Teste ergométrico: para que serve e como é feito o exame?

O teste ergométrico é um exame fundamental para saber como anda a saúde do seu coração quando submetido a diferentes níveis de esforço físico.

Seguindo nossa série de artigos sobre os exames relacionados a detecção de problemas no coração, hoje abordaremos o teste ergométrico.

Boa leitura!

Para que serve o teste ergométrico?

Como sabemos, o teste ergométrico – ou teste de esforço – é a avaliação realizada com o paciente fazendo um determinado esforço numa esteira ergométrica, enquanto tem a pressão arterial e os batimentos cardíacos monitorados por aparelhos.

Esse exame serve para investigar problemas no sistema cardiovascular que, possivelmente, não seriam evidenciados com o paciente em repouso.

O teste ergométrico é solicitado em geral nas seguintes situações:

  • Avaliação pré-operatória – O exame é capaz de indicar a capacidade cardíaca do paciente para suportar os riscos do procedimento cirúrgico, por meio da escala de MET (múltiplos de equivalente metabólico).
  • Check-up cardiológico – É muito frequente o teste ergométrico fazer parte da bateria de exames solicitados para avaliação anual da saúde cardíaca, especialmente em pacientes com mais de 40 anos.
  • Confirmação de eletrocardiograma – Quando um ECG convencional revela algum tipo de alteração – ou segundo critérios médicos – o teste de esforço pode ser solicitado para trazer um panorama mais amplo.
  • Liberação para atividades físicas – Para pacientes sedentários, com mais de 40 anos, em grupos de risco ou a critério médico, o exame se mostra importante para indicar o tipo de atividade física ou o nível de esforço seguro.

Além disso, o exame também pode ser solicitado para avaliar o funcionamento de dispositivos implantados no coração (como marca-passo) ou para checar as respostas do coração a terapias ou ao uso de medicamentos.

Saiba mais

Dor no peito é sempre sinal de problemas cardíacos?

Como é feito o teste ergométrico?

Esse exame pode ser realizado tanto em hospitais quanto em clínicas, contanto que o espaço conte com os equipamentos e os profissionais necessários para garantir a segurança do paciente, em caso de intercorrências.

Antes de começar a avaliação, são fixados eletrodos em pontos específicos do corpo do paciente, geralmente no tórax, além do aparelho para monitorar a pressão arterial, que é instalado no braço.

Conforme o protocolo determinado pelo médico, de acordo com o histórico e o condicionamento do paciente, a atividade se inicia e vai aumentando de velocidade gradativamente.

A intenção é que o paciente atinja o seu grau de esforço máximo, e assim que esse pico é alcançado o aparelho passa desacelerar até o fim da atividade.

O exame pode ser interrompido a qualquer momento, caso os aparelhos indiquem alterações relevantes, ou ainda se o próprio paciente referir sintomas ou queixas.

Vale citar que, apesar de o objetivo do exame seja testar a capacidade cardíaca máxima do paciente, trata-se de um exame bastante seguro, desde que realizado em ambiente adequadamente equipado e com o devido suporte profissional.

Como se preparar para o teste do esforço?

A preparação para o teste ergométrico envolve alguns cuidados, confira quais são eles:

  • Não utilizar cremes, pomadas e gel na região torácica antes do exame.
  • Ir para o local do exame com roupas confortáveis, próprias para atividades físicas.
  • Não fumar antes e logo após o exame.
  • Não fazer o exame em jejum e não comer alimentos de difícil digestão antes do teste.
  • Não praticar exercícios físicos antes da realização do exame.

O que o teste ergométrico detecta?

Inúmeras alterações e doenças que afetam o sistema cardiovascular podem ser detectadas durante o teste ergométrico. Entre as mais comuns, podemos destacar:  

  • Doença arterial coronariana (obstrução dos vasos que irrigam o coração).
  • Arritmias (alterações no ritmo dos batimentos cardíacos, para mais ou para menos).
  • Isquemia miocárdica (diminuição da passagem de sangue pelas artérias coronárias).
  • Hipertensão arterial.
  • Risco (ou histórico) de infarto miocárdico.

Veja também

6 sintomas que podem indicar problema no coração

Onde realizar teste ergométrico em Brasília-DF?

Neste exame você conheceu para que serve e como é feito o teste ergométrico. Esperamos que as informações trazidas aqui tenham esclarecido suas dúvidas.

