente. Aqui estão algumas das opções de tratamento comuns para a artrite reumatoide:

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs): Os AINEs podem ajudar a aliviar a dor e a inflamação nas articulações.

Medicamentos modificadores da doença (DMARDs): Os DMARDs são medicamentos que atuam para reduzir a inflamação e retardar a progressão da AR.

Agentes biológicos: Os agentes biológicos são medicamentos que visam componentes específicos do sistema imunológico, como o fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa) ou interleucina-6.

Corticosteroides: Os corticosteroides são usados para reduzir rapidamente a inflamação em casos de surto agudo de AR. Eles são frequentemente prescritos a curto prazo.

Terapia de combinação: Em alguns casos, o médico pode prescrever uma combinação de DMARDs para melhorar a eficácia do tratamento.

Terapia física e ocupacional: A terapia física pode ajudar a melhorar a força e a mobilidade, enquanto a terapia ocupacional pode ensinar técnicas para facilitar a realização de atividades diárias.

Estilo de vida saudável: Manter um peso saudável, fazer exercícios regulares e uma dieta equilibrada podem ajudar a reduzir a carga nas articulações.

Repouso e proteção das articulações: Em casos de surto agudo, o repouso e o uso de dispositivos de apoio, como talas e órteses, podem ser necessários para proteger as articulações.

✅ Cirurgia: Em casos graves e quando outras opções de tratamento não são eficazes, a cirurgia para reparar ou substituir articulações danificadas, como uma artroplastia de quadril ou joelho, pode ser considerada.

Tratamento psicológico e de apoio: A artrite reumatoide pode ter um impacto significativo na saúde mental. O aconselhamento e o apoio psicológico podem ajudar os pacientes a lidar com o estresse e a ansiedade associados à doença.

O tratamento da AR é altamente individualizado e deve ser supervisionado por um reumatologista ou outro profissional de saúde especializado. É importante que os pacientes com AR sigam rigorosamente o plano de tratamento e trabalhem em estreita colaboração com sua equipe médica para controlar a doença e melhorar a qualidade de vida. 

A detecção precoce e o tratamento adequado são fundamentais para reduzir danos articulares e complicações a longo prazo.

————————————–

Se você está em Brasília e tem exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Tumor na hipófise: sintomas, diagnóstico e opções de tratamento

A hipófise é considerada a “glândula mestra” por regular o funcionamento de inúmeras funções do nosso corpo, desde a produção de hormônios, passando pelo crescimento e desenvolvimento.

Como qualquer outra área do nosso corpo, a hipófise também pode desenvolver tumores, o que pode causar inúmeras alterações, devido à importância desse glândula.

Neste conteúdo você vai saber mais sobre o tumor de hipófise, seus sinais e sintomas, além de conhecer como é feito o diagnóstico e tratamento!

.

Afinal, o que é a hipófise e quais as suas funções

A hipófise, também conhecida como glândula pituitária, é uma pequena glândula localizada na base do cérebro, logo abaixo do hipotálamo. Ela desempenha um papel fundamental no sistema endócrino e possui várias funções essenciais para o corpo humano. 

A hipófise é frequentemente considerada a “glândula mestra” porque regula a atividade de muitas outras glândulas endócrinas no organismo. Suas principais funções incluem:

Regulação da produção hormonal – A hipófise secreta diversos hormônios, que controlam outras glândulas endócrinas. Esses hormônios estimulam ou inibem a produção de hormônios em glândulas como a tireoide, as glândulas suprarrenais, os ovários e os testículos.

✅ Controle do crescimento e desenvolvimento – Essa glândula também é responsável por secretar o hormônio do crescimento (GH), que regula o crescimento do corpo e o desenvolvimento dos tecidos.

✅ Regulação do metabolismo – Ela também influencia a função da tireoide, estimulando a produção de hormônios tireoidianos que regulam o metabolismo.

