Colesterol alto tem sintomas?

Por:
Colesterol alto tem sintomas?
7 de março de 2022 Dra. Nubia
Colesterol alto tem sintomas?

Provavelmente você já conheça alguns dos possíveis riscos que o colesterol alto pode trazer para nossa saúde, como:

  • Infarto.
  • Insuficiência cardíaca.
  • Acidente vascular cerebral.

Mas um problema tão perigoso manifesta algum sintoma que sirva de alerta para buscarmos logo um tratamento?

A resposta, infelizmente, é não! O colesterol é uma daquelas doenças silenciosas, o que faz com que elas sejam ainda mais perigosas, pois não dão sinais até que algo mais grave aconteça.

Mas continue a leitura para conhecer quando o colesterol é considerado alto, seus riscos para nossa saúde e, principalmente, o que fazer para se proteger.

Acompanhe!

 

Quando o colesterol é considerado alto?

Antes de tudo, é importante entender que o que chamamos de “colesterol” é, na verdade, o conjunto de diferentes tipos de gorduras, chamadas de frações. Cada uma dessas frações é avaliada separadamente, para que possa ser definido se existe ou não o aumento do colesterol considerado nocivo.

Confira quais são os tipos de colesterol e quando ele é considerado alto:

Colesterol LDL (Colesterol ruim):

  • Normal menor que  130 mg/dL para pessoas com baixo risco cardiovascular. 
  • Normal  menor que 70 mg/dL para pessoas de alto risco para doenças cardiovasculares. 

 

Colesterol HDL (Colesterol bom)

  • Normal: acima de 40 mg/dL.
  • Baixo: abaixo de 40 mg/dL.

 

Triglicerídeos

  • Normal: menor que  150 mg/dL com jejum e  menor que 175 mg/dL sem jejum.
  • Valores acima destes já são considerados preocupantes.

 

Colesterol total

  • Normal menor que  190 mg/dL.
  • Valores acima desse limite já são considerados preocupantes, especialmente em pessoas com fatores de risco.

 

O colesterol total representa a soma das frações de colesterol, porém, para o diagnóstico de alta desse esteroide no organismo, a análise deve ser feita de maneira separada. Afinal, no cálculo do colesterol total também estão englobadas as suas frações.

A redução do LDL colesterol é um dos pilares na prevenção de doenças cardiovasculares, que se reduz à medida em que se diminuem os níveis deste colesterol.  

O risco cardiovascular é o risco que uma pessoa tem de desenvolver doenças como infarto, acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência cardíaca (coração fraco) ou uma doença arterial periférica.  

Este risco é classificado como muito alto, alto, intermediário ou baixo, de acordo com cálculos feitos, que são chamados, em conjunto, de escore de risco.

Para este cálculo, considera-se a presença de alguns fatores, como: diabetes, doença renal crônica, calcificações nas artérias do coração, histórico de infarto ou AVC e presença de LDL maior ou igual a 190 mg/dl.

A partir desse cálculo, determina-se em quais níveis se deve manter o colesterol bom (HDL) e o colesterol ruim (VLDL) para cada pessoa. 

Veja também: Sintomas e como prevenir a gordura no fígado!

Colesterol alto tem sintomas?

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o colesterol alto não apresenta sintomas na maioria dos casos. Isso reforça ainda mais a importância da realização de exames de rotina, onde serão medidos esses valores e, se for necessário, iniciado o tratamento.

Apesar de o colesterol não apresentar sinais, as doenças ocasionadas pelo seu aumento podem vir a se manifestar de formas bastante graves e perigosas, principalmente em decorrência da aterosclerose, que é  o acúmulo de placas de gordura nas artérias, obstruindo o fluxo de sangue, levando a uma série de riscos, sendo os principais o infarto ou o acidente vascular cerebral (AVC).

 

Colesterol alto tem sintomas?

Formação de placas de gordura nas artérias

 

E esse risco é ainda maior para pessoas diabéticas ou com pré-diabetes, que possuem 3 a 4 vezes mais chance de apresentar entupimento das artérias.

E engana-se quem pensa que somente pessoas com sobrepeso ou obesidade têm risco de apresentar colesterol alto. Apesar desses grupos terem maior risco, mesmo pessoas consideradas magras também podem vir a apresentar o problema.

Sendo assim, o ideal é manter o hábito de verificar os níveis de colesterol no sangue – realizando exame de lipidograma ou perfil lipídico – no mínimo uma vez ao ano, de preferência com o acompanhamento de um cardiologista ou endocrinologista.

 

👉 Leia também:

Como saber se é hora de procurar um cardiologista?

 

 

Como prevenir ou baixar o colesterol alto?

Apesar de 70% do colesterol ser produzido por nosso próprio organismo, hábitos de vida saudáveis têm grande influência na regulação das diferentes frações de colesterol, permitindo que os riscos à saúde sejam diminuídos.

Com relação à alimentação, algumas mudanças no cardápio já podem trazer grandes benefícios:

  • Trocar queijos amarelos por queijos brancos ou reduzidos em gordura.
  • Adicionar as consideradas gorduras boas à dieta, como abacate, azeite de oliva e as provenientes de oleaginosas, como a castanha de caju e do Pará.
  • Excluir a gordura vegetal hidrogenada da dieta, presente em salgadinhos, batata-palha, macarrões instantâneos, bolachas recheadas etc (na dúvida, procure no rótulo do alimento).
  • Reduzir o consumo de açúcares e carboidratos, especialmente doces e massas.
  • Incluir na dieta o consumo de ômega 3, que pode ser obtido por meio do consumo de peixes de águas frias, como atum, sardinha ou salmão, ou ainda com suplementação oral.
  • Dar preferência para o consumo de grãos e cereais integrais.
  • Diminuir o consumo de carnes com alto nível de gordura, preferindo cortes magros, como patinho, alcatra, coxão mole, peito de frango e tilápia.
  • Diminuir o consumo de álcool,  que aumenta a produção do colesterol ruim no fígado.  

 

Além de cuidar da parte nutricional, é fundamental a prática de exercícios físicos de maneira regular para a prevenção ou diminuição do colesterol alto e, principalmente, dos triglicerídeos.

Existem alguns medicamentos que podem ser indicados para o tratamento do colesterol alto, sendo as estatinas as mais utilizadas. 

É importante lembrar que o colesterol também é influenciado por nossas propensões genéticas, ou seja, algumas pessoas vão produzir mais, enquanto outras, menos.

 

👉 Leia também:

6 sintomas que podem indicar problemas no coração

 

Monitore o seu colesterol através das avaliações de rotina

Como você viu, a melhor forma de acompanhar e diagnosticar o colesterol alto é por meio dos exames de rotina, que visam monitorar os níveis dessas gorduras, possibilitando uma abordagem mais rápida, seja por mudanças de hábito ou o uso de medicamentos.

Para isso, o ideal é buscar o acompanhamento de um médico endocrinologista (especialista em hormônios e metabolismo),  ou cardiologista (referência em cuidados com o coração) .

A partir disso, caso sejam verificadas alterações preocupantes em seu colesterol, esses profissionais podem fazer orientações iniciais e, se for o caso, te encaminhar para orientações específicas com um(a) nutricionista.

A Clínica Viver é referência em Brasília em exames de imagem e oferecemos a nossos(as) pacientes tecnologia de ponta, em um ambiente confortável e acolhedor, além de um time de profissionais experientes e atenciosos.

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames de imagem solicitados, faça o pré-agendamento do seu exame, clicando no botão abaixo.

 

QUERO AGENDAR MEUS EXAMES NA VIVER