Ecocardiograma e eletrocardiograma: conheça as diferenças entre os exames

Por:
Ecocardiograma e eletrocardiograma: conheça as diferenças entre os exames
26 de fevereiro de 2021 Dra. Nubia
Ecocardiograma e eletrocardiograma: conheça as diferenças entre os exames

Dentre os exames capazes de avaliar a saúde cardiovascular, o ecocardiograma e o eletrocardiograma são escolhas frequentes da maioria dos cardiologistas.

As principais razões são a qualidade e precisão das informações geradas por esses exames, que são muito úteis para esclarecer e monitorar diversos problemas cardíacos, além de serem exames não invasivos e livres de radiação, podendo ser indicados para todo tipo de paciente.

Apesar de terem semelhanças (principalmente nos nomes), o ecocardiograma e o eletrocardiograma são exames bem diferentes, feitos de formas distintas e buscam investigar diferentes alterações cardíacas.

Neste artigo você confere as finalidades de cada um desses exames tão importantes para a saúde do seu coração.

Diferenças entre ecocardiograma e eletrocardiograma

Descubra abaixo um pouco mais sobre cada um dos exames, quando eles são recomendados e onde você pode realizá-los. 

Eletrocardiograma (ECG) 

O que é? 

O eletrocardiograma, também chamado de ECG, é um exame de análise cardíaca que mede o ritmo cardíaco e os impulsos elétricos que estimulam o músculo cardíaco.

Em geral, um coração saudável em repouso mantém uma frequência cardíaca em torno de 60 a 90 batimentos por minuto. E tanto a frequência quanto o ritmo e a intensidade dos batimentos são monitorados por esse exame.

O aparelho eletrocardiógrafo capta essas informações e as registra em forma de gráficos, que serão interpretados pelo cardiologista.

Existem três modalidades do exame, que poderão ser utilizadas para avaliar aspectos distintos: ECG padrão, de esforço e o Holter. Dentre as três, a mais comum é o ECG padrão, que trataremos no decorrer deste artigo. 

Leia mais:

6 sinais de que há algo errado com o seu coração

Como é feito? 

O eletrocardiograma padrão é um procedimento simples, que leva de 5-10 minutos para ser feito.

Com o paciente deitado em uma maca e a parte de cima desnuda, são posicionados pequenos adesivos sobre a pele (eletrodos), responsáveis pela emissão de pequenas descargas elétricas.

 

Além de serem posicionados na área do tórax, logo acima do coração, os eletrodos também poderão ser colocados nas pernas e braços, para captar a pulsação de maneira ainda mais eficiente. A partir daí, o trabalho é por conta do eletrocardiógrafo.

De maneira geral, não é necessária uma preparação específica para a realização do exame, mas é recomendado estar em repouso por pelo menos 10 minutos e não ter fumado imediatamente antes do exame.

Quando é indicado? 

O eletrocardiograma é um exame que costuma ser recomendado como parte da rotina do check-up anual para homens e mulheres, geralmente a partir dos 35-40 anos

Em geral, o ECG é realizado para investigar problemas cardíacos como:

  • Arritmia: alterações na frequência de batimentos cardíacos.
  • Pericardite: inflamação do pericárdio, que é a membrana que reveste o coração.
  • Infarto: confirma ou descarta essa ocorrência.
  • Miocardite: inflamação do músculo cardíaco.

De maneira geral, o exame não apresenta contraindicações, podendo ser realizado por todo tipo de paciente, à exceção de alguns casos em que o paciente tenha dificuldade em permanecer imóvel, como pacientes com doença de Parkinson, por exemplo. 

Veja também!

7 exames que avaliam a saúde do coração

Ecocardiograma 

O que é? 

Também conhecido como ultrassonografia cardíaca, o ecocardiograma se diferencia do eletrocardiograma desde sua forma de captar as informações. Enquanto o ECG funciona baseado nos impulsos elétricos do coração, o ecocardiograma emite sons de alta frequência.