✅ Controle da reprodução – a pituitária regula a reprodução ao liberar hormônios que afetam os órgãos reprodutores, influenciando a função dos ovários e dos testículos.

✅ Regulação do estresse – Outra de suas importantes funções é secretar o hormônio antidiurético (ADH) e a ocitocina, que desempenham papéis na regulação da pressão sanguínea, do equilíbrio de líquidos e da resposta ao estresse.

✅ Regulação do ciclo circadiano – Além de tudo isso, a hipófise é responsável pela regulação do ritmo circadiano do corpo, influenciando a liberação de hormônios em momentos específicos do dia.

A hipófise é uma glândula crucial para o equilíbrio do nosso organismo, já que ajuda a manter o equilíbrio hormonal e desempenha um papel vital na regulação de muitos processos fisiológicos. Qualquer disfunção na hipófise pode ter impacto significativo na saúde e no bem-estar geral do indivíduo.

.

Tumor na hipófise: sinais e sintomas

Por toda a importância que vimos anteriormente, um tumor na hipófise pode causar uma variedade de sinais e sintomas, que podem depender do tamanho, localização e tipo do tumor. Felizmente, na maioria dos casos, tratam-se de tumores benignos, ou seja, que não se espalham para outras regiões, como ocorre nos casos de câncer.

.

🚨 Apesar disso, alterações nessa glândula costumam trazer grandes prejuízos para o paciente.

.

Os tumores hipofisários podem ser divididos em dois tipos principais:

Tumores funcionais

Os tumores funcionais de hipófise são aqueles capazes de produzir hormônios e, por isso, podem provocar diferentes sintomas, a depender do tipo de hormônio em excesso, como:

✅ Prolactinomas: os tumores desse tipo que produzem excesso do hormônio prolactina e podem causar amenorreia (falta de menstruação), galactorreia (produção de leite nas mamas), disfunção erétil e diminuição da libido.

✅ Acromegalia: esse tipo de tumor secreta hormônio do crescimento em excesso podem levar ao crescimento excessivo de tecidos, como aumento das mãos, pés e mandíbula, alterações na voz, dor nas articulações e outros sintomas.

.

Tumores não funcionais

Já os tumores de hipófise, do tipo “não funcional” são aqueles que não produzem hormônios, mas que ainda assim podem gerar impactos, como:

✅ Compressão de tecidos vizinhos: podem crescer e comprimir estruturas adjacentes, como o hipotálamo, nervos ópticos e seios cavernosos e causar sintomas como dor de cabeça, perda da visão periférica, alterações no apetite e na temperatura corporal, e distúrbios hormonais.

✅ Dor de cabeça: a dor de cabeça é um sintoma comum de tumores na hipófise, devido à pressão que exercem nas áreas circundantes do cérebro.

✅ Distúrbios visuais: Quando o tumor comprime os nervos ópticos, pode resultar em perda da visão periférica ou visão dupla.

✅ Alterações hormonais: Além dos tumores funcionais, os tumores não funcionais também podem afetar a produção normal de hormônios produzidos pela hipófise e levar a sintomas como fadiga, fraqueza, intolerância ao estresse e alterações do ciclo menstrual nas mulheres.

✅ Problemas de coagulação: alguns tumores hipofisários podem afetar a produção de fatores de coagulação, resultando em tendência a hematomas ou sangramento excessivo.

.

É importante observar que, muitas vezes, os tumores hipofisários são pequenos e benignos, e alguns podem ser assintomáticos por longos períodos. No entanto, quando os sintomas se manifestam, é importante procurar atendimento médico o quanto antes, para um diagnóstico adequado e considerar opções de tratamento.

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de um tumor na hipófise geralmente envolve uma combinação de avaliação clínica, exames de imagem e exames laboratoriais. Cada caso vai receber uma abordagem específica, mas aqui estão as etapas típicas envolvidas no diagnóstico de um tumor na hipófise:

.