Agora que você já sabe da importância desse exame, que tal conhecer o local ideal para realizá-lo.

A Clínica Viver é referência no Distrito Federal em exames de imagem, como o teste de esforço. Oferecemos aos nossos pacientes uma estrutura moderna e confortável, equipamentos de ponta e uma equipe preparada e atenciosa.

Acesse o botão abaixo, faça seu agendamento e venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

Teste ergométrico na Asa Sul, Brasília-DF

SHLS 716 Sul | Ed. Centro Clínico Sul Torre I | 3º andar | Salas 320 à 324 CEP: 70390-700

Teste ergométrico Em Taguatinga, Brasília-DF

QS 3 Lotes 3, 5 e 7 | Edifício Pátio Capital Pistão Sul | 2º andar | Salas 232 e 233 Taguatinga/DF

Exame Holter 24 horas: como é feito e para que serve?

O exame Holter 24 horas é um dos exames mais importantes usados para avaliar a saúde do nosso sistema cardiovascular.

Trata-se de uma avaliação capaz de trazer inúmeras informações importantes, que vão auxiliar seu médico no diagnóstico, tratamento ou acompanhamento de sua saúde cardiovascular.

Neste artigo, vamos te mostrar como é feito o exame de Holter e para que ele serve. 

Boa leitura!

Para que serve o exame de Holter 24 horas?

O exame Holter é uma avaliação capaz de monitorar a atividade do coração durante o período de 24 horas, a fim de acompanhar o comportamento cardíaco do paciente durante um dia normal de sua rotina, inclusive durante o sono.

Também conhecido como eletrocardiograma de 24 horas, ele tem como maior diferencial a capacidade de trazer informações mais amplas, diferentemente de um eletrocardiograma tradicional, que dura apenas alguns poucos minutos.

Confira abaixo queixas e suspeitas que podem levar o médico a solicitar a realização desse exame:

  • Pacientes com queixas de palpitação ou arritmia.
  • Portadores de marcapasso.
  • Acompanhamento de pacientes com problemas cardíacos diagnosticados.
  • Como exame complementar ao MAPA de 24 horas, permitindo uma avaliação mais completa.
  • Queixas de tontura ou desmaios frequentes.
  • Fraqueza, cansaço ou excessivos e injustificados.
  • Eletrocardiograma alterado, visando aprofundar a investigação.

Veja também

7 exames que avaliam a saúde do coração

Como é feito o exame Holter?

O exame Holter 24 horas é uma avaliação completamente indolor e não invasiva, realizada a partir da fixação de eletrodos no tórax do paciente, conectados a um aparelho que fica preso à cintura ou a tiracolo. 

Enquanto os eletrodos fazem a função de medir o funcionamento do coração, o aparelho registra as informações.

Exame Holter: como é feito e para que serve?

A instalação do dispositivo pode ser feita tanto em ambiente hospitalar quanto em ambulatório e, após isso, o paciente é liberado para realizar as suas atividades normais, monitorado pelo aparelho.

Após as 24 horas, o paciente retorna para fazer a retirada do dispositivo e dos eletrodos, a partir do que os dados colhidos pelo aparelho serão analisados para emissão do laudo.

Veja também

Dor no peito é sempre sinal de problemas cardíacos?

Qual a preparação para o exame Holter?

Para a realização do exame Holter, o paciente deverá se atentar para alguns detalhes, que são:

  • Não aplicar cremes, pomadas ou hidratantes na região do tórax, a fim de não dificultar a fixação dos eletrodos.
  • Como o aparelho não pode ser molhado, aconselha-se que o paciente tome banho antes de colocá-lo, para que o próximo banho ocorra somente após sua retirada.
  • Se for o caso, pode ser necessário depilar algumas áreas do peito, para facilitar a fixação dos eletrodos.
  • Não interromper o uso das medicações normalmente utilizadas, a menos que seja por indicação médica.

Além dos procedimentos preparatórios, é importante também se atentar aos cuidados necessários durante a realização do exame para que tudo saia conforme o esperado e ele não tenha de ser refeito:

  • Evitar molhar o aparelho.
  • Manter a programação normal do dia a dia normalmente, para que o aparelho registre a condição normal de vida do paciente.
  • Evitar o consumo de álcool e bebidas que contenham cafeína.
  • Fazer contato com a equipe assistente, caso os eletrodos se soltem ou ocorra algum problema que afete a avaliação.
  • Os pacientes devem ser estimulados a escrever seus sintomas em um diário,  juntamente com a hora em que ocorreram.

