Qual a diferença entre PAAF e core biópsia?

Quando uma lesão ou nódulo suspeito é percebido nas mamas de uma paciente, é comum que o médico recomende uma investigação mais precisa e detalhada, geralmente uma biópsia, para investigar a natureza dessas ocorrências.

Atualmente, os métodos mais modernos de coletar material do tecido mamário são: a punção aspirativa por agulha fina (PAAF) e a core biópsia (ou core biopsy). Ambas representam um grande avanço em relação ao procedimento que se utilizava tempos atrás: a biópsia cirúrgica. Hoje os exames podem ser feitos sem a retirada de uma parte da mama e sem a necessidade de uma intervenção cirúrgica mais complexa. 

Contudo, ainda que sejam voltados para o mesmo propósito – a investigação de nódulos suspeitos – é importante lembrar que se tratam de procedimentos distintos. 

Se você (ou alguém próximo) recebeu o pedido de uma punção de mama, acompanhe o artigo para entender a diferença entre PAAF e core biópsia e descobrir mais sobre cada um destes procedimentos. 

Exames de Imagem em Taguatinga-DF, agende o seu exame agora!

Qual a diferença entre PAAF e core biópsia?

A principal diferença entre os procedimentos diz respeito aos instrumentos utilizados e ao tipo de material coletado. Todavia, como já mencionamos anteriormente, ambos são utilizados para ajudar a determinar a natureza de lesões e nódulos encontrados na mama, a fim de descartar ou confirmar o diagnóstico de câncer de mama, por exemplo. 

Os nódulos que indicam a realização desses procedimentos geralmente são percebidos tanto em avaliações de rotina – com ultrassonografia das mamas ou mamografia – quanto no autoexame das mamas

Por meio da PAAF ou core biópsia, também é possível definir o estágio do câncer – caso este se confirme –, bem como mensurar seu potencial de crescimento. Todos esses detalhes serão essenciais para guiar um tratamento mais eficiente e rápido. 

Confira abaixo algumas particularidades de cada um dos procedimentos. 

Conheça os exames de biópsia da Clínica Viver!

PAAF (punção aspirativa por agulha fina)

Como o próprio nome já sugere, o procedimento de PAAF é feito a partir da coleta de células do tecido mamário com uma agulha fina, acoplada a uma seringa. 

O procedimento geralmente acontece com o auxílio de um aparelho de ultrassom, que ajudará a guiar a inserção da agulha no ponto exato da lesão. Antes disso, a paciente recebe anestesia local para que não sinta dor durante o procedimento. 

Com movimentos de vai e vem da agulha, algumas células do tecido mamário são coletadas e posteriormente dispostas em uma lâmina, que será encaminhada a um laboratório, para receber a análise histopatológica. 

O exame dura por volta de 20 minutos e não necessita de internação ou repouso total da paciente, que todavia é recomenda a suspender exercícios físicos por pelo menos 24 horas após a realização. 

Caso os nódulos sejam identificados como benignos ou preenchidos com líquido, a PAAF também poderá ser utilizada como método complementar para esvaziá-los. 

Os procedimentos de punção são o primeiro passo para a realização da biópsia de mama e esclarecer lesões suspeitas. Conheça mais sobre este exame:

Biópsia da mama: como é feita e como interpretar o resultado?

Core biópsia (ou core biopsy)

Também conhecida como punção por agulha grossa, a core biópsia é realizada por meio do uso de uma agulha acoplada a um tipo de pistola clínica. 

A realização do procedimento em si é muito similar a do método PAAF, com aplicação de anestesia local nas mamas e o auxílio do ultrassom para guiar o procedimento. 

A principal diferença, no entanto, é que na core biópsia não se coletam apenas células do tecido mamário, mas sim fragmentos de tecido mamário, o que é mais indicado a depender do tipo de nódulo que se deseja avaliar. 

