Exames para menopausa: um guia completo!

A menopausa e o período anterior, que a antecede (climatério), são uma fase em que diversas mudanças ocorrem no organismo da mulher. Mudanças essas que podem tanto gerar incômodos e desconfortos quanto trazer riscos (sérios) para a saúde delas.

Por isso, manter um acompanhamento adequado nesse período é algo que pode garantir mais qualidade de vida quanto proteger a mulher.

Confira abaixo os exames mais importantes de serem feitos nessa fase e por quê!

A importância dos exames na menopausa

A importância dos exames na menopausa

A realização de exames durante o climatério e após a menopausa é essencial para monitorar a saúde e detectar potenciais problemas que podem surgir durante essa fase da vida da mulher. 

Conheça, abaixo, por que tais exames são tão importantes:

Monitoramento das mudanças hormonais

Durante o climatério e a menopausa, ocorrem grandes mudanças hormonais no corpo da mulher, especialmente uma diminuição nos níveis de estrogênio. Isso pode levar a uma série de sintomas e também pode aumentar o risco de certas condições de saúde. 

Exames regulares podem ajudar a monitorar essas mudanças hormonais e auxiliar na gestão dos sintomas e na prevenção de complicações.

Rastreamento de doenças crônicas

Durante o climatério e após a menopausa, as mulheres estão em maior risco de desenvolver certas condições crônicas, diabetes tipo 2 e hipertensão arterial. Exames regulares podem ajudar a detectar essas condições em estágios iniciais, quando são mais tratáveis.

Prevenção e detecção precoce do câncer

O rastreamento regular é fundamental para a detecção precoce do câncer de mama e do câncer de colo do útero, que são duas das principais preocupações de saúde para as mulheres durante o climatério e após a menopausa. 

Avaliação da saúde óssea

Durante a menopausa, as mulheres estão em maior risco de desenvolver osteoporose, uma condição caracterizada pela perda de massa óssea e um aumento no risco de fraturas. 

Avaliação da saúde cardiovascular

As mulheres na menopausa têm um aumento do risco de doenças cardiovasculares, devido à diminuição dos níveis de estrogênio, que têm efeitos protetores sobre o sistema cardiovascular. 

A realização de exames específicos de forma regular ajudam a identificar possíveis mudanças desse tipo e a tomada de medidas mais precoces.

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Exames para menopausa: um guia completo!

Exames para menopausa: um guia completo!

Diante desses riscos, a pergunta que fica é: quais são os exames mais importantes de se fazer para garantir mais proteção e conforto à mulher nessa fase da vida? Lembrando, claro, que a decisão será sempre do(a) profissional-assistente que acompanha a mulher. Vamos a eles:

Níveis de estradiol

O estradiol é o principal hormônio feminino produzido pelos ovários. Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de estradiol diminuem significativamente. Monitorar os níveis desse hormônio pode ajudar a avaliar a função ovariana e auxiliar no diagnóstico de condições como menopausa precoce ou tardia, bem como guiar o tratamento hormonal, se necessário, para aliviar sintomas relacionados à deficiência de estrogênio.

Níveis de FSH (hormônio folículo-estimulante)

Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de estradiol diminuem, enquanto os níveis de FSH aumentam. Isso ocorre devido à diminuição da função ovariana. Medir os níveis de FSH pode ajudar a confirmar a menopausa e avaliar a reserva ovariana.

Níveis de LH (hormônio luteinizante)

Assim como o FSH, os níveis de LH também podem estar elevados durante o climatério e após a menopausa. Monitorar os níveis de LH pode ajudar a confirmar a menopausa e avaliar a função ovariana.

Progesterona

Embora os níveis de progesterona diminuam após a menopausa, devido à interrupção da ovulação, ainda pode ser relevante avaliar os níveis desse hormônio em certas situações, como no contexto de terapia hormonal ou no diagnóstico de condições como síndrome dos ovários policísticos.