Quais doenças podem ser diagnosticadas pelo exame Holter?

Em geral, o aparelho é capaz de detectar todas as alterações que se reflitam no ritmo e na frequência cardíaca, como:

  • Extrassístoles atriais ou ventriculares (batimentos extra que ocorrem nas câmaras do coração)
  • Bloqueios do sistema de condução do coração. 
  • Bradicardia (ritmo cardíaco mais lento).
  • Taquicardia (ritmo cardíaco acelerado).

Veja também

6 sintomas que podem indicar problema no coração

Onde realizar o exame Holter 24 horas em Brasília-DF?

Neste artigo, você conheceu como é feito e para que serve o exame de Holter. Esperamos que o conteúdo tenha sido útil.

Agora que você já sabe mais sobre esse importante exame, que tal conhecer um ótimo local para realizá-lo? 

Para isso, considere a Clínica Viver como sua melhor opção. Somos referência em exames de imagem no Distrito Federal, contando com equipamentos modernos, uma estrutura confortável, além de uma equipe preparada e acolhedora.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem pedido médico, clique no link abaixo e agende seu exame conosco.

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

Exame MAPA 24h: como é feito e para que serve?

Por mais que a medição tradicional da pressão arterial seja importante para avaliar esse dado, em alguns casos pode ser necessária uma avaliação mais prolongada e completa.

Nesses casos, o exame de escolha é o MAPA de 24h!

Se você passou por uma consulta médica, recebeu recomendação para realizar o exame MAPA 24h e quer saber mais sobre como ele é feito e para que serve, neste artigo você poderá sanar todas as suas dúvidas sobre esse procedimento fundamental para a análise da sua saúde cardiovascular. 

Boa leitura!

O que é para que serve o exame MAPA de 24 horas?

MAPA de 24h significa monitorização ambulatorial da pressão arterial realizada durante 24 horas. Como o próprio nome sugere, esse exame avalia a pressão do paciente durante um dia inteiro, inclusive durante o sono e suas atividades cotidianas.

Essa avaliação é importante porque algumas condições cardiovasculares podem só se manifestar em outros momentos e situações, que uma simples avaliação da pressão no ambulatório pode não revelar.

Algumas das vantagens dessa forma prolongada de avaliar a pressão em relação à medição tradicional são:

  • Obter uma “média” da pressão arterial do paciente ao longo do dia, já que as muitas medições permitem descartar uma ou outra medida muito alterada.
  • Poder avaliar como a pressão se comporta durante o sono, em pacientes com quadros de apneia do sono.
  • Medir a pressão em um ambiente familiar para o paciente, para esclarecer se uma eventual alteração se deu pelo estresse do consultório médico. (hipertensão do jaleco branco)
  • Permite acompanhar a resposta à medicação anti-hipertensiva.
  • Possibilita também a investigação de episódios e sintomas de hipotensão. 

Agora que você já sabe o que é o MAPA, continue acompanhando o texto para conhecer a resposta para outras dúvidas que se relacionam ao exame.

Como é feito o exame MAPA 24 horas?

Assim como a avaliação da pressão em consultório, o exame MAPA 24h é um exame não invasivo e tranquilo para o paciente.

Ele é feito a partir de um manguito fixado ao braço do paciente, para acompanhar a pressão, além de um monitor que registra os seus resultados. Esse monitor pode ficar em uma pequena bolsa ou fixado à cintura.

O tempo de intervalo entre as verificações pode ser indicado pelo próprio médico, e todo trabalho é feito pelo próprio aparelho. Por exemplo, se a medição tiver de ser realizada a cada 15 minutos, nesse intervalo de tempo, o próprio sistema fará o procedimento e registrará o resultado.

Veja também

Check-up médico: exames e especialidades médicas

Qual a diferença entre o Holter e o MAPA?

Apesar de guardarem algumas semelhanças, o Holter e o exame MAPA 24h são procedimentos realizados de maneira diferentes e priorizam a identificação de resultados distintos.