O procedimento dura por volta de 20 minutos, e o material coletado também é encaminhado para análise em laboratório de patologia, onde será analisado e gerará o chamado “laudo histopatológico”, que é onde constam todas as informações percebidas, que vão guiar os próximos passos do profissional que acompanha a paciente.

Em nosso Blog você encontra um conteúdo específico sobre core biópsia, com todas as informações que você precisa:

Core biópsia: para que serve e como é feito o procedimento?

Onde fazer PAAF e core biópsia em Brasília?

O objetivo deste artigo é mostrar as semelhanças e as diferenças entre PAAF e core biópsia, além de desmistificar esses procedimentos que, apesar de serem fundamentais para a saúde da mulher, ainda causam muito receio em muitas pacientes.

Muitas pessoas já associam a ideia de fazer uma biópsia com um diagnóstico automático de câncer, o que não é verdade. Vale sempre lembrar que, na grande maioria dos casos, os resultados serão benignos, mas esse esclarecimento diagnóstico precisa ser feito. 

Ainda que se confirme um diagnóstico de câncer de mama, a detecção precoce da lesão – por meio de procedimentos como a PAAF e a core biópsia – aumenta muito as chances de tratamento e cura da paciente, com excelentes taxas de sucesso atualmente. 

Para te ajudar nesse momento importante, é essencial contar com profissionais de confiança para a realização dos seus exames.

Na Clínica Viver, oferecemos aos nossos pacientes os mais modernos recursos e equipamentos do mercado. Além disso, todos os exames são realizados por médicos. Assim, garantimos profissionalismo e segurança durante a realização de seus exames, com a entrega de resultados no menor tempo possível. 

Se você está em Brasília ou no Entorno e tem exames solicitados, venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero fazer meu agendamento!

Core biópsia: para que serve e como é feito o procedimento

A core biópsia (core biopsy) é o nome do procedimento de coleta de material das mamas,  feito por meio de agulha grossa. Juntamente com a PAAF (Punção Aspirativa por Agulha Fina), são os métodos utilizados como parte do exame de biópsia mamária, visando a análise e identificação de alterações sugestivas de câncer de mama. 

Esses procedimentos representam um grande avanço da medicina em relação à investigação de nódulos suspeitos nas mamas, já que antes era necessária uma intervenção cirúrgica para a retirada de parte considerável da mama e ser realizada uma análise. 

Se você é daquelas que tem receio do procedimento, por envolver o uso de agulha, neste artigo vamos te mostrar como ele é feito e por que é tão importante para sua saúde.

Boa leitura! 

Exames de Imagem em Taguatinga-DF, agende o seu exame agora!

Para que serve e como é feita a core biópsia

A core biópsia geralmente é recomendada quando um nódulo suspeito é detectado nas mamas da paciente, seja ele identificado por ela mesma (durante o autoexame) ou por exames de imagem das mamas, como a ultrassonografia ou a mamografia. 

No caso da PAAF (punção por agulha fina), são colhidas células do nódulo, que posteriormente serão enviadas para análise em laboratório de patologia. Já na core biopsy, é usada uma agulha mais grossa, para coleta de fragmentos maiores de nódulos suspeitos.

Confira abaixo as principais perguntas sobre o procedimento de core biópsia:

1. Como é feito o procedimento de core biópsia? 

Com a agulha grossa acoplada a um tipo de pistola médica especial, com a visão do médico sendo guiada pelas imagens da ultrassonografia mamária, a agulha é direcionada até o nódulo suspeito. A partir daí, com alguns movimentos de vai e vem, pequenas partes do tecido são recolhidas, separadas e encaminhadas ao laboratório de patologia. 

Todo o procedimento é realizado sob o uso de anestesia local, para que a paciente se sinta confortável durante todo o tempo. 

O check-up das mamas é um dos compromissos mais importante que as mulheres têm com sua própria saúde, a partir de certa idade. Saiba mais clicando no artigo:

Como é feito o check-up das mamas?