Testosterona

Embora a testosterona seja geralmente considerada um hormônio masculino, as mulheres também a produzem em quantidades menores. Durante o climatério e após a menopausa, os níveis de testosterona podem diminuir, o que pode contribuir para a diminuição da libido e outros sintomas. Avaliar os níveis de testosterona pode ser importante para o manejo de sintomas relacionados à deficiência desse hormônio.

Avaliação da função tireoidiana (exames TSH e T4 livre)

Com as mudanças hormonais geradas pelo climatério e após a menopausa, as mulheres podem estar em maior risco de distúrbios da tireoide, como hipotireoidismo. Portanto, a avaliação da função tireoidiana é importante para diagnosticar e gerenciar essas condições.

Mamografia

A mamografia é o exame considerado “padrão ouro” para rastrear o câncer de mama. É importante já a partir dos 40 anos de idade porque as mulheres têm um risco aumentado de desenvolver câncer de mama a partir do climatério e menopausa. A detecção precoce aumenta significativamente as chances de tratamento bem-sucedido.

Exame de Papanicolau

Este exame é usado para detectar células anormais no colo do útero, o que pode indicar câncer cervical ou condições pré-cancerosas. É importante durante o climatério e após a menopausa para garantir que quaisquer alterações sejam detectadas precocemente e tratadas antes de se tornarem câncer invasivo.

Densitometria óssea

A densitometria óssea é um exame que mede a densidade mineral óssea e é usado para diagnosticar a osteoporose ou avaliar o risco de fraturas ósseas. É crucial principalmente após a menopausa porque as mulheres têm uma maior probabilidade de desenvolver osteoporose nessa fase devido à diminuição dos níveis de estrogênio.

Perfil lipídico, hemograma e glicemia em jejum

Esses exames são utilizados para avaliar os níveis de colesterol, glicose e outros marcadores de saúde cardiovascular. São importantes durante o climatério e após a menopausa porque as mulheres têm um aumento do risco de doenças cardiovasculares nessa fase, e esses exames ajudam a identificar fatores de risco e orientar as intervenções necessárias.

Aferição da pressão arterial

Este é um procedimento simples para medir a pressão arterial. É ainda mais importante a partir da menopausa porque as mulheres têm um aumento do risco de hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares nessa fase da vida.

————————————–

Como vimos neste guia completo de exames para a menopausa, é fundamental manter controle sobre as mudanças que ocorrem no organismo da mulher nessa fase. Isso permite garantir mais conforto, qualidade de vida e saúde para elas.

Na hora de fazer seus exames de imagem, como densitometria óssea, mamografia ou ecografias, conte com a Clínica Viver. Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Quando a PAAF é indicada?

Apesar do nome ainda pouco conhecido entre a maioria das pessoas, o procedimento conhecido como PAAF (punção aspirativa por agulha fina) é algo muito usado, quando é necessário confirmar o diagnóstico de nódulos suspeitos.

Caso você queira saber mais sobre esse importante diagnóstico, a seguir iremos explicar quando a PAAF é indicada e por que ela é tão útil.

Confira!

Entenda o que é PAFF

Entenda o que é PAFF

A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) é um procedimento amplamente utilizado na prática médica para obter amostras de tecido ou líquido de uma região específica do corpo

Essas amostras são coletadas de forma minimamente invasiva, geralmente sob orientação de métodos de imagem como ultrassom, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Como é feito o procedimento?

Durante a PAAF, uma agulha fina é cuidadosamente inserida na área alvo, sendo frequentemente guiada por um especialista treinado para garantir precisão. Uma vez posicionada, a agulha é usada para aspirar uma pequena quantidade de material da área em questão. Esse material pode incluir células, fluidos ou fragmentos de tecido, dependendo da natureza da suspeita diagnóstica.

Como é feito o procedimento?

Após a coleta, as amostras são processadas e enviadas para análise laboratorial. Lá, os técnicos e patologistas examinam as amostras sob microscópio para identificar características específicas que possam ajudar no diagnóstico de uma variedade de condições médicas. Essas condições podem incluir doenças benignas e malignas, infecções, processos inflamatórios, entre outras.