O Holter serve para monitorar a atividade elétrica do coração, também durante 24 horas, com eletrodos fixados ao tórax do paciente e ligados a um aparelho que faz o acompanhamento do registro.

Exame Holter
Exame Holter 24h

Nesse exame serão identificados arritmias, bloqueios,  palpitações e demais alterações no funcionamento do coração, enquanto no MAPA serão identificados problemas relacionados à pressão arterial.

Ambos os exames podem ser utilizados de maneira complementar, possibilitando um diagnóstico mais preciso de doenças ligadas ao coração.

Veja também

7 exames que avaliam a saúde do coração

Onde realizar o exame MAPA 24h em Brasília-DF?

O MAPA pode fazer parte do check-up anual do paciente ou indicado esporadicamente para o acompanhamento da pressão.

Se você é de Brasília e possui um pedido de realização do MAPA conheça a Clínica Viver e agende o seu exame, contamos com equipamentos de ponta e uma equipe preparada para atender às suas necessidades!

 

Exame MAPA 24h na Asa Sul, Brasília-DF

SHLS 716 Sul | Ed. Centro Clínico Sul Torre I | 3º andar | Salas 320 à 324 CEP: 70390-700

Exame MAPA 24h Em Taguatinga, Brasília-DF

QS 3 Lotes 3, 5 e 7 | Edifício Pátio Capital Pistão Sul | 2º andar | Salas 232 e 233 Taguatinga/DF

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

O que a deficiência de vitamina D pode causar?

A Ciência já sabe hoje que a deficiência da vitamina D pode – em alguns casos – levar à dor óssea e osteomalácia (perda da rigidez óssea) em adultos, e ao raquitismo (fragilidade e deformidades) em crianças.

Entretanto, alguns estudos têm demonstrado a relação da vitamina D também com doenças cardiovasculares (como a hipertensão), obesidade, transtornos do humor, diabetes, fraqueza muscular e até câncer colorretal (intestino grosso). Estudos chegaram a apontar que a falta da vitamina aumentaria  as chances de desenvolvimento da forma grave da covid-19.

Confira quais são os outros distúrbios que a deficiência de vitamina D pode causar em nosso corpo e como esse quadro pode ser revertido.

Quais os benefícios da vitamina D?

A vitamina D está envolvida em vários processos, tanto do nosso sistema imunológico, digestivo, circulatório, ósseo e até nervoso.

Para entender o que a deficiência desta vitamina pode causar, é necessário entender primeiramente quais os benefícios que ela traz para o nosso corpo, dentre os quais podemos citar:

  • Aumenta a imunidade.
  • Favorece a absorção do cálcio, fortalecendo os ossos.
  • Auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares.
  • Ajuda no combate à depressão.
  • Melhora a performance esportiva.
  • Combate a insônia.
  • Auxilia na prevenção do câncer colorretal.
  • Ajuda a reduzir a pressão arterial.

O que a deficiência de vitamina D pode causar?

Agora que você já sabe quais os benefícios que a vitamina D traz para o nosso corpo, confira quais são as principais doenças causadas por sua deficiência:

1. Osteomalácia

A osteomalácia é uma doença causada pela falta de deposição de cálcio e fosfato nos ossos (desmineralização óssea), devido a deficiência de vitamina D, que impede que esses minerais sejam absorvidos pelo intestino.

Com isso, os ossos se tornam mais fracos, ficam arqueados e com maior risco de sofrer fraturas.

Além disso, a musculatura tende a também ficar enfraquecida, e o paciente se queixa de dores ósseas generalizadas. 

Saiba mais

Densitometria óssea: a importância do exame para as mulheres 

2. Raquitismo na infância. 

A exemplo da osteomalácia, o raquitismo também está relacionado à deficiência de vitamina D, sendo que suas principais causas na infância são as doenças gástricas, doenças intestinais, insuficiência renal, insuficiência hepática, desnutrição, uso de medicações (como anticonvulsivantes), entre outras.

O que a deficiência de vitamina D pode causar

Esse quadro se manifesta com o atraso no fechamento das moleiras, retardo no crescimento, ossos mal desenvolvidos e curvados.

Saiba mais

8 fatores de risco para a saúde dos ossos

3. Doenças respiratórias

Você poderia até saber que a deficiência de vitamina D traz problemas para os ossos, mas você sabia que ela também pode estar associada a questões respiratórias, como a asma?