Avaliação clínica

O primeiro passo é uma avaliação clínica por um(a) médico(a). O paciente discutirá seus sintomas, histórico médico, histórico familiar e qualquer fator de risco relevante. Em geral, os profissionais que conduzem esse tipo de investigação são endocrinologistas e neurologistas.

.

Exames neurológicos

Esse(a) profissional pode realizar exames neurológicos para avaliar qualquer comprometimento neurológico, como alterações na visão, reflexos e coordenação motora.

.

Exames de imagem

Por se tratar de uma alteração em uma glândula que fica no interior do crânio, é necessária a realização de exames de imagem para investigar, como:

✅ Ressonância magnética: o exame de imagem mais comum para avaliar a hipófise e detectar tumores. Ela fornece imagens detalhadas da glândula hipofisária e sua vizinhança, permitindo a identificação do tamanho, localização e características do tumor.

✅ Tomografia computadorizada: também pode ser usada para avaliar tumores na hipófise, embora a ressonância seja geralmente preferida devido à sua capacidade de fornecer imagens mais detalhadas.

.

Exames laboratoriais

Dependendo dos sintomas e dos resultados dos exames de imagem, o médico pode solicitar exames de sangue para medir os níveis hormonais no corpo. Isso é particularmente importante se houver suspeita de um tumor funcional da hipófise, que produza hormônios em excesso.

.

Avaliação endocrinológica

Para tumores funcionais, um endocrinologista pode ser envolvido para avaliar as alterações hormonais e determinar qual hormônio está sendo produzido em excesso.

.

Biópsia (em casos raros)

Em situações muito raras, quando não é possível determinar com segurança o tipo de tumor com base nos exames de imagem e nos exames hormonais, uma biópsia da hipófise pode ser realizada para coletar uma amostra de tecido para análise patológica. No entanto, isso é incomum e geralmente evitado sempre que possível, devido aos riscos associados à biópsia da hipófise.

.

Consultas especializadas

Dependendo dos resultados dos exames e da suspeita diagnóstica, os pacientes podem ser encaminhados para neurocirurgiões, endocrinologistas ou outros especialistas em tumores hipofisários para discussão sobre opções de tratamento.

É importante destacar que o diagnóstico de tumores na hipófise deve ser realizado por profissionais de saúde especializados, uma vez que o tratamento e o acompanhamento dependem do tipo, tamanho e características do tumor. 

.

Quais as opções de tratamento?

As opções de tratamento para tumores na hipófise variam dependendo do tipo de tumor, seu tamanho, localização e se ele é funcional ou não funcional. Abaixo, seguem algumas das opções de tratamento comuns:

.

Observação ativa

Para tumores pequenos, não funcionais e assintomáticos, o(a) médico(a) pode recomendar a observação ativa, o que significa monitorar o tumor ao longo do tempo, por meio de exames de imagem regulares, como a ressonância magnética. Se o tumor não estiver crescendo e não estiver causando sintomas, o tratamento pode não ser necessário.

.

Cirurgia

A cirurgia é frequentemente a opção de tratamento preferida para tumores na hipófise, especialmente se o tumor for grande, funcionar de maneira anormal ou causar sintomas significativos. Existem duas abordagens cirúrgicas principais:

✅ Cirurgia transesfenoidal endoscópica: nesse procedimento, o cirurgião acessa a hipófise através do nariz ou da boca, usando um endoscópio. Isso é menos invasivo e muitas vezes resulta em uma recuperação mais rápida do que a cirurgia tradicional.

✅ Cirurgia por craniotomia: em casos mais complexos, uma craniotomia pode ser realizada para acessar o tumor. Isso envolve a remoção de parte do crânio para acessar a hipófise.

.