2. O que é feito com o material colhido na punção? 

Os fragmentos de tecido mamário colhidos na punção são enviados para um laboratório, onde passarão por uma análise histopatológica. Após esta etapa, é feito um laudo histopatológico com todas as informações sobre os fragmentos analisados.

Nesse laudo constarão todos os detalhes sobre a alteração detectada nas mamas: se é um nódulo benigno ou não e, em caso de confirmação de um câncer de mama, qual tipo de tumor a paciente apresenta, assim como o estágio em que se encontra.

Essas informações irão guiar os próximos passos do médico que fará o tratamento, como o tipo de terapias e medicamentos que serão usados.

Um laudo patológico de uma core biópsia dura geralmente uma semana para ser concluído, devido à complexidade dessa avaliação. 

A biópsia da mama avalia as células ou fragmentos colhidos na punção. Saiba mais sobre esse exame tão importante:

Biópsia da mama: como é feita e como interpretar o resultado?

Qual a diferença entre PAAF e core biópsia?

3. A core biópsia é dolorosa? 

Não, o procedimento em si não deve causar dor à paciente, já que é realizado mediante a administração de anestesia local. O máximo reportado pelas pacientes é um leve desconforto no momento de movimentação da agulha. 

Dores podem ocorrer no processo de recuperação. Porém, são toleráveis e podem ser amenizadas com a prescrição de analgésicos.

Quer saber mais informações sobre como é feito o procedimento aqui na Clínica Viver? Aproveite e já agende seu procedimento, caso tenha solicitação:

Saiba mais sobre a Core Biópsia da Clínica Viver! 

4. Quanto tempo dura a core biópsia? 

O procedimento é muito rápido, durando por volta de 15 minutos. Depois de tudo concluído, a paciente já pode voltar para casa, ficando atenta a: 

  • Não realizar exercícios físicos no dia do exame.
  • Evitar molhar o curativo por um período de pelo menos 24 horas ou de acordo com a recomendação do médico.
  • Qualquer sintoma não previsto, como dores mais fortes, enjoos, febre, náuseas, por exemplo. O esperado é somente um leve dolorimento local, após o efeito da anestesia. Qualquer outro sintoma, fale com seu médico. 
  • Evitar medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico, como Aspirina, por exemplo, ao menos 3 dias após o procedimento. 

O autoexame das mamas é uma prática benéfica que precisa entrar na sua rotina de cuidados com sua saúde. Neste artigo a gente te mostra por que e como fazer:

Autoexame das mamas: por que e como fazer!

5. Quais problemas a core biópsia pode detectar? 

A core biópsia é capaz de estabelecer a natureza de um nódulo; isto é, se ele é benigno ou não, bem como as características da patologia, caso se confirme presença de malignidade. 

Caso o diagnóstico seja benigno (o mais provável), talvez seu médico indique outras vias de tratamento para retirada do nódulo em questão, se ele for muito grande, ou tratar suas outras possíveis causas. 

Caso o diagnóstico do nódulo seja maligno, por meio do laudo patológico que acompanha o exame, o médico terá à sua disposição todas as informações necessárias para conduzir os próximos passos do tratamento, como o potencial de crescimento da lesão. 

Caroços nas mamas são sempre motivo de preocupação para as mulheres, mas isso não significa necessariamente um câncer de mama. Veja o que pode ser:

Estou com um caroço na mama: o que pode ser?

6. Quais os cuidados após o exame? 

Já mencionamos alguns cuidados que devem ser tomados após a realização do procedimento de core biópsia, porém, ainda há outros que devem ser observados: 

  • A utilização de um sutiã mais confortável, bem como evitar roupas apertadas na área das mamas, especialmente nos primeiros dias após o procedimento. 
  • Não retirar os curativos ou os pontos sozinha! Eles devem ser retirados apenas pela equipe indicada. 
  • Aplicar compressas de gelo nas primeiras 24 horas para reduzir um eventual inchaço ou a possibilidade de hematomas. 
  • Ficar atenta ao nível de dor que você está sentindo. É natural sentir a área dolorida por alguns dias após o procedimento, mas o esperado é que sejam sintomas leves. Caso você sinta um incômodo mais importante, procure seu médico. 