Isso mesmo, a falta de vitamina D tende a aumentar as chances de crise de asma em adultos e crianças.

A explicação científica para isso é que alguns genes relacionados ao aparecimento e agravamento da asma são regulados por essa vitamina em nosso corpo.

Por conta disso, pessoas que já apresentam problemas respiratórios devem redobrar a atenção e evitar que os níveis de vitamina D fiquem abaixo do normal.

O que a deficiência de vitamina D pode causar?

O que fazer para tratar a falta de Vitamina D?

Além dessas doenças, algumas outras também podem estar ligadas a falta de vitamina D, como a diabetes tipo 2 e depressão.

Para evitar o surgimento desses problemas de saúde, é necessário identificar e tratar a deficiência de vitamina D.

Para descobrir se o seu nível de vitamina D está baixo ou não, é necessário fazer um exame de sangue. Inclusive é indicado que esse exame seja incluído no check up anual, garantindo um acompanhamento constante.

Em caso de deficiência comprovada, a reposição da vitamina D pode ser feita de algumas formas, a depender da avaliação médica, como:

  • Os conhecidos banhos de sol diários, o que estimula naturalmente sua produção.
  • A ingestão de alimentos ricos nessa vitamina, como peixes, ovos, leite e cogumelo.
  • Já a terceira opção é a suplementação, seja por via oral ou injetável, a critério do seu médico.

Exames de imagem para os ossos? Clínica Viver!

Neste artigo você conheceu alguns dos problemas que a deficiência de vitamina D pode causar.

Como sabemos, uma das principais consequências da carência dessa vitamina é a fraqueza dos ossos e, para avaliar a situação dos ossos, o principal exame é a densitometria óssea. Na Clínica Viver você realiza a densitometria com toda comodidade e tecnologia, para ter o resultado mais preciso e seguro.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem pedido médico, clique no link abaixo e agende seu exame conosco!

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

Qual é a importância da vitamina D para os ossos?

Com o passar dos anos, é comum que algumas pessoas apresentem doenças ligadas ao enfraquecimento dos ossos, como a osteoporose.

Mas você sabia que a vitamina D é o principal agente com poder de combater os problemas ósseos dentro de nosso corpo?

Confira qual é a importância da vitamina D para os ossos e a partir de quais fontes você pode obter esse componente tão importante para a nossa saúde. Boa leitura!

Qual é a importância da vitamina D para os ossos?

A principal importância da vitamina D para os ossos é o seu auxílio na absorção do cálcio, fundamental para a manutenção e regeneração óssea.

Ou seja, uma pessoa que possui baixo índice de vitamina D está sujeita a ter pouco cálcio, o que com o tempo trará problemas para os ossos.

Confira outros problemas que podem afetar a saúde dos ossos além da falta de vitamina D:

8 fatores de risco para a saúde dos ossos

Além, dos ossos, a vitamina D é fundamental para a fortificação de dentes e músculos, além de também influenciar o bom funcionamento do cérebro.

Os números relacionados a quantidade da vitamina presente em nosso corpo devem ser observados principalmente em mulheres que passaram dos 50 anos.

A partir da menopausa, a produção de estrogênio pelo corpo feminino diminui, o que leva a diminuição da massa óssea. Se somada à falta de vitamina D, as consequências tendem a ser mais graves, como a osteopenia e osteoporose.

Confira os principais responsáveis pela diminuição da massa óssea:

O que diminui a densidade óssea?

Fontes de Vitamina D

Agora que você já sabe qual é a importância da vitamina D para os ossos, é hora de conhecer as principais fontes de vitamina D, que recarregam nossos estoques e auxiliam evitando o aparecimento dos problemas ósseos.

1. Luz solar

A melhor e mais indicada fonte de vitamina é a luz solar

A exposição ao sol por pelo menos 15 minutos diários evita o aparecimento de problemas ósseos relacionados à falta de vitamina D e outras condições também induzidas por ela.

É importante que essa exposição seja feita sem o uso de protetor solar e em momentos do dia em que ele não está tão forte, como das 8h às 10h da manhã e das 16h às 18h.

O sol é a maneira mais fácil de conseguir a vitamina D por conta do seu contato direto com o corpo, fazendo com que o nutriente seja absorvido diretamente pela pele.