A PAAF é considerada uma técnica valiosa devido à sua relativa simplicidade, baixo risco e alta eficácia na obtenção de amostras diagnósticas. Ela oferece aos médicos uma ferramenta valiosa para ajudar a determinar a natureza de uma condição médica, permitindo assim um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

👉 Veja também – Punção aspirativa de tireoide por agulha fina 

Quando a PAAF é indicada

Quando a PAAF é indicada

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Confira abaixo os casos em que esse procedimento se mostra importante:

Investigação de nódulos e massas

Quando um paciente apresenta um nódulo ou massa palpável – que pode surgir em diferentes partes do corpo, como na tireoide, mama, linfonodos, pulmões, fígado, rins ou outros órgãos – a PAAF é frequentemente realizada para obter amostras do tecido ou líquido da área suspeita. Isso ajuda a determinar se o nódulo é benigno ou maligno.

Avaliação de lesões císticas

Em casos de lesões císticas, como cistos na mama ou nos rins, a PAAF é utilizada para aspirar o conteúdo do cisto. Isso permite distinguir entre lesões benignas e malignas e orientar o plano de tratamento adequado.

Diagnóstico de doenças inflamatórias

Em doenças inflamatórias, como sarcoidose ou doença granulomatosa, a PAAF pode ser usada para obter amostras de tecido para análise. Isso ajuda a confirmar o diagnóstico e orientar o tratamento apropriado.

Identificação de infecções

Em casos de suspeita de infecção, como abscessos ou linfadenite, a PAAF é realizada para obter amostras do fluido ou tecido infectado. Essas amostras são então analisadas para identificar o agente causador da infecção e orientar o tratamento antibiótico adequado.

Avaliação de fluidos anormais

Quando há acúmulo anormal de fluidos em cavidades do corpo, como derrames pleurais, derrames pericárdicos ou ascites, a PAAF pode ser usada para obter amostras do líquido acumulado. Isso ajuda a determinar a causa do acúmulo de fluidos.

Diagnóstico de lesões cutâneas suspeitas

Em casos de lesões cutâneas suspeitas, como tumores de pele ou lesões pigmentadas, a PAAF pode ser realizada para obter amostras do tecido para análise histológica. Isso ajuda a confirmar ou descartar o diagnóstico de câncer de pele.

Monitoramento de doenças crônicas

Em pacientes com doenças crônicas, como câncer, a PAAF pode ser usada para monitorar a eficácia do tratamento ou detectar recorrências da doença. Isso é especialmente útil em casos de tumores sólidos, onde a PAAF pode ser realizada repetidamente para obter amostras do tumor e monitorar sua resposta ao tratamento.

Estudo de lesões ósseas

Em casos de lesões ósseas suspeitas, como tumores ósseos ou lesões metastáticas, a PAAF pode ser realizada para obter amostras do tecido ósseo para análise. Isso ajuda a determinar a natureza da lesão e orientar o plano de tratamento adequado.

Investigação de lesões profundas

Em lesões profundas ou de difícil acesso para biópsia cirúrgica, a PAAF é uma alternativa menos invasiva e mais segura. Isso permite a obtenção de amostras de tecido para análise sem a necessidade de cirurgia aberta.

Determinação do tipo histológico de tumores

Em casos de tumores malignos primários ou metastáticos, a PAAF é frequentemente utilizada para obter amostras do tecido tumoral e determinar o tipo histológico do tumor. Isso é fundamental para planejar o tratamento adequado e prever o prognóstico do paciente.

Essas são algumas das muitas situações em que a PAAF é uma ferramenta valiosa para diagnóstico e tratamento médico. Sua capacidade de obter amostras de tecido ou líquido de forma minimamente invasiva torna-a uma opção preferencial em uma ampla gama de cenários clínicos.

👉 Acesse este outro conteúdo para saber como se preparar para a PAFF.

Onde fazer PAAF no DF?

Como vimos, trata-se de um procedimento extremamente importante e que faz toda diferença tanto para o diagnóstico quanto para as decisões que serão tomadas em relação ao tratamento. Por isso, a escolha do local onde fazer a PAAF é algo muito importante.