Conheça os exames de biópsia da Clínica Viver!

Core biópsia: procure a Clínica Viver!

Esperamos que, neste ponto do artigo, você já tenha obtido todas as informações que precisava para não ter mais medo do procedimento de core biópsia e realizá-lo com mais confiança, caso tenha a indicação.

Como vimos, trata-se de um procedimento não doloroso, rápido e que é capaz de fornecer um diagnóstico preciso e confiável. Além disso, sempre vale lembrar que, na grande maioria dos casos, o diagnóstico é benigno.

Para te ajudar a garantir a saúde das suas mamas, conte com a Clínica Viver! Oferecemos aos nossos pacientes os mais modernos recursos e equipamentos do mercado. Além disso, todos os exames são realizados por médicos. Assim, garantimos profissionalismo e segurança durante a realização de seus exames, com a entrega de resultados no menor tempo possível. 

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero agendar meus exames na Clínica Viver! 

Punção na mama dói? Esclareça as principais dúvidas

A punção na mama é um procedimento muito comum para investigar lesões mamárias, sendo que é por meio dele que se colhe amostras, que serão depois analisadas em laboratório, para esclarecimento diagnóstico.

A punção na mama pode ser feita pelo procedimento de core biopsy (agulha grossa) ou pela chamada punção aspirativa por agulha fina (PAAF), sendo geralmente indicada após exames como a mamografia ou a ultrassonografia das mamas terem levantado alguma suspeita. 

Em muitos casos, a punção na mama pode ser motivada por nódulos percebidos pela própria paciente, o que aumenta a importância do autoexame das mamas

Apesar de tão importante, muitas mulheres ainda têm dúvidas e receios sobre o procedimento. Para esclarecer todas essas dúvidas, acompanhe o artigo! 

Punção na mama: as principais dúvidas

Punção, agulha, biópsia: todas essas palavras podem causar receio em algumas pessoas.

Contudo, é importante ressaltar que o procedimento é feito com todo o cuidado, a fim de gerar o menor incômodo possível à paciente. Além disso, a importância que esse procedimento tem para sua saúde supera, em muito, qualquer possível incômodo que ele venha causar. 

A punção mamária – seguida da análise laboratorial – é o que irá esclarecer, de maneira definitiva, as suspeitas levantadas nos exames de imagem.

Confira abaixo as principais dúvidas relacionadas à punção na mama:

1. Como é feito o procedimento de punção na mama? 

Normalmente, a punção da mama não precisa de nenhum tipo de preparo, além da aplicação prévia de uma anestesia local, para que a paciente não sinta qualquer incômodo durante o procedimento.

A depender do objetivo da análise, pode ser usada uma agulha fina (PAAF), para que seja retirada uma pequena quantidade de tecido para análise, ou a core biopsy (agulha grossa), quando a intenção é retirar fragmentos para investigação.

Depois de coletado, esse material é enviado para a chamada análise histopatológica, que é quando as células colhidas serão avaliadas, para definição diagnóstica. Após isso é emitido um laudo com o resultado definitivo. 

Com esse laudo em mãos, o mastologista vai avaliar se a lesão é ou não benigna e definir os próximos passos em seu acompanhamento. 

Caso o laudo confirme malignidade, ele também traz importantes informações, como o tipo de câncer de mama, o estágio em que se encontra, além de guiar as estratégias e melhores abordagens para o tratamento.

Se você quer saber todos os detalhes da biópsia de mama, em nosso Blog você encontra um conteúdo específico sobre o tema:

Biópsia da mama: como é feita e como interpretar o resultado?