2. Alimentos

Se a principal maneira de conquistar a renovação dos estoques de vitamina D é através do sol, a segunda opção é através da alimentação.

Confira uma lista de alimentos ricos em vitamina D:

  • Manteiga;
  • Óleo de bacalhau;
  • Sardinha;
  • Salmão;
  • Atum fresco;
  • Leite;
  • Ovo cozido;
  • Carnes em geral;
  • Iogurte;
  • Trigo;
  • Aveia;
  • Quinoa;
  • Queijo;
  • Cogumelos;
  • Laranja.

 

Quando tomar suplemento de vitamina D?

A reposição de vitamina D através da suplementação é indicada em alguns casos específicos, tendo em vista que a maneira ideal é mais saudável de se obter o nutriente é através da luz solar e da ingestão de alimentos ricos na vitamina.

A suplementação é indicada para os seguintes grupos:

  • Pessoas com mais de 65 anos, por conta da maior dificuldade que o corpo tem em absorver os nutrientes responsáveis pela sintetização da vitamina D;
  • Crianças com raquitismo, por conta da necessidade de doses maiores da vitamina para a manutenção de sua saúde;
  • Pessoas que vivem em locais com baixa incidência de luz solar, como em cidades muito frias;
  • Indivíduos com osteoporose, visando evitar o agravamento do quadro.

Saiba como evitar a osteoporose:

Como cuidar da saúde dos ossos e prevenir a osteoporose?

Como confirmar a falta de Vitamina D?

Se você apresenta os sinais de falta de Vitamina D e  quer confirmar que essa é a causa dos problemas percebidos, a maneira mais fácil é através da realização de um exame de sangue, com a dosagem da 25 (OH)  vitamina D, também chamada calcidiol.

Como você conferiu no artigo, o fator idade, somado à falta de vitamina D, pode causar consequências mais graves, como a osteopenia e osteoporose. Por isso, realizar exames de prevenção para checar a saúde e a densidade dos ossos, como a densitometria óssea, é fundamental para a manutenção de uma vida saudável.

Para realizar seu exame de densitometria óssea, considere a Clínica Viver como sua opção. Somos referência em Brasília em exames de imagem e oferecemos a nossos(as) pacientes, tecnologia de ponta, em um ambiente confortável e acolhedor, além de um time de profissionais experientes e atenciosos. 

Realize o seu check up endocrinológico  Clínica Viver e conte com o melhor atendimento do DF

Sinais de que o seu corpo pode ter falta de Vitamina D

A vitamina D possui um papel fundamental no metabolismo do cálcio e, consequentemente, na saúde óssea

Por isso, sua ausência pode levar a diversos problemas e até causar doenças graves, principalmente no sistema músculo-esquelético.  

Muito se tem debatido e estudado sobre as valores normais ou alterados para essa vitamina (já considerada um hormônio), bem como sobre seu papel em outras áreas do nosso corpo, e hoje sabemos que ela parece interferir também no cérebro, coração e artérias, sistema imunológico, pâncreas e até no intestino grosso.

Mas o que acontece quando nosso corpo está com falta de Vitamina D? Conheça os sinais que indicam a falta da substância e como diagnosticar essa ausência.

Sinais que o seu corpo pode ter falta de Vitamina D.

1. Enfraquecimento dos ossos

A osteomalácia e o raquitismo são problemas causados pelo enfraquecimento dos ossos, e ocorrem, respectivamente, na idade adulta e na infância, devido à não formação adequada da parte mineral do osso (cálcio e fosfato), em decorrência da deficiência de vitamina D. 

Já a osteoporose é o enfraquecimento dos ossos devido à perda de tecido ósseo,  ocasionada pela incapacidade do nosso organismo de repor adequadamente a composição dessa estrutura. 

A osteomalácia costuma causar dores ósseas e fraqueza muscular,  já a osteoporose não causa sintomas, até que a primeira fratura ocorra, geralmente na coluna, quadril ou punho.

Saiba mais

Quais as diferenças entre osteopenia e osteoporose 

2. Dificuldade para dormir

A insônia também pode ser causada pela baixa produção de vitamina D. Segundo alguns estudos, devido à interferência que essa carência faz na produção de serotonina.

3. Fadiga sem causa aparente

Alguns pacientes referem sensação de cansaço constante, sem recuperação após o sono.  