Radioterapia

A radioterapia é uma opção de tratamento usada quando a cirurgia não é possível, quando o tumor não foi totalmente removido pela cirurgia ou quando o tumor reaparece após o tratamento cirúrgico. Existem várias técnicas de radioterapia, incluindo radioterapia convencional, radiocirurgia estereotáxica e radioterapia de prótons.

.

Medicação 

Para tumores funcionais, o tratamento médico pode ser uma opção. Isso pode incluir medicamentos que inibem a produção hormonal em excesso ou que aliviam os sintomas relacionados aos hormônios em excesso. Por exemplo, para prolactinomas, os agonistas de dopamina como a bromocriptina e a cabergolina podem ser prescritos.

.

Terapia combinada

Em alguns casos, a combinação de cirurgia, radioterapia e medicação pode ser necessária, dependendo da complexidade do tumor e dos sintomas associados.

O tratamento ideal para um tumor na hipófise depende de vários fatores, e a decisão deve ser tomada em consulta com uma equipe médica especializada que inclui neurocirurgiões, endocrinologistas e oncologistas, conforme necessário. 

É importante ressaltar que muitos tumores hipofisários são benignos e altamente tratáveis, especialmente quando diagnosticados precocemente.

Por isso, aos primeiros sinais, não deixe de buscar uma avaliação médica e, se for o caso, realizar seus exames o quanto antes. Isso pode (e vai) fazer toda diferença.

————————————–

Se você está em Brasília e tem exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver

Principais exames do coração e para que servem

 

Nós já falamos por aqui no blog da Clínica Viver sobre os principais exames de coração, especificando como funciona cada um deles.

E hoje você verá não só os exames mais usuais na hora de checar a saúde do coração, mas sim quais os objetivos de cada um deles, com o apontamento dos casos em que cada um é indicado.

Boa leitura!

Principais exames do coração e para que servem

Confira uma lista com os principais exames de coração e quais são as doenças, ou problemas cardíacos, que podem ser descobertos através de cada um deles.

1. Exames laboratoriais

Os exames laboratoriais são aqueles feitos a partir da análise bioquímica de amostras corporais, como sangue, urina e fezes; a partir do que poderão ser identificados diversos fatores que impactam a nossa saúde como um todo, especialmente o sistema cardiovascular.

Por meio dos exames laboratoriais é possível diagnosticar e monitorar, por exemplo, como andam, por exemplo:

  • as taxas de gordura no sangue, com a avaliação do colesterol total e suas frações (HDL e LDL) e triglicerídeos. 
  • a quantidade de açúcar no sangue, para prevenção do diabetes, com a medição da glicemia.

Veja também

Dor no peito é sempre sinal de problemas cardíacos?

Pré-diabetes: Sintomas e Como Prevenir

2. Raio X de tórax

Partindo para os exames de imagem, temos o raio X de tórax, que é importante para avaliar diversas estruturas do tórax, inclusive o coração.

Ele é indicado para avaliar o tamanho e o formato do coração, o que é importante para investigar, por exemplo, quadros de insuficiência cardíaca.

Outra função desse exame é investigar a possibilidade de deposição de cálcio na artéria aorta.

3. Eletrocardiograma

O eletrocardiograma é um dos principais exames do coração por conta da sua capacidade de investigar alterações elétricas, que se reflitam no ritmo e na frequência dos batimentos. 

Por meio dele, é possível diagnosticar problemas como arritmias ou infarto.

4. MAPA

O exame de MAPA (monitorização ambulatorial da pressão arterial) é outro exame fundamental para avaliação da saúde cardiovascular, neste caso a avaliação da pressão alta ao longo de 24 horas.

O exame é útil para confirmar alterações pressóricas com mais segurança, ao longo da rotina diária do paciente, já que monitora a pressão inclusive durante o sono.

5. Holter

O Holter também é um exame de longa duração, porém, ele não avalia a pressão arterial, mas sim o ritmo e a frequência do coração.