Qual a diferença entre PAAF e core biópsia?

2. A punção das mamas é dolorosa? 

Não. Como dissemos anteriormente, o procedimento geralmente é realizado com a aplicação de anestesia local, para que a paciente não sinta qualquer tipo de incômodo durante sua realização.

No entanto, após o procedimento é comum que algumas pacientes sintam a área um pouco dolorida por alguns dias, bem como notar a aparição de pequenos hematomas no local, devido à manipulação.

Para minimizar esse tipo de incômodo, os médicos costumam prescrever analgésicos para serem usados nos primeiros dias após o procedimento, caso a paciente sinta algum incômodo.

Mas, não se preocupe, como o acesso é feito através de agulhas, a lesão na pele é mínima e costuma estar cicatrizada já em poucos dias. 

3. Quanto tempo dura a punção das mamas? 

A realização do procedimento é bem rápida, durando em torno de 15 minutos. Com a aplicação da anestesia, pode levar um pouco mais de tempo, mas não muito mais que isso.

O que pode levar um pouco mais de tempo é a entrega dos resultados que, como dissemos anteriormente, geralmente leva até 1 semana, dependendo do local onde o exame foi feito. Isso se deve ao fato de que é feita uma análise muito criteriosa e detalhada das células colhidas na mama, já que este resultado irá pautar todo o restante do tratamento.

Quer saber como funciona a punção por agulha grossa (core biopsy)? Então não deixe de conferir este artigo do nosso blog: 

Core biopsy de mama: o que é e para que serve

4. O que o exame pode detectar? 

O principal objetivo do exame de punção mamária é classificar as lesões analisadas, como benignas ou não, a fim de definir um possível diagnóstico de câncer de mama. Caso isso se confirme, o exame também é capaz de definir o tipo de câncer e em qual estágio ele se encontra.

O exame também é importante caso o resultado seja benigno. Nesse caso, pode-se indicar que os nódulos sejam esvaziados pelo mesmo procedimento de punção ou ser feito outro tipo de tratamento.

É comum surgirem caroços nas mamas, mas isso não significa necessariamente um câncer de mama. Neste artigo do Blog, te mostramos várias outras possibilidades: 

Caroço nas mamas: conheça as 7 principais causas!

5. Quais são os cuidados após a punção da mama? 

Apesar da recuperação, após o procedimento, ser geralmente tranquilo, algumas mulheres com mais sensibilidade podem necessitar de maiores cuidados.

Nesse sentido, pode ser necessário que você utilize um sutiã especial durante os próximos dias, para maior conforto da região. Também é recomendado evitar pressões nessa área, como o uso de roupas muito apertadas ou atividades que gerem atrito ou muita movimentação do local. 

As tiras de fita  que podem ter sido feitas no local do acesso não devem ser retirados sem supervisão e acompanhamento médico, assim como as trocas de curativos. 

Ele também poderá prescrever analgésicos para um maior conforto durante a recuperação. A única contraindicação é a ingestão de medicamentos que contenham aspirina ao menos 3 dias depois do procedimento, devido ao risco de sangramento. Por isso, tome apenas se o médico te prescrever. 

A punção da mama geralmente não apresenta riscos para as pacientes. Contudo, fique atenta a sintomas como: 

  • Calafrios e febre.
  • Dores muito intensas,
  • Vermelhidão, inchaço ou sangramento. 

Esses são sinais de que algo pode não estar certo com sua recuperação e precisa ser avaliado pelo seu médico. 

Você já deve saber da importância dos check-ups. Mas sabia que existe também o check-up das mamas? Para saber mais, acesse o artigo abaixo:

Como é Feito o Check-up Das Mamas?

Punção na mama: procure a Clínica Viver!

Esperamos que, neste ponto do artigo, você tenha obtido todas as informações que precisava sobre punção na mama e esteja mais tranquila quanto a isso.

A melhor forma de encarar é pensando na importância que esse procedimento tem para garantir a sua saúde. Podemos dizer que é o tipo de avaliação que salva vidas!

Apesar de toda essa importância, vale lembrar que os cuidados com as mamas envolvem outros fatores, como a frequência às consultas de rotina e a realização dos exames solicitados. 

Por isso, mesmo que você não tenha notado nada estranho em seu autoexame das mamas, ainda assim são importantes as visitas regulares ao ginecologista. 

Aqui, na Clínica Viver, oferecemos as melhores tecnologias em exames de imagem, para que você tenha sempre o diagnóstico mais preciso e seguro. Além disso, nosso time de profissionais experientes e atenciosos estão preparados para te oferecer todo o cuidado e acolhimento necessários.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero agendar meus exames na Clínica Viver! 

Caroço nas mamas: as 7 principais causas!

A primeira preocupação de toda mulher, ao encontrar um caroço nas mamas, é o risco de ser um câncer de mama. 

Contudo, apesar disso poder estar associado a alguma neoplasia nas mamas, a grande maioria são alterações benignas, que geralmente não necessitam de tratamento. 

Quando falamos de caroço nas mamas, estes podem ser:

  • Cistos: estruturas arredondadas,  preenchidas com líquidos (sangue ou outros fluidos).
  • Nódulos: semelhantes aos cistos, em forma e tamanho, se diferenciam por serem sólidos.
  • Tumores: mais parecidos com os nódulos, se diferenciam principalmente pelo tamanho e por sua composição.

Pode ser difícil para que a mulher identifique com qual tipo de caroço ela está lidando. Por isso, ao identificar qualquer alteração nas mamas, o ideal é procurar um mastologista, especialmente se você já tem mais de 40 anos ou histórico familiar de câncer de mama. 

Neste artigo, vamos te mostrar as 7 principais causas para caroço nas mamas!

Boa leitura!

Principais razões de caroço nas mamas

1. Período menstrual 

Esta é a principal causa para caroço nas mamas, estando diretamente ligados ao ciclo menstrual. É comum que esse tipo de estrutura surja uma semana antes da menstruação e desapareça com o final do período.

Eles podem afetar as duas ou apenas uma mama e podem ser motivo de preocupação por, às vezes, se apresentarem sólidos e doloridos.

Acometem mulheres jovens, na fase reprodutiva, e não são nódulos verdadeiros, e sim acúmulo de glândulas, que formam placas dolorosas, antigamente chamadas de displasia mamária.

Nesse sentido, faz importante o hábito do autoexame das mamas, até para que a mulher conheça sua própria anatomia e tenha condições de perceber qualquer mudança que surja. Sempre lembrando, que o autoexame não substitui a avaliação profissional e os exames de imagem, que podem detectar alterações muito antes de serem percebidas ao toque.

Será que você está fazendo o autoexame da maneira certa? Para ter certeza, confira este artigo do nosso blog:

Autoexame das mamas: por que e como fazer?

2. Tratamentos hormonais 

Mulheres que estejam fazendo algum tipo de tratamento hormonal, como anticoncepcionais ou reposição hormonal, também podem apresentar caroço nas mamas, semelhantes àqueles do período pré-menstrual, ou seja, placas de glândulas, que formam falsos nódulos.

Assim, eles podem surgir em uma ou em ambas as mamas, podendo ser dolorosos. Todavia, costumam sumir após um curto período. Caso permaneçam, é importante procurar uma avaliação médica.

O tratamento hormonal também pode fazer com que surjam ou aumentem o número de cistos nas mamas. Os cistos são glândulas que se encheram de líquido, podendo  ser dolorosos e palpáveis, e são completamente  benignos. 

Conheça os principais tipos de caroços que podem surgir nas mamas, acessando este artigo do nosso blog:

Estou com um caroço na mama: o que pode ser?