Após serem descartadas outras causas orgânicas, como problemas cardíacos, a deficiência de vitamina D deve ser um dos fatores a se considerar, pois pode levar à sensação de falta de energia.  

4. Infecções respiratórias de repetição.  

Gripes e resfriados de repetição também poderiam ser facilitados pela deficiência de vitamina D, através da inibição de células envolvidas no sistema imunológico.

Além disso, alguns estudos têm demonstrado uma associação entre níveis insuficientes de vitamina D e algumas doenças, como hipertensão arterial, resistência à insulina, doenças autoimunes e câncer colorretal.  

Entretanto, um estudo realizado em janeiro de 2022, pela American Journal of Clinical Nutrition, com 2.495 participantes – utilizando suplementação de vitamina D para verificar doenças cardiovasculares ou câncer invasivo – detectou que a suplementação não impediu o aparecimento dessas doenças.

Assim, ainda são necessárias mais pesquisas e estudos sobre o assunto.  

Saiba mais

6 sintomas que podem indicar problema no coração

Como confirmar a falta de Vitamina D?

Se você apresenta os sinais de falta de Vitamina D e quer confirmar se essa pode ser a causa (ou uma delas) para os problemas percebidos, a maneira mais fácil é através da realização de um exame de sangue, com a dosagem da 25 OH vitamina D, também chamada Calcidiol.

Caso seja confirmada a falta dessa vitamina, seu médico-assistente pode sugerir tanto alguns cuidados no dia a dia quanto a suplementação dessa substância.

Neste outro artigo do nosso Blog, você sabe mais sobre como proteger sua saúde óssea como formas de aumentar seus níveis de vitamina D. 

Exames de imagem para os ossos? Clínica Viver!

Neste artigo você conheceu alguns sinais de que seu corpo pode ter falta de vitamina D. Esperamos que o conteúdo tenha sido útil.

Como sabemos, uma das principais consequências da carência dessa vitamina é a fraqueza dos ossos e, para avaliar a situação dos ossos, o principal exame é a densitometria óssea. Na Clínica Viver você realiza a densitometria com toda comodidade e tecnologia, para ter o resultado mais preciso e seguro.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e tem pedido médico, clique no link abaixo e agende seu exame conosco!

QUERO AGENDAR MEU EXAME NA VIVER

É possível reverter a osteoporose?

A osteoporose é o estado crônico de um processo de enfraquecimento progressivo dos ossos, que se dá principalmente pela carência de cálcio no organismo, o que ocorre por diversos motivos.

Quando tratada em seus estágios iniciais, a doença apresenta um prognóstico bastante positivo de recuperação e até mesmo cura.

Mas, e quando a condição já se estabeleceu e está mais avançada? É possível reverter a osteoporose?

Saiba a resposta logo abaixo!

É possível reverter a osteoporose?

Inicialmente é importante entender o processo de enfraquecimento dos ossos e por que ele ocorre.

Para manter a saúde dos nossos ossos, o organismo promove um processo contínuo de renovação das células ósseas, que são constantemente repostas à medida que outras são descartadas. Isso garante que tenhamos um “estoque” contínuo de massa óssea.

Devido ao envelhecimento e pela falta de alguns cuidados diários, esse processo de renovação vai se tornando ineficiente, fazendo com que os ossos percam seu conteúdo, se tornando mais porosos e fracos (conforme imagem abaixo).

É possível reverter a osteoporose

Quando essa perda óssea está em seu estágio inicial (até cerca de 30% de perda), o quadro é considerado de osteopenia e, nessa fase, os tratamentos disponíveis hoje são capazes de reverter a condição e devolver a saúde dos ossos. 

No entanto, quando esse processo não é interrompido e evolui, pode chegar ao que chamamos de osteoporose efetivamente. Condição mais grave e perigosa que, infelizmente, não tem mais possibilidade de cura.

Nessa fase, os cuidados estão voltados a garantir mais proteção ao(à) paciente, visando evitar fraturas e riscos de complicações.

A boa notícia é que, mesmo nessa fase, existem inúmeras ações que podem ser tomadas, e os pacientes afetados podem ter uma ótima qualidade de vida; lógico, tomando os devidos cuidados preventivos.

Veja também

Quais as diferenças entre osteopenia e osteoporose?