Sendo similar ao eletrocardiograma, o exame também ajuda a diagnosticar alterações nos batimentos cardíacos, porém de forma mais prolongada (24 horas), visando captar possíveis alterações que não seriam percebidas numa avaliação rápida em consultório.

O exame de Holter é útil para acompanhar paciente em uso de marcapasso cardíaco, monitorar a resposta de medicamentos, entre outras utilidades.

6. Ecocardiograma

Sendo basicamente um ultrassom do coração, o ecocardiograma é solicitado por cardiologistas que desejam verificar as condições do funcionamento do órgão.

A partir dele pode-se diagnosticar, por exemplo, insuficiência e sopros cardíacos, alterações nas câmaras do coração e nos  vasos, além de tumores no coração.

Veja também

Como saber se é hora de procurar um cardiologista?

Ataque cardíaco: sinais e como evitar?

7. Teste ergométrico

Conhecido também como teste do esforço, esse exame tem a função de analisar as respostas do coração diante de um esforço físico controlado e gradual.

Esse exame é útil para determinar a capacidade cardiovascular do(a) paciente para a prática de atividades físicas, estabelecer risco cirúrgico, investigar suspeitas cardíacas, entre outras.

8. Ecodoppler de carótidas e vertebrais 

Este exame é um ultrassom das artérias que saem do coração e passam pelo pescoço em direção ao cérebro,  levando o sangue oxigenado à este; as artérias carótidas e vertebrais. 

Através desse ultrassom podemos avaliar se há placas de gordura nestas artérias, qual o grau de obstrução,  se existem estreitamentos ou dilatações (aneurismas) , e assim determinar o tratamento, que pode ser medicamentoso ou cirúrgico. 

Além disso, é  possível medir a espessura da parede da artéria carótida , e determinar se o paciente tem aumento do risco cardiovascular,  devendo fazer mudanças no estilo de vida e uso de estatinas.

Onde realizar seus exames do coração em Brasília?

Os exames do coração citados acima são os mais importantes para investigar, diagnosticar e acompanhar a saúde do seu coração e fazem parte do chamado check-up cardiológico, que devem ser feitos de forma regular, especialmente para pessoas a partir dos 40 anos ou que possuam fatores de risco, como histórico de doença cardíaca, hipertensos, sedentários, obesos, entre outros.

Nesse sentido, conte com a Clínica Viver para realizar seus exames de imagem!

Nosso time de profissionais, experientes e atenciosos, e nossa estrutura moderna vão garantir os diagnósticos mais precisos e seguros para você e sua família.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo e agende sua avaliação e venha se cuidar conosco!

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER

Teste ergométrico: para que serve e como é feito o exame?

O teste ergométrico é um exame fundamental para saber como anda a saúde do seu coração quando submetido a diferentes níveis de esforço físico.

Seguindo nossa série de artigos sobre os exames relacionados a detecção de problemas no coração, hoje abordaremos o teste ergométrico.

Boa leitura!

Para que serve o teste ergométrico?

Como sabemos, o teste ergométrico – ou teste de esforço – é a avaliação realizada com o paciente fazendo um determinado esforço numa esteira ergométrica, enquanto tem a pressão arterial e os batimentos cardíacos monitorados por aparelhos.

Esse exame serve para investigar problemas no sistema cardiovascular que, possivelmente, não seriam evidenciados com o paciente em repouso.

O teste ergométrico é solicitado em geral nas seguintes situações:

  • Avaliação pré-operatória – O exame é capaz de indicar a capacidade cardíaca do paciente para suportar os riscos do procedimento cirúrgico, por meio da escala de MET (múltiplos de equivalente metabólico).
  • Check-up cardiológico – É muito frequente o teste ergométrico fazer parte da bateria de exames solicitados para avaliação anual da saúde cardíaca, especialmente em pacientes com mais de 40 anos.
  • Confirmação de eletrocardiograma – Quando um ECG convencional revela algum tipo de alteração – ou segundo critérios médicos – o teste de esforço pode ser solicitado para trazer um panorama mais amplo.
  • Liberação para atividades físicas – Para pacientes sedentários, com mais de 40 anos, em grupos de risco ou a critério médico, o exame se mostra importante para indicar o tipo de atividade física ou o nível de esforço seguro.