Esses sons, quando direcionados ao coração, é capaz de construir imagens nítidas e detalhadas de toda a estrutura cardíaca, como válvulas, câmaras, principais veias e artérias. 

A principal diferença para o eletrocardiograma é que, enquanto este tem o foco principal nas funções do coração (frequência, ritmo, intensidade), ecocardiograma é feito para avaliar a anatomia, a estrutura do coração e o que isso pode indicar.

Quando acompanhado da função doppler, o exame se torna ainda mais detalhado, tornando-se capaz de analisar também o fluxo sanguíneo e a vascularização da região.

Assim como o eletrocardiograma, o ecocardiograma apresenta quatro principais variações, acompanhadas ou não por doppler, sendo 

  • ecocardiograma transtorácico;
  • ecocardiograma sob estresse;
  • ecocardiograma transesofágico;
  • ecocardiograma fetal.

Dentre essas modalidades, o ecocardiograma transtorácico é o mais comum e o que será considerado neste artigo. 

Como é feito? 

O procedimento é simples, não invasivo e indolor, durando por volta de 20 minutos

O exame não requer qualquer tipo de preparo especial e pode ser feito assim que o paciente chega à clínica. Geralmente o paciente é orientado a remover jóias e objetos metálicos e a vestir uma roupa cirúrgica para facilitar a realização do exame. 

Em seguida, o paciente é posicionado deitado em uma maca, após aplicação de um gel à base d’água, o cardiologista irá mover o transdutor sobre a região torácica. As imagens são captadas e visualizadas em tempo real no monitor, de onde o médico vai selecionar as melhores imagens para inserir no laudo. 

Os resultados ficam disponíveis no mesmo dia. Após o exame, o paciente pode voltar às suas atividades cotidianas. 

Leia mais:

Cardiopatia congênita: o que é, tipos e sintomas

Quando é indicado? 

Este exame possui diversas indicações dentro da cardiologia. Por não apresentar contraindicações, o ecocardiograma pode ser utilizado tanto para consultas de rastreio (check-up) e investigação de sintomas, quanto para monitorar doenças cardíacas já existentes ou congênitas (desde o nascimento).

Em geral, o ecocardiograma é realizado para investigar problemas cardíacos como:

  • Sopros cardíacos: problema indicativo de alterações em válvulas do coração.
  • Arritmias: alterações na frequência dos batimentos, podendo levar a desmaios e síncopes.
  • Tamanho do coração: avalia pessoas com coração maior que o normal, assim como o tamanho das cavidades cardíacas.
  • Potência do coração: avalia se o músculo cardíaco está forte ou fraco e se está bombeando o sangue com a devida pressão.
  • Pós-infarto: avalia os danos deixados no coração por um infarto do miocárdio.

Como você viu, o ecocardiograma é capaz de fornecer um mapa completo do coração. Por isso é uma das técnicas mais usadas pelos cardiologistas para a investigação de sintomas.

Leia mais:

Ecocardiograma: quando é indicado o ultrassom do coração?

Onde realizar seus exames em Brasília? 

Como vimos neste artigo, apesar de terem nomes parecidos, ecocardiograma e eletrocardiograma são exames bem diferentes, tanto no funcionamento quanto nos objetivos de cada exame.

O que não tem diferença é que se trata de dois exames fundamentais para avaliação da saúde do seu coração.

Por conta disso, a escolha do local para realizar seus exames é um fator importante para garantir a segurança e precisão dos resultados. 

Na Clínica Viver, oferecemos aos nossos pacientes os mais modernos recursos e equipamentos do mercado. Além disso, todos os exames são realizados por médicos. Assim, garantimos profissionalismo e segurança durante a realização de seus exames, com a entrega de resultados no menor tempo possível. 

Se você está em Brasília ou Entorno e tem exames solicitados, faça seu agendamento online e venha cuidar da sua saúde conosco!