3. Crescimento de glândulas 

São chamados de fibroadenomas e costumam ser mais frequentes em mulheres em torno dos 20 aos 40 anos, por estarem associados ao crescimento acelerado e excessivo das glândulas mamárias produtoras de leite e tecido mamário.

Costumam ser móveis, geralmente indolores e podem ocorrer em ambas as mamas. O seu crescimento é estimulado pelos hormônios femininos.

4. Nódulos de gordura

São denominados de lipomas, sendo comuns em qualquer idade. São nódulos formados por gordura, macios e móveis , que ocorrem em qualquer parte do corpo, acometendo também as mamas.

Conheça mais sobre a mamografia da Clínica Viver, certificada pelo Colégio Brasileiro de Radiologia. E, se quiser, já pode até agendar:

Mamografia na Clínica Viver!

5. Infecções na mama 

São os caroços na mama que surgiram em razão de algum trauma físico na área ou doença inflamatória, como a mastite, por exemplo. 

Nesse caso, os caroços são acompanhados de outros sinais, como mudanças na textura, coloração, formato e tamanho das mamas. Além disso, é comum que estejam associados a fortes dores e até a secreções purulentas pelos mamilos. 

É muito importante que a mulher consulte um mastologista assim que notar qualquer mudança anormal nas suas mamas. Lembre-se que o câncer de mama não é a única doença que pode prejudicar a sua saúde! 

Uma das medidas preventivas mais importantes para a saúde da mulher é o check-up das mamas. Quer saber como é feito? No link abaixo a gente te conta:

Como é Feito o Check-up Das Mamas?

6. Diabetes

A mastopatia diabética é um quadro inflamatório, que deriva da mastite e aparece em pessoas diabéticas, especialmente associada ao uso da insulina.

Nesse caso, costumam formar nódulos palpáveis, geralmente únicos e que atingem somente uma mama.

Os caroços endurecidos e semifixos se assemelham muito com o câncer de mama, por isso, tornam mais importante ainda a avaliação mais precoce possível do mastologista. Entretanto, não ocorre transformação maligna. Algumas vezes são quadros de difícil tratamento.

Conheça mais sobre o exame de ultrassom das mamas feito aqui na Clínica Viver – como é feito e o que ele detecta. Se quiser, já pode agendar o seu:

Ultrassom (ecografia) das mamas na Clínica Viver!

7. Câncer de mama 

Por fim, um caroço na mama pode ser um indício de câncer de mama. Os tumores associados à doença são caracteristicamente fixos, duros e indolores. Contudo, como você pôde notar, existem outras causas que compartilham essas características. 

A recomendação é manter-se em dia com seus check-ups e prestar uma atenção maior à saúde das mamas, principalmente se tiver histórico familiar de câncer de mama e/ou mais de 40 anos. 

Você tem receio do procedimento de biópsia? Quer entender melhor como é feito aqui na Clínica Viver? Basta clicar nos links abaixo:

Core biópsia: para que serve e como é feito o procedimento

Qual a diferença entre PAAF e core biópsia?

Estou com um caroço na mama: o que fazer?

A primeira recomendação ao encontrar uma caroço nas mamas é lembrar-se que, na grande maioria dos casos, trata-se de uma ocorrência comum na população feminina, não sendo motivo para se desesperar. 

Caso essa alteração permaneça, mesmo após o período menstrual, é indicada a avaliação do mastologista, para que seja feita a devida avaliação, inclusive com a realização dos exames específicos, como o ultrassom e a mamografia.

Só então será possível determinar a melhor conduta para o seu caso.

Aqui, na Clínica Viver, oferecemos as melhores tecnologias em exames de imagem, para que tenha sempre o diagnóstico mais preciso e seguro. Além disso, nosso time de profissionais experientes e atenciosos estão preparados para te dar todo o cuidado e acolhimento necessários.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, venha cuidar da sua saúde conosco!

Quero agendar meus exames na Clínica Viver!