Além disso, o exame também pode ser solicitado para avaliar o funcionamento de dispositivos implantados no coração (como marca-passo) ou para checar as respostas do coração a terapias ou ao uso de medicamentos.

Saiba mais

Dor no peito é sempre sinal de problemas cardíacos?

Ataque cardíaco: sinais e como evitar?

Como é feito o teste ergométrico?

Esse exame pode ser realizado tanto em hospitais quanto em clínicas, contanto que o espaço conte com os equipamentos e os profissionais necessários para garantir a segurança do paciente, em caso de intercorrências.

Antes de começar a avaliação, são fixados eletrodos em pontos específicos do corpo do paciente, geralmente no tórax, além do aparelho para monitorar a pressão arterial, que é instalado no braço.

Conforme o protocolo determinado pelo médico, de acordo com o histórico e o condicionamento do paciente, a atividade se inicia e vai aumentando de velocidade gradativamente.

A intenção é que o paciente atinja o seu grau de esforço máximo, e assim que esse pico é alcançado o aparelho passa desacelerar até o fim da atividade.

O exame pode ser interrompido a qualquer momento, caso os aparelhos indiquem alterações relevantes, ou ainda se o próprio paciente referir sintomas ou queixas.

Vale citar que, apesar de o objetivo do exame seja testar a capacidade cardíaca máxima do paciente, trata-se de um exame bastante seguro, desde que realizado em ambiente adequadamente equipado e com o devido suporte profissional.

Como se preparar para o teste do esforço?

A preparação para o teste ergométrico envolve alguns cuidados, confira quais são eles:

  • Não utilizar cremes, pomadas e gel na região torácica antes do exame.
  • Ir para o local do exame com roupas confortáveis, próprias para atividades físicas.
  • Não fumar antes e logo após o exame.
  • Não fazer o exame em jejum e não comer alimentos de difícil digestão antes do teste.
  • Não praticar exercícios físicos antes da realização do exame.

O que o teste ergométrico detecta?

Inúmeras alterações e doenças que afetam o sistema cardiovascular podem ser detectadas durante o teste ergométrico. Entre as mais comuns, podemos destacar:  

  • Doença arterial coronariana (obstrução dos vasos que irrigam o coração).
  • Arritmias (alterações no ritmo dos batimentos cardíacos, para mais ou para menos).
  • Isquemia miocárdica (diminuição da passagem de sangue pelas artérias coronárias).
  • Hipertensão arterial.
  • Risco (ou histórico) de infarto miocárdico.

Veja também

6 sintomas que podem indicar problema no coração

Onde realizar teste ergométrico em Brasília-DF?

Neste exame você conheceu para que serve e como é feito o teste ergométrico. Esperamos que as informações trazidas aqui tenham esclarecido suas dúvidas.

Agora que você já sabe da importância desse exame, que tal conhecer o local ideal para realizá-lo.

A Clínica Viver é referência no Distrito Federal em exames de imagem, como o teste de esforço. Oferecemos aos nossos pacientes uma estrutura moderna e confortável, equipamentos de ponta e uma equipe preparada e atenciosa.

Acesse o botão abaixo, faça seu agendamento e venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

Teste ergométrico na Asa Sul, Brasília-DF

SHLS 716 Sul | Ed. Centro Clínico Sul Torre I | 3º andar | Salas 320 à 324 CEP: 70390-700

Teste ergométrico Em Taguatinga, Brasília-DF

QS 3 Lotes 3, 5 e 7 | Edifício Pátio Capital Pistão Sul | 2º andar | Salas 232 e 233 Taguatinga/DF