Se você (ou alguém próximo) recebeu a indicação desse procedimento, considere a Clínica Viver de Imagens Médicas a sua melhor opção. Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal e contamos com as tecnologias e os profissionais que você precisa para ter o melhor diagnóstico.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Exames de tireoide: quais os principais?

A glândula tireoide é responsável por inúmeros processos em nosso organismo, desde o metabolismo até o ritmo do nosso intestino. Por isso, problemas nessa glândula costumam impactar bastante o funcionamento do corpo.

Felizmente, hoje dispomos de inúmeros exames para ajudar a investigar e tratar problemas na tireoide, tanto laboratoriais quanto de imagem.

Se você quer saber quais os principais exames para a tireoide e por que eles são importantes, confira as informações a seguir.

Principais problemas que afetam a tireoide

Principais problemas que afetam a tireoide

Como dito acima, a tireoide regula muitas funções vitais do nosso organismo, e qualquer problema nessa glândula pode afetar várias áreas do corpo. Confira abaixo alguns dos principais problemas que podem afetar a tireoide:

Hipotireoidismo

Nesta condição, a tireoide produz quantidades insuficientes de hormônios tireoidianos. Isso pode levar a sintomas como fadiga, ganho de peso, sensibilidade ao frio, pele seca, constipação, depressão, entre outros sinais e sintomas.

Hipertireoidismo

Ao contrário do hipotireoidismo, no hipertireoidismo a tireoide produz excesso de hormônios tireoidianos. Isso pode causar sintomas como perda de peso, aumento da frequência cardíaca, nervosismo, tremores, insônia e sudorese excessiva.

Bócio

Um bócio é um aumento anormal da glândula tireoide, resultando em um inchaço visível no pescoço. Isso pode ser causado por várias condições, incluindo deficiência de iodo, hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

Nódulos tireoidianos

São crescimentos anormais na tireoide. Na maioria dos casos, esses nódulos são benignos, mas em alguns casos podem ser cancerígenos.

Câncer de tireoide

Embora relativamente raro, o câncer de tireoide é um tipo de neoplasia que se desenvolve nessa glândula e que pode ter diferentes riscos e formas de tratamentos.

Saiba mais sobre câncer de tireoide acessando este outro conteúdo.

Tireoidite

Isso refere-se à inflamação da tireoide. Existem diferentes tipos de tireoidite, como a tireoidite de Hashimoto (uma causa comum de hipotireoidismo) e a tireoidite de Graves (uma causa comum de hipertireoidismo).

Tireoidite pós-parto

Algumas mulheres desenvolvem tireoidite após o parto, o que pode resultar em sintomas temporários de hipotireoidismo, seguidos por uma fase de hipertireoidismo e, eventualmente, uma recuperação completa.

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Como saber que é preciso investigar?

Como saber que é preciso investigar?

Diante de todos esses problemas que podem surgir na tireoide, você estar se perguntando: como saber se tenho algum problema nessa glândula? Quais sinais ela dá?

Existem vários sinais e sintomas que podem indicar a necessidade de investigar a saúde da tireoide. Aqui estão alguns dos sinais mais comuns:

Mudanças de peso inexplicadas: Ganho de peso inexplicado, especialmente se acompanhado de outros sintomas como fadiga, constipação e pele seca, pode indicar hipotireoidismo. Da mesma forma, perda de peso sem causa aparente, especialmente se acompanhada por aumento do apetite, nervosismo e tremores, pode indicar hipertireoidismo.

Mudanças de humor: Distúrbios da tireoide podem afetar o equilíbrio dos hormônios que regulam o humor, levando a sintomas como depressão, ansiedade, irritabilidade e alterações de humor.

Fadiga persistente: Sentir-se constantemente cansado, mesmo após descanso adequado, pode ser um sintoma.

Mudanças na frequência cardíaca: Batimentos cardíacos rápidos ou irregulares merecem investigação.

Mudanças na pele e cabelo: Pele seca, cabelo fino e quebradiço, unhas frágeis e quebradiças podem ser sinais de hipotireoidismo. Já apresentar pele quente e úmida, suor excessivo e queda de cabelo podem ser sinais de hipertireoidismo.

Intolerância ao frio ou ao calor: Pessoas com hipotireoidismo podem ter dificuldade em tolerar o frio, enquanto pessoas com hipertireoidismo podem sentir calor excessivo e transpiração.

Alterações menstruais: Menstruação irregular ou dificuldade para engravidar podem ter várias causas, entre elas disfunções da tireoide.

Inchaço no pescoço: Um inchaço visível ou sensação de aperto no pescoço pode ser um sinal de um bócio ou nódulos tireoidianos.

Se você está experimentando um ou mais desses sintomas, especialmente se eles forem persistentes ou graves, é importante procurar avaliação médica. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem ajudar a gerenciar os problemas da tireoide de forma eficaz e prevenir complicações.

Principais exames para a tireoide

Para investigar problemas na tireoide, é possível solicitar uma combinação de exames para obter informações abrangentes sobre a função e a saúde dessa glândula. Aqui estão os principais exames usados para essa finalidade:

Dosagem de TSH (hormônio estimulante da tireoide)

Hormônio avaliado por meio de exame de sangue, o TSH é produzido pela glândula pituitária (no cérebro) e regula a produção de hormônios tireoidianos. 

Altos níveis de TSH podem indicar que a tireoide esteja produzindo hormônios abaixo do normal, enquanto baixos níveis de TSH geralmente indicam níveis elevados de hormônios tireoidianos.

Dosagem de T4 Livre (tiroxina livre)

O T4 livre é um dos principais hormônios produzidos pela tireoide. Níveis anormais de T4 livre podem indicar problemas de função tireoidiana, como hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Também é avaliado por meio de exame de sangue.

Dosagem de T3 Livre (triiodotironina livre)

O T3 livre – também presente no sangue – é outro hormônio produzido pela tireoide e desempenha um papel importante no metabolismo. Dosagens de T3 livre podem ajudar a confirmar diagnósticos de hipertireoidismo.

Dosagem de anticorpos antiperoxidase ( Anti TPO ) , antitireoglobulina ( Anti TG ) e de Anti receptores de TSH (TRAB ) 

A dosagem de anticorpos Anti TPO e antitireoglobulina detectam a presença de anticorpos que vão  atacar proteínas que participam da produção de hormônios tireoidianos.  A anti peroxidase e a antitireoglobulina podem estar elevadas em casos de doenças autoimunes da tireoide, como Tireoidite de Hashimoto e Doença de Graves . 

Os anticorpos antitireoglobulina também podem estar aumentados no câncer de tireoide.  

Já os anticorpos anti TRAb se ligam a receptores na tireoide onde o hormônio TSH ligaria . Eles se encontram aumentados principalmente na doença de Graves , mas também na tireoidite de Hashimoto.  

Ultrassonografia da tireoide

A ultrassonografia (ou ecografia) da tireoide é um dos mais importantes para investigar alterações nessa glândula. Exame não invasivo, rápido, eficiente e de baixo custo, ajuda a ajudar a identificar possíveis nódulos, bócio, inflamação ou outras anormalidades na tireoide. É um exame essencial na determinação de características suspeitas nos nódulos para orientar uma punção aspirativa por agulha fina .( PAAF) 

Cintilografia da tireoide

Este exame utiliza uma pequena quantidade de material radioativo para criar imagens detalhadas da glândula tireoide. Pode ser usado para avaliar a função tireoidiana e detectar nódulos ou áreas de atividade anormal.

Biópsia de tireoide

Caso os exames anteriores levantem a suspeita de problemas mais sérios na glândula, como um nódulo tireoidiano sugestivo de câncer, a confirmação costuma ser feita por meio de uma biópsia. Isso é feito com a coleta de amostras de tecido para análise laboratorial. 

O procedimento consiste na introdução de uma agulha específica na lesão ou nódulo, com auxílio de ultrassom, para sucção de amostras células e tecidos. Em seguida, o material aspirado é depositado em lâminas, para análise em laboratório de análise patológica.

————————

Se você (ou alguém próximo) está apresentando sinais ou sintomas sugestivos de problemas na tireoide, conte com a Clínica Viver de Imagens Médicas. Dispomos de exames modernos e um time de profissionais experientes e atenciosos para que você tenha o diagnóstico mais preciso e confiável.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno, clique no link abaixo para agendar seus exames conosco!

Quero agendar meus exames na Viver

Endometriose pode virar câncer?

A endometriose afeta 1 em cada 10 mulheres no Brasil. Um levantamento que analisou dados dos últimos 10 anos mostrou que, nesse período, 119.467 internações por endometriose.

Essa condição pode ser extremamente limitante e afastar as mulheres de suas atividades diárias, como estudar e trabalhar, além de causar diversas dores e incômodos.

Um dos maiores medos das mulheres, no entanto, é se a endometriose pode virar câncer; especialmente na região do útero, que é onde o problema ocorre.

Confira as informações abaixo para esclarecer essa dúvida de uma vez!

Afinal, o que é a endometriose?

A endometriose é uma condição médica em que o tecido que normalmente reveste o interior do útero, chamado endométrio, cresce fora do útero. Esse tecido pode se desenvolver em áreas como os ovários, trompas de Falópio, superfície externa do útero, intestinos ou outros órgãos pélvicos. 

A endometriose é uma condição crônica e muitas vezes dolorosa, que afeta principalmente mulheres em idade reprodutiva, embora também possa ocorrer em mulheres após a menopausa.

Os sintomas da endometriose podem variar de uma mulher para outra, e algumas mulheres podem não apresentar sintomas significativos. No entanto, os sintomas comuns incluem:

✅ Dor pélvica crônica, que pode variar de leve a intensa.

✅ Dor durante a menstruação (dismenorreia).

✅ Dor durante ou após a relação sexual.

✅ Sangramento menstrual excessivo ou irregular.

✅ Dor ao urinar ou defecar, especialmente durante o período menstrual.

✅ Fadiga crônica.

✅ Problemas de fertilidade.

Já entre os diversos riscos que estão associados à endometriose, podemos incluir:

✅ Infertilidade: A endometriose pode interferir na capacidade de concepção, embora muitas mulheres com a condição ainda possam engravidar e ter filhos.

✅ Complicações durante a gravidez: As mulheres com endometriose têm um risco ligeiramente maior de complicações durante a gravidez, como parto prematuro ou aborto espontâneo.

✅ Impacto na qualidade de vida: A dor crônica e outros sintomas da endometriose podem afetar significativamente a qualidade de vida das mulheres, interferindo nas atividades diárias, no trabalho e nos relacionamentos.

✅ Formação de cicatrizes e aderências: Em casos mais graves, a endometriose pode levar à formação de tecido cicatricial e aderências nos órgãos pélvicos, o que pode causar dor e complicações adicionais.

O acompanhamento médico regular é fundamental para gerenciar a condição e ajudar a melhorar a qualidade de vida das mulheres com endometriose.

Veja também: Fibromialgia: sintomas e tratamentos

Endometriose pode virar câncer?

Uma das principais dúvidas e preocupações de mulheres que apresentam essa condição é se a endometriose pode virar câncer.

🚨É importante esclarecer que a endometriose não é considerada uma condição pré-cancerígena. 

Embora em casos muito raros a endometriose possa estar associada a certos tipos de câncer – como o carcinoma de células claras ou o adenocarcinoma endometrioide – essas ocorrências são extremamente incomuns e representam uma pequena fração dos casos de endometriose.

A maioria das mulheres com endometriose nunca desenvolverá câncer relacionado à condição. 

A endometriose é uma doença benigna, o que significa que não é cancerosa. No entanto, é importante que as mulheres com endometriose mantenham um acompanhamento médico regular para monitorar a condição e garantir que quaisquer mudanças suspeitas ou sintomas incomuns sejam investigados adequadamente.

As mulheres com endometriose devem estar cientes dos sinais de alerta de possíveis complicações, como aumento repentino da dor, sangramento anormal ou sintomas gastrointestinais persistentes, e devem relatar esses sintomas ao seu médico imediatamente para avaliação adicional.

Em resumo, embora exista uma associação muito pequena entre a endometriose e certos tipos raros de câncer, a grande maioria das mulheres com endometriose não desenvolverá câncer relacionado à condição. 

Como tratar a endometriose? É possível prevenir?

O tratamento da endometriose pode variar dependendo da gravidade dos sintomas, dos planos reprodutivos da paciente e de outros fatores individuais. Alguns dos métodos de tratamento comuns incluem:

Medicamentos para alívio da dor

Analgésicos de venda livre ou prescritos podem ser utilizados para ajudar a aliviar a dor associada à endometriose. Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) podem ser eficazes para muitas mulheres. 

Além disso, medicamentos específicos para endometriose, como os moduladores seletivos dos receptores de progesterona ou os agonistas de GnRH, também podem ser prescritos para reduzir a dor e a inflamação.

Terapia hormonal

A terapia hormonal pode ajudar a controlar os sintomas da endometriose ao suprimir a produção de estrogênio, o que pode ajudar a reduzir o crescimento do tecido endometrial fora do útero. 

Isso pode ser alcançado através do uso de pílulas anticoncepcionais, dispositivos intrauterinos (DIUs) liberadores de progesterona, injeções de hormônios ou implantes subcutâneos.

Cirurgia

Em casos mais graves de endometriose, especialmente quando há formação de cistos ovarianos (endometriomas) ou aderências que causam sintomas significativos, a cirurgia pode ser necessária. Ela também está indicada no caso de obstrução intestinal,  infertilidade e quando a endometriose atinge o apêndice ou causa obstrução no fluxo de urina dos rins .A cirurgia laparoscópica é frequentemente realizada para remover o tecido endometrial ectópico e quaisquer aderências associadas. 

Em alguns casos, pode ser necessária uma cirurgia mais extensa, como a histerectomia (remoção do útero) ou a ooforectomia (remoção dos ovários), especialmente em mulheres que não desejam mais ter filhos.

🚨É crucial que o tratamento da endometriose seja iniciado o mais cedo possível após o diagnóstico, pois isso pode ajudar a controlar os sintomas, prevenir complicações e melhorar a qualidade de vida da paciente. A endometriose é uma condição crônica e progressiva, e a demora no tratamento pode levar ao agravamento dos sintomas e à possível progressão da doença.

É possível prevenir a endometriose?

Quanto à prevenção da endometriose, infelizmente não há uma maneira conhecida de evitar completamente o desenvolvimento da condição. No entanto, algumas estratégias que podem ajudar a reduzir o risco incluem:

Manter um peso saudável: Estudos sugerem que o excesso de peso ou obesidade pode aumentar o risco de desenvolver endometriose. Manter um peso saudável através de uma dieta equilibrada e exercícios físicos regulares pode ajudar a reduzir esse risco.

Evitar exposição a substâncias tóxicas: Alguns estudos sugerem uma possível ligação entre a exposição a certos produtos químicos ambientais, como dioxinas e poluentes orgânicos persistentes, e o desenvolvimento de endometriose. Evitar a exposição a essas substâncias tanto quanto possível pode ajudar a reduzir o risco.

Terapia hormonal: Algumas evidências sugerem que o uso prolongado de contraceptivos hormonais, como pílulas anticoncepcionais, pode reduzir o risco de desenvolver endometriose em algumas mulheres. No entanto, o uso de terapia hormonal para esse fim deve ser discutido com um médico, levando em consideração os potenciais benefícios e riscos individuais.

Em resumo, enquanto o tratamento da endometriose é crucial para controlar os sintomas e prevenir complicações, infelizmente não há uma maneira garantida de evitar completamente o desenvolvimento da condição. No entanto, adotar um estilo de vida saudável e evitar a exposição a substâncias tóxicas podem ajudar a reduzir o risco em algumas mulheres.

————————————–

Caso você esteja em Brasília ou Entorno e tenha exames de imagem solicitados, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. 

Somos referência no Distrito Federal e contamos com uma estrutura moderna, além de profissionais experientes e atenciosos para te dar o melhor atendimento.

Quero agendar meus exames na Viver