Já que a osteoporose não tem cura, o que é possível fazer?

Mesmo que a medicina ainda não disponha de formas de curar a osteoporose, existem medidas e cuidados que podem trazer conforto, segurança e qualidade de vida aos pacientes, reduzindo os riscos das temidas fraturas que podem trazer grandes riscos, especialmente para os idosos.

Confira abaixo as principais medidas que podem ser tomadas por pacientes com osteoporose.

1. Reforçar o consumo de cálcio

Como sabemos, o nutriente mais importante para a saúde dos ossos é o cálcio. Por isso, pessoas com osteoporose precisam reforçar os estoques desse mineral no organismo, para evitar que o quadro progrida.

Nesse sentido, alguns alimentos são essenciais para garantir esse aporte. 

Dentre os principais, podemos citar:

  • O leite e seus derivados (iogurtes e queijos).
  • Os peixes de águas frias (sardinha e salmão).
  • As folhas e vegetais de cor escura (couves, espinafre e brócolis).
  • Os grãos como aveia e grão de bico.

Caso seja necessário, o(a) médico(a) pode recomendar a suplementação de cálcio.

Saiba mais

Por que mulheres têm mais risco de osteoporose?

2. Manter bons níveis de vitamina D

A segunda recomendação para gerenciar quadros de osteoporose, minimizando os riscos de agravamento, é manter a vitamina D em bons níveis no organismo.

Essa vitamina é fundamental para garantir uma boa absorção do cálcio pelo corpo, porém é necessário que nosso organismo seja estimulado a produzi-la.

A principal forma de estimular a produção de vitamina D pelo organismo é a exposição ao sol. Sessões diárias de cerca de 20 minutos, entre as 10h e as 16h, já se mostram suficientes para garantir esse estímulo.

Além disso, alguns alimentos – como ovos, atum e salmão – também auxiliam na produção dessa vitamina.

Em casos de carências mais acentuadas, o médico pode prescrever a suplementação, por via oral ou injetável.

3. Uso de medicamentos

Outro recurso para pacientes já com quadros estabelecidos de osteoporose é o uso de medicações.

Nesse sentido, existem medicações que agem reduzindo o processo de perda de células ósseas, enquanto outros atuam acelerando a produção dessas células.

Especificamente no caso das mulheres – mais de 70% dos casos – existe ainda a possibilidade de reposição hormonal do estrogênio e da progesterona, fundamentais para a saúde dos ossos.

🚨 Caso você possua osteoporose, é importante não se automedicar, a reposição hormonal deve ser prescrita por um médico e pensada de maneira personalizada.

4. Atividades físicas

Outra medida fundamental para proteção e qualidade de vida de pacientes com osteoporose é a prática regular de exercícios físicos.

Entre os mais indicados está a musculação, já que além de fortalecer a massa muscular – protegendo os ossos –, também ajudam a fortalecer a estrutura óssea.

O grande cuidado aqui, para pacientes portadores da doença, é somente realizar exercícios com prescrição e supervisão profissional, visando minimizar o risco de novas fraturas.

Finalmente, é fundamental abandonar hábitos que também prejudicam os ossos, como o tabagismo e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.

Saiba mais

Exercícios para osteoporose: como fazer e orientações

Osteoporose: importância do acompanhamento médico e da densitometria óssea!

O passo inicial para a definição de todos os cuidados citados acima é o acompanhamento médico regular e a realização periódica do exame de densitometria óssea.

É o médico quem irá participar tanto do diagnóstico quanto da condução do melhor tratamento para cada paciente, indicando as melhores condutas, eventual prescrição de medicamentos e até o encaminhamento para outros profissionais, como fisioterapeutas.

Além disso, o principal exame para diagnosticar e monitorar o avanço da osteoporose é a densitometria óssea, sendo indicado como exame preventivo para homens a partir dos 60 anos e mulheres a partir dos 50, ou ainda caso o médico identifique fatores de risco.

Nesse sentido, considere a Clínica Viver como sua melhor opção!

Somos referência no Distrito Federal em exames de imagem e contamos com uma estrutura moderna, equipamentos de ponta, além de uma equipe experiente e atenciosa.

Se você está no Distrito Federal ou Entorno e possui pedido médico, agende online seu exame e venha cuidar da sua saúde conosco!

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER