Cistos Não Funcionais – Cistos de Ovário – Parte 2

Cistos Não Funcionais – Cistos de Ovário – Parte 2
15 de março de 2019 Dra. Nubia
Avatar
Destaques, Doenças

Cistos não funcionais

Cistos não funcionais são aqueles que não têm relação com o ciclo menstrual e que não apresentam regressão espontânea.

Esta é a segunda parte dessa série sobre cistos no ovário. Clique, a fim de acessar a parte 1 – Cisto de Ovário é Perigoso?

 

Tipos de Cistos Não Funcionais

São diversos os tipos de cistos não funcionais, assim, vamos caracterizá-los:

 

  • Cisto Dermoide ou Teratoma Maduro

Primeiramente, você deve saber que Cisto Dermoide ou Teratoma Maduro são tumores benignos e muito frequentes em mulheres jovens. Este tipo de cisto não funcional pode apresentar células dos 3 folhetos embrionários, que podem conter cabelo, dente, gordura, músculos, pele e, inclusive, tecido tireoidiano.

Em 10% dos casos os cistos dermoides (ou teratomas maduros) podem ser bilaterais.

Geralmente não apresentam sintomas, a não ser se atingirem grandes dimensões, quando podem ocasionar dores abdominais e alterações urinárias e/ou digestivas.

Quando estes cistos não funcionais se tornam grandes tumores a situação piora, pois existe o risco de torção, situação em que a paciente sente dores abdominais muito intensas, e deve ser encaminhada para cirurgia de urgência.

O diagnóstico é feito, geralmente, por meio de ultrassonografia transvaginal. Este exame vai demonstrar um tumor misto, com o aspecto característico de gordura em seu interior. Em alguns casos, pode ser necessária a realização de ressonância magnética, a fim de confirmarmos o diagnóstico.

O tratamento é cirúrgico, e para as pacientes que desejam engravidar, uma maior preservação do ovário é indicada.

A cirurgia pode ser feita via laparoscopia, que é a introdução de uma cânula pelo umbigo, com uma câmera em sua extremidade e pequenas incisões na parede abdominal onde são introduzidas pinças, a fim de promover a retirada do tumor. Esse tipo de cirurgia permite uma recuperação mais rápida, além de melhor resultado estético.

 

  • Cistoadenoma seroso e mucinoso

São tumores benignos, que podem atingir grandes dimensões, principalmente os mucinosos.

Seu pico de incidência ocorre entre os 20 e 50 anos.

Os cistoadenomas serosos ou mucinosos são cistos que costuma apresentar septos (divisões) e projeções sólidas em seu interior.

Nas ecografias, estes cistos também são similarmente chamados de cistos complexos ou multiloculares.

ultrassonografia transvaginal para diagnóstico de cistos não funcionais de ovário

Os cistoadenomas mucinosos podem apresentar grande quantidade de material gelatinoso em seu interior. Quando eles se implantam na cavidade abdominal, podem causar a produção de grande quantidade de liquido no abdome.

As pacientes acometidas por estes tipos de cistos não funcionais podem permanecer sem sintomas (assintomáticas) ou apresentar dor abdominal, além de aumento do volume abdominal, irregularidade menstrual e alterações urinárias ou digestivas.

O diagnóstico é realizado por meio de ultrassonografia com dopplerfluxometria (doppler), porque avalia as características e a vascularização do tumor e a dosagem no sangue dos marcadores tumorais, como o CA 125, CA 19.9, alfafetoproteína e da gonadotrofina coriônica humana.

Os tumores benignos não apresentam marcadores tumorais positivos, em geral. Entretanto, é importante saber que várias condições benignas podem aumentar o Ca 125, como diverticulite, infecções pélvicas, endometriose, gravidez, hepatite crônica, cirrose hepática, inflamações da vesícula, etc.

O tratamento dos cistoadenomas serosos ou mucinosos é cirúrgico, com preservação máxima do ovário em mulheres que ainda não tiverem filhos.

Indica-se a remoção dos ovários quando esses cistos aparecerem após a menopausa.

 

  • Cisto endometriótico ou endometrioma

Esses tipos de cistos não funcionais ocorrem na endometriose, quando células do endométrio, o tecido que reveste o útero internamente descamam com a menstruação, desprendem-se e se implantam nos ovários, formando cistos com conteúdo espesso, hemorrágico.

Veja o artigo, com vídeo, sobre a endometriose, a fim de saber mais.

Os cistos endometrióticos são a principal causa de dor em baixo ventre, relacionada à menstruação. Essa dor  costuma piorar com o tempo, e causam dor também nas relações sexuais.

Os cistos endometrióticos são mais comuns em pacientes jovens.

Os cistos endometrióticos são apenas uma manifestação da endometriose, uma doença complexa, porque pode comprometer intestino, trato urinário, vagina, ligamentos e, ainda, causar aderências e infertilidade.

Os cistos endometrióticos são diagnosticados por meio da ultrassonografia transvaginal, onde observamos cistos com conteúdo espesso, por meio de exame laboratorial, que mostrará a dosagem do CA 125, que estará aumentada.

A laparoscopia é realizada para diagnóstico e tratamento, onde são retirados os cistos, removidos os focos de endometriose em outros órgãos e as aderências.

laparoscopia cistos não funcionais de ovário

Resumo

Assim, podemos guardar algumas dicas importantes da parte 2 desta série de artigos sobre os ovários.:

  • A grande maioria dos cistos não funcionais nas mulheres de 20 a 40 anos são benignos, já após a menopausa 30% são malignos.
  • Os tumores benignos geralmente são assintomáticos, mas podem causar dor abdominal, irregularidade menstrual, e quando maiores que 6 cm, aumenta o risco de ruptura ou torção.
  • Apenas 2% dos cistos constituídos só de liquido e sem divisões (uniloculares) são malignos, ao passo que quando apresentam parte sólida, septos grossos, e multiloculares aumenta a chance de malignidade, que vai para 43%.
  • O diagnóstico é feito com a ultrassonografia com dopplerfluxometria e dosagem de marcadores tumorais no sangue.
  • A cirurgia dos tumores benignos vai depender:

. do tamanho do tumor,
. das células presentes,
. da idade da paciente e
. se já teve filhos ou não.

Prefere saber mais sobre cistos não funcionais de ovário em vídeo? Assista o vídeo que a Dra. Nubia, da Clínica Viver preparou para você:

No próximo artigo, falaremos do câncer de ovário. Clique, a fim de acessá-lo.

 

A Clínica Viver

Nós, da Clínica Viver de Brasília, consideramos que, acima de tudo, a informação é sua melhor companheira na busca por uma vida saudável.

Estamos sempre à disposição para responder suas dúvidas, ainda que você não esteja em Brasília.

Oferecemos, igualmente, vídeos com informações importantes em nosso canal de saúde, no Youtube.

Se você está em Brasília, estamos sua disposição. Será um prazer cuidar da sua saúde.

A Clínica Viver de Imagens Médicas, em Brasília, tem os mais modernos aparelhos de ultrassonografia, mamografia digital e densitometria óssea. Igualmente, realizamos punções de tireoide e mama, além de biópsias.

Passeie por dentro da Clínica Viver navegando por fotos 360º.

Além disso, temos profissionais experientes e preparados para consultas nas especialidades de Endocrinologia, Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia, a fim de cuidar de seus exames e da sua saúde.

Ligue para a Viver. Conseguimos agendar sua consulta e/ou exame até para o mesmo dia.

 

Saiba Mais

Gostou de saber mais sobre cisto não funcional no ovário? Leia, igualmente, as partes 1 e 3 da série sobre problemas no ovário:

1 – Cisto no Ovário é Perigoso? e
3 – Câncer de Ovário.

Comente, pergunte e, acima de tudo, participe das nossas discussões a fim de aprimorarmos nossas informações.

Aguardamos e agradecemos sua participação.

Se precisar de ultrassonografias, densitometrias, mamografias, tomografia, endoscopias ou biópsias em Planaltina-DF e região, procure a Clínica Afetus.
A Clínica Afetus também oferece consultas de gastroenterologia, cirurgia geral, ortopedia, clínica médica, mastologia, ginecologia e obstetrícia, angiologia, cirurgia vascular, cardiologia, reumatologia, urologia, neurologia em Planaltina